Câmara sofre corte de 285 mil Euros por ter ultrapassado limite de endividamento

A Câmara Municipal de Oliveira do Hospital ultrapassou, em 2011, o limite de endividamento líquido imposto pelo Governo. De acordo com gabinetes dos secretários de Estado da Administração Local e Adjunto e do Orçamento está em causa um montante de € 1.060.020.

A informação consta de despacho da Presidência do Conselho de Ministros e Ministério das Finanças publicado em Diário da República, de 15 de janeiro de 2014. “Após o apuramento do endividamento municipal relativo a 2011, confirmou-se em 31 de dezembro de 2011, que o município de Oliveira do Hospital não cumpriu com o limite de endividamento líquido no final daquele ano, contrariamente ao verificado em 1 de janeiro de 2011, no montante de € 1.060.20”, lê-se no despacho, segundo o qual o município manteve a “situação de incumprimento face à legislação aplicável” no ano de 2012.

Uma situação que entra em desacordo com o disposto no nº1 do artigo 53º da Lei nº 55 – A /2010 de 31 de dezembro, alterada pela lei 60-A/2011, de 30 de novembro, segundo o qual o valor de endividamento liquido a 31 de dezembro não pode ser superior ao observado a 30 de dezembro do ano anterior. Em face disso, a autarquia vê-se a abraços com uma redução de “10 por cento da respetiva transferência do Fundo de Equilíbrio Financeiro, prevista no mapa XIX do Orçamento de Estado para 2013 e seguintes, pelo número de duodécimos necessário até perfazer o montante de €285.518.” “A manutenção da redução será reapreciada no 1º semestre de 2014, após análise da evolução do endividamento municipal verificado em 2013”, refere o mesmo despacho.

A situação já foi reportada pelo presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, José Carlos Alexandrino, ao executivo em reunião do passado dia 23 de janeiro, acabando por ser justificada – conforme ata publicada no site da autarquia –  com a “contabilização de uma fatura relativa a um auto de medição do Centro Educativo de Nogueira do Cravo e de uma fatura da EDP”. João Mendes, diretor de Departamento de Administração Geral e Finanças disse, porém, haver ainda “mecanismos para a recuperação” dos 285 mil Euros cativos. Na ocasião José Carlos Alexandrino referiu que o à data vereador Paulo Rocha ainda tentou saber junto da Diretora Geral das Autarquias Locais, a fórmula do cálculo do endividamento, mas sem sucesso.

Presente naquela reunião, a vereadora do PSD, Cristina Oliveira, destacou a necessidade de se reduzirem custos com consumo de electricidade em equipamentos urbanos, sugerindo até que alguns equipamentos, como os mupis “estivessem desligados durante a noite”. Uma situação que José Carlos Alexandrino disse estar a ser levada em conta pela equipa de eficiência energética, cujo estudo acabou por ser apresentado na reunião pública seguinte.

LEIA TAMBÉM

Polícia Judiciária deteve mulher que tentava introduzir haxixe na prisão de Coimbra

PJ deteve em Coimbra autor de crimes de homicídio, na forma tentada e de roubo

A Polícia Judiciária deteve um homem pela presumível prática de um crime de homicídio, na …

GNR realizou ontem 40 detenções em flagrante delito, sete das quais por roubo

Filho preso por suspeitas de ter matado mãe com martelo em Viseu

O homem de 37 anos suspeito de ter matado a mãe em Santarinho, no concelho …

  • Leandro Santos

    Que vergonha! Não era este o executivo que tanto se gabava de ter uma câmara com uma situação financeira exemplar, que tinha um activo superior ao passivo e outras tretas mais?

    Queriam gastar o dinheiro do orçamento em inutilidades e continuar como se nada se passasse? Aí está o lindo resultado!

    • 1ª Epístola de São Paulo Rocha

      “Aí está o lindo resultado!”
      Caro Leandro, este valor de €285.518 é parte do que nos vai ser descontado até ao total que prevaricamos em 2011,i.e. € 1.060.020. Relativamente a 2011, ainda nos vai ser descontado € 774.502. http://dre.pt/pdf2sdip/2014/01/010000000/0122401225.pdf
      E o 2012? E o 2013? Alguém vai sofrer as consequências, mas não vai ser o Alexandrino. Nessa altura já está noutros locais. Locais que ganhou com estas fugas à Lei das Autarquias.

      AMEN

  • Zé António

    Ahhh!!! Que grande admiração!!! É o que faz ter que ganhar eleições!! Lixar o dinheiro dos munícipes para proveito do ego de alguns buçais incompetentes que nem português sabem!