Câmara Municipal de OH ainda não sabe quando irá reabrir Ponte da “Adarnela” sobre o Rio Cobral a veículos pesados população começa a dar sinais de impaciência

Câmara Municipal de OH não sabe quando reabrirá Ponte da “Adarnela” sobre o Rio Cobral a veículos pesados e população começa a dar sinais de impaciência

Os condutores de carros pesados e alguns habitantes de Travanca e Lagares da Beira estão a perder a paciência com a falta de soluções e repostas por parte da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, relativamente à interdição de veículos na ponte da “Adarnela” sobre o Rio Cobral, que liga aquelas duas localidades. O CBS falou com os presidentes das respectivas juntas de freguesia, mas nenhum deles sabe, embora já tenham questionado por várias vezes a autarquia, quando o problema, que dura há vários meses, estará resolvido. O município, entretanto, respondeu de forma vaga às questões colocadas pelo CBS sobre este assunto e não apontou qualquer data para a resolução do problema.

2014-12-09 16.35.41 (Medium)“O Departamento de Obras Públicas da Câmara Municipal tem já em execução um projecto para a resolução do problema que, oportunamente, seguirá a tramitação com vista à sua execução”, respondeu de forma vaga numa nota a autarquia quando questionada pelo CBS sobre qual a data prevista para a reabertura da ponte à circulação de pesados. Quanto ao que foi feito nestes meses, a autarquia, no mesmo e-mail, explica que, entre outros trabalhos, tem sido feita uma monitorização contínua do comportamento da estrutura. “Os serviços da Câmara Municipal têm feito, periodicamente, o fecho de fissuras no pavimento para evitar a infiltração de águas e a eventual saturação do aterro de suporte à plataforma da ponte. Muito embora o estado da plataforma não se tenha vindo a agravar, mantém-se, no entanto, por precaução, a interdição à circulação de pesados”, refere, explicando que se trata de uma ponte centenária e que a decisão de condicionar o trânsito se deve ao facto de ter sido detectado um assentamento no tabuleiro da referida ponte. Mas não dá nenhuma indicação sobre o início das obras de reparação e muito menos da sua conclusão.2014-12-09 16.36.06 (Medium)

“O sinal a impedir o trânsito está lá há um ano e não vemos por parte da autarquia qualquer acção, quer para solucionar o problema, quer para dar uma explicação às populações”, escreveu num e-mail enviado ao CBS Norberto Carvalho, apontando de seguida alguns dos transtornos que a situação está a causar aos habitantes. “Há um ano que as nossas crianças, que vão para a escola Básica de Lagares, têm de ir por Oliveira do Hospital, pois o autocarro está proibido de passar na ponte, logo têm que se levantar mais cedo. O autocarro da Rodoviária da Beira Litoral, que parte todos os dias de Meruge com destino a Coimbra e cujo itinerário é por Travanca, tem que fazer um desvio de Lagares por Oliveira do Hospital e só depois passa por Travanca. Queremos passar com tractor de lenha e não podemos, pois é viatura pesada. Quando se fala tanto em caminhos, se são particulares ou públicos, porque é que a Câmara Municipal não arranja a ponte?”, questiona, antes de concluir: “Basta de sofrer com tudo isto”.

2014-12-09 16.38.29 (Medium)O presidente da Junta de Freguesia de Travanca já, na última Assembleia Municipal, questionou o executivo municipal sobre este assunto, tendo na altura recebido como resposta por parte de presidente José Carlos Alexandrino que o assunto estava em estudo e era uma prioridade. Mas hoje António Soares continua a não saber quando será feita a intervenção. “Nós pouco mais podemos fazer que não seja alertar a Câmara para esta situação. Já falei várias vezes com o executivo, mas continuo sem respostas concretas”, conta António Soares, reconhecendo que a situação causa vários transtornos. “Esta era uma via muito utilizada, até por empresas de materiais de construção, mas agora tudo o que seja veículo pesado tem de dar uma volta de mais nove ou 12 quilómetros. Para quem tiver de fazer esse trajecto diariamente torna-se um bocadinho pesado”, sublinha este autarca que diz nunca lhe ter sido dada qualquer informação sobre prazos. “Não sabemos. A minha expectativa é que isto se resolva rapidamente, porque penso que já vai fazer um ano em Fevereiro. É algum tempo”, remata.

