A Câmara Municipal de Oliveira do Hospital (CMOH) está a desperdiçar uma importante fonte de receita que poderia entrar nos cofres do município mensalmente, ao não cobrar nenhuma Taxa Municipal de Direitos de Passagem (TMDP) aos operadores de telecomunicações fixas, com clientes no concelho de Oliveira do Hospital.

Câmara Municipal não cobra taxa legal aos operadores de telecomunicações

Imagem vazia padrãoA cobrança desta taxa, efectuada por um vasto número de municípios portugueses e em vigor desde 2004, está prevista na Lei das Comunicações Electrónicas – a Lei nº5/2004, de 10 de Fevereiro –, e estabelece “que os direitos e os encargos relativos à implantação, à passagem e ao atravessamento de sistemas, equipamentos e demais recursos das empresas que oferecem redes e serviços de comunicações electrónicas acessíveis ao público, em local fixo, dos domínios públicos e privados municipais podem dar origem ao estabelecimento de uma taxa municipal de direitos de passagem (TMDP).

Nos termos da mesma lei, a TMDP é determinada com base na aplicação de um valor percentual, que não pode exceder os 0,25 por cento, sobre cada factura emitida pelas empresas que oferecem aquele tipo de serviço de comunicações. Um cliente Cabovisão com uma factura de 50,00 euros, por exemplo, paga de TMDP mensal um valor de 12 cêntimos e meio.

Sublinhe-se que o regime legal estabelece que as receitas provenientes da TMDP, destinam-se aos municípios, pelo que “as empresas que oferecem redes e serviços de comunicações electrónicas em local fixo se comportam como meros intermediários entre os clientes finais, que efectivamente suportam a TMDP, e os municípios”.

Nos municípios em que seja cobrada a TMDP, as empresas são obrigadas a incluir nas facturas dos clientes finais, e de forma expressa, o valor da taxa a pagar, só que em Oliveira do Hospital a taxa é zero, não se sabendo ao certo qual é a receita que a CMOH deixa de apurar.

Uma fonte ligada ao executivo camarário, afirmou entretanto ao Correio da Beira Serra que este assunto já foi discutido – no anterior mandato – em reunião de Câmara, mas a Assembleia Municipal chumbou, por maioria, a proposta de aplicação desta taxa, que pouca implicação acaba por ter na factura dos clientes.

Henrique Barreto

LEIA TAMBÉM

ANCOSE ajuda a salvar queijo Serra da Estrela com reforço dos rebanhos

A Associação Nacional de Criadores de Ovinos Serra da Estrela (ANCOSE) reforçou os rebanhos dos …

Autarcas avançam para tribunal para travar fecho dos CTT nas Beiras e Serra da Estrela

A Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela (CIM-BSE) anunciou hoje que vai avançar …