Câmara promete “mão bastante dura” para casos de incêndio com origem negligente

…onde o presidente da Câmara deu como certa a aplicação de “mão bastante dura” nos casos de negligência.

“Não é possível continuar a manter pessoas com uma negligência elevada a colocar em causa os bens patrimoniais das outras pessoas e vizinhos”. A declaração foi feita, esta manhã, pelo presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, quando participava na sessão de sensibilização realizada no recinto da feira oliveirense e da qual fez parte a reunião da Comissão Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios.

Comparando com o ano de 2005 , entendido como um dos mais negros em matéria de incêndios florestais, José Carlos Alexandrino referiu que os números registados no primeiro trimestre deste ano “estão muito à frente” dos que foram registados em período homólogo daquele ano e, garante não ter dúvidas de que, apesar de as condições climatéricas não serem propícias, “tem havido um conjunto de ocorrências derivado de negligência”.

Uma realidade que o autarca olivereinse pretende averiguar, não querendo deixar que os autores de fogos com origem negligente fiquem impunes. “Da parte da Câmara Municipal vai haver mão bastante dura para esses casos”, assegurou José Carlos Alexandrino aos jornalistas, reportando-se diretamente aos incêndios ocorridos em Senhor das Almas e Santa Ovaia e que, até ao momento, são considerados os grandes incêndios ocorridos, este ano, no concelho de Oliveira do Hospital.

“Há casos concretos, este ano, de pessoas que fizeram queimadas de forma irresponsável e que prejudicaram grandes áreas”, continuou Alexandrino, aludindo a “casos de negligência grosseira” que “trouxeram graves prejuízos ao concelho”.

Na ação de proximidade com os oliveirenses, os responsáveis locais pretenderam alertar para os perigos decorrentes de queimas e queimadas, em particular quando as condições climatéricas não são as adequadas para aquela prática.

“Viemos consciencializar as pessoas para que obedeçam às regras e efetuem pedidos junto da Câmara Municipal, que está disponível para acionar todos os meios, para que não aconteçam as desgraças que se têm vindo a verificar aqui no concelho”, explicou o presidente do município e responsável pela proteção civil municipal que ao lado de comandantes dos bombeiros voluntários, GNR, e outros agentes da proteção civil distribuiu material informativo pelos oliveirenses, numa lógica de “prevenção”.

A preocupação em torno daquilo que poderão ser práticas negligentes não se esgota, contudo, na realização de queimas e queimadas e chega também ao incumprimento dos proprietários em matéria da limpeza obrigatória dos terrenos. “Temos vindo a diagnosticar casos de falta de limpeza e damos período de 15 dias para as pessoas efetuarem esse trabalho”, referiu Alexandrino, explicando que findo aquele prazo, a autarquia procede à aplicação de coima e, em caso de necessidade, à limpeza do terreno em questão.

O que acaba por continuar fora do controlo da autarquia é o caso de terrenos com proprietários desconhecidos e que tem dificultado o trabalho de prevenção desencadeado pelo município. “Pensei que com as novas avaliações poderia haver aqui uma bolsa de terrenos de proprietários desconhecidos e aos quais é preciso dar um caminho”, frisou o autarca, aludindo ao levantamento cadastral que continua parado.

Segundo explicou, o objetivo era reunir todos os terrenos sem dono num mesmo pacote e em caso de não haver reivindicação por parte do proprietário, o terreno passar para a alçada do município. “Há muito trabalho a fazer nesta área”, frisou o autarca oliveirense, regozijando-se porém, com o facto de o município dispor de um dispositivo contra incêndios capaz de assegurar “uma boa resposta”.

“Só por isso é que o número de área ardida não é maior”, constata o presidente que, entre janeiro e março deste ano, já conta com 63 ocorrências e 27 hectares de área ardida.

LEIA TAMBÉM

Dominado fogo que hoje se reacendeu em Tábua

O incêndio florestal que deflagrou na terça-feira no concelho de Tábua, que esteve em fase …

Incêndios destruíram mais 500 hectares em Seia

Incêndio de Tábua reacendeu-se e mobiliza centenas de bombeiros

O incêndio que ontem deflagrou em Tábua, está novamente activo. O reacendimento aconteceu ao início da tarde …