Do lado de Lagares, a autarca Olga Bandeira refere 2014-12-09 16.35.13 (Medium)que a informação que tem é que a autarquia está a analisar o problema. “Não temos muito mais para dizer”, explica, reconhecendo que a actual situação não deve ser agradável para a população, mas também vai dizendo que directamente não tem recebido na Junta de Freguesia queixas. “Há alternativas a esta ponte”, justifica, recusando-se a dar a sua opinião sobre se não deveria ter sido feito mais pela Câmara Municipal durante todo este tempo que a ponte leva encerrada a viaturas pesadas. “O que podia dizer, já disse”, rematou.

Há também quem se mostre preocupado com o socorro por parte dos Bombeiros de Lagares a Travanca no caso de um2014-12-09 16.38.18 (Medium) incidente que obrigue à deslocação de autotanques, por exemplo. “Vão, primeiro por Oliveira do Hospital, fazer mais 12 Km?”, questiona Norberto Carvalho. Mas este parece ser um problema mais facilmente contornado. O comandante daquela corporação explica que Travanca pertence à área de intervenção dos bombeiros de Oliveira do Hospital, actuando os de Lagares apenas como apoio. “Num caso complicado eles chegariam primeiro e nós teríamos tempo de dar a volta”, sublinha António Pinto, reconhecendo que não é a melhor solução, mas a possível. “De resto só não podemos passar com carros de peso superior 3500 kg, o que nos permite movimentar pela ponte várias viaturas ligeiras”, conta, adiantando que considera esta situação preocupante e que já devia ter sido resolvida. “Não sei quais os fundamentos da Câmara, mas parece-me que o processo tem sido mal conduzido. Numa primeira fase ficava interdita quase toda a estrada. Depois de ter chamado a atenção para esse facto, a placa passou para junto da ponte. O problema, porém, é que foi interdito todo o trânsito pesado, ou seja, qualquer veículo automóvel com mais de 9 lugares ou com peso superior a 3500 quilos, carregado ou descarregado. Assim nem um tractor lá pode passar”, adianta, lembrando que seria, no seu entender, estabelecer um determinado peso, evitando assim uma restrição tão apertada. “Só espero é que isto seja rapidamente resolvido, dado que causa transtornos a muita gente”, concluiu.

LEIA TAMBÉM

Tomada de posse dos órgãos autárquicos marcada pela tragédia dos incêndios e presidente reeleito aposta em “fazer renascer Oliveira do Hospital”

Não foi uma tomada de posse normal dos novos responsáveis pelo munícipio. Os discursos inflamados …

António Lopes apresenta denúncia no MP contra as autoridades do concelho oliveirense por entender que pode existir “crime de homicídio por negligência” na tragédia dos incêndios

O eleito à Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital, António Lopes, apresentou ontem uma denúncia …

  • Politicalex

    Perguntem lá pelos calendários da bola e vão ver que sabem as datas todas.As das festas, essas tenho a certeza que já está tudo calendarizado…Isto, é uma pobreza..!

  • Boas lagaradas

    Se o lagar da foto estivesse a funcionar, como seria? Bem para irem lá fazer umas lagaradas, já arranjavam a ponte.

  • Cobral

    Tenho dito…..tudo pelas pessoas.

  • António Lagos

    Isso não dá votos amigos! O que dá votos são foguetes e bombas…

  • joao carlos

    O ps de oliveira tenha vergonha…Esta ponte no Ervedal ja estava reparada…
    So quando cair e que se vai pensar em levantar fica mais barato….vamos rezar para não estar ninguem a passar.