Carta Aberta ao Presidente da República. Autor: Henrique Neto

Carta Aberta ao Presidente da República

 

Excelência,

Os portugueses sabem por experiência que Vossa Excelência encarou sempre de forma muito peculiar os poderes presidenciais, razão pela qual ao longo dos últimos dez anos presidiu a uma das maiores destruições de riqueza da nossa história, sem qualquer intervenção significativa que o evitasse. Porque não é credível que, tendo à sua disposição todas as informações existentes nas instituições da República, não tenha previsto os prejuízos que resultariam de uma política de obras públicas irracional, de um indecoroso nível de endividamento externo, dos enormes prejuízos que esse endividamento não reprodutivo causaria às actuais e futuras gerações, ou as desastradas intervenções e omissões do Estado nos casos do BPN, BPP, BES/GES, PT, BCP, parcerias público-privadas e o crescente nível de corrupção que levou à acusação e prisão de um número elevado de pessoas pertencentes ao topo da política e da administração portuguesas, algumas das quais antigos e fiéis servidores de Vossa Excelência.

Sendo que todas essas pessoas, agora sob suspeita ou já condenadas, sobreviveram bem, durante muitos anos, ao escrutínio político da Presidência da República.

Acontece entretanto que, no final do mandato de Vossa Excelência, que seria desejável terminasse com dignidade, é incompreensível que não proteja o uso da língua portuguesa na União Europeia ao aprovar sem comentário público o fim do direito do uso da língua portuguesa na questão das patentes e se mantