Campos inaugurou variante e disse “não baixar os braços” pela construção dos IC

Dando cumprimento ao “timing” previsto – há um ano atrás o governante apontou a data do dia do município – o secretário de estado adjunto das Obras Públicas e das Comunicações foi, hoje, a Seia inaugurar a variante, um troço de 3,2 quilómetros que contorna a cidade por poente e sul, num investimento superior a três milhões de Euros.

Em dia de comemoração do 23º aniversário de elevação de Seia a cidade, o autarca que, este ano, se despede do lugar de presidente da Câmara Municipal disse que o cumprimento dos prazos “é um teste à credibilidade de quem faz política e da democracia”. “Quando queremos as coisas podem-se cumprir”, afirmou Eduardo Brito referindo-se a Paulo Campos como um “político de primeira linha, que fez com que este projecto de concretizasse”.

Confiante do arranque breve da segunda fase da variante que ligará à estrada de acesso à Serra da Estrela, Brito destacou a importância que a conclusão da primeira fase tem para a população. “Esta estrada é vital para dar maior solidez ao nosso desenvolvimento”, verificou o autarca, assegurando que a variante não vai desviar o poder de compra do centro da cidade.

De saída do executivo camarário, Brito disse partir “seguro e convicto” de que os problemas que ainda afectam o concelho vão continuar a ser resolvidos. Desafiou, por isso, Paulo Campos a não hesitar no que respeita ao lançamento do concurso para a construção dos IC6, 7 e 37.

“Não pode ser uma região como a nossa, que espera há 35 anos por estes troços, que tem agora que contribuir para o equilíbrio das finanças públicas”, verificou Eduardo Brito, lembrando que o governo “está em pleno uso das suas competências”. Defendendo a tese de que o investimento é necessário para gerar economia, o autarca senense lembrou que, desde que foram anunciados os estudos para os IC, já há dois hotéis com viabilidade de construção na cidade de Seia.

 

 

“É muito justo que esta região veja construir estas acessibilidades”

Destacando o “esforço” que está a ser feito para dotar o interior do país com melhores acessibilidades, sob o lema “igualdade de oportunidades”, Paulo Campos voltou hoje a lembrar que quando chegou ao Governo se deparou com a inexistência de qualquer estudo para a desejada construção dos IC6, 7 e 37.

Decidido em “não baixar os braços” e a “lutar” pela construção das infra-estruturas rodoviárias da região, o secretário de estado adjunto das Obras Públicas e Comunicações lamentou o papel que vem sendo protagonizado por outros partidos políticos que, antes defendiam o investimento no interior e agora se opõem. “Quem tem duas caras não merece ter o nosso respeito”, sublinhou Paulo Campos que, identificando-se como verdadeiro “beirão” disse “prezar” o valor das suas raízes.

Sem condições para poder avançar datas para o lançamento do concurso para a construção dos IC 6, 7 e 37, Paulo Campos esclareceu que “a região merece este investimento a que não se assistia desde a monarquia”.

“É muito justo que esta região veja construir estas acessibilidades”, disse, explicando que o estudo “está concluído” e decorre agora a “avaliação de impacto ambiental”.

“Se for terminada em tempo útil, não hesitaremos para lançar este investimento”, assegurou o governante, garantindo “lutar até ao último minuto para lançar o concurso”.

 

LEIA TAMBÉM

Ministro Pedro Marques garantiu em Nelas que a aposta em infra-estruturas de transporte passa pela ferrovia e IP3, ignorando IC6 e IC12

O ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, assegurou ontem em Canas de Senhorim, Nelas, …

José Carlos Alexandrino lança suspeitas sobre queijeiras de Seia nas descargas ilegais no rio Cobral

Como regresso da chuva, os habitantes que vivem próximo do rio Cobral temem que voltem …