Capelas isoladas são alvo fácil para os assaltantes

… a verificar-se nas últimas semanas em Oliveira do Hospital e Arganil. As caixas das esmolas foram sempre as mais apetecíveis, mas segundo a GNR foram “maiores os danos do que os furtos”.

O fenómeno não é novo, mas já não se registava há algum tempo. “Nos últimos 30 dias tem ocorrido com algumas frequência”, referiu ao correiodabeiraserra.com, o sargento-mor Lucénio Martins do Destacamento Territorial da GNR da Lousã, dando o exemplo do passado fim-de-semana em que se registaram vários assaltos, com destaque para os perpetrados no Centro Cultural Dr. Vasco de Campos, em Avô, onde furtaram o sistema de som. Na mesma localidade, ainda se verificou a tentativa de assalto à Igreja matriz. Já em Galizes, os larápios consumaram a entrada no local de culto e furtaram o amplificador de som.

Nos últimos dias, a GNR tem registado alguma acalmia, e Lucénio Martins garante que o patrulhamento também foi reforçado nas zonas consideradas mais críticas. Pela forma como os assaltantes têm vindo a desencadear os furtos, a GNR não descarta a possibilidade de os assaltos terem sido perpetrados pelas mesmas pessoas.

O responsável pelo Destacamento Territorial recorda o caso ocorrido há ano e meio e em que foi identificado um grupo de jovens, alguns ainda menores, que era orientado por um indivíduo na casa dos 30 anos. “Estamos a acompanhar este caso e não perdemos a esperança de identificar os autores”, referiu a este diário digital, adiantando que estão a ser desencadeadas investigações pelo Núcleo de Investigação Criminal e Núcleo de Apoio Técnico.

Segundo Lucénio Martins, os autores sabem à partida que as caixas de esmolas têm pouco dinheiro, pelo que pode concluir que se trata de “malta jovem” que pode ter alguma ligação à toxicodependência e ao álcool. “Acredito que mais dia, menos dia vamos desmontar este caso”, sublinhou.

GNR atenta na quadra natalícia

A precisamente uma semana do Natal, a GNR reforçou o patrulhamento junto das zonas comerciais, ao abrigo do programa Comércio Seguro. Para além disso, Lucénio Martins apela à colaboração das pessoas para que, em caso de deixarem as suas moradias nesta quadra natalícia, avisarem o posto local da GNR para estarem atentos a quaisquer movimentações que possam ocorrer nas proximidades. “Se as pessoas não nos avisarem, não podemos adivinhar”, defendeu.

LEIA TAMBÉM

Igreja de São Pedro de Lourosa comemora 100 anos de classificação como Monumento Nacional

A Igreja de São Pedro de Lourosa, concelho de Oliveira do Hospital, assinala no próximo …

“Conseguirmos provar que aqui, no interior de Portugal, também sabemos organizar, recriar e principalmente homenagear”

“Os objectivos foram alcançados. Quisemos afirmar o festival enquanto certame da região e o número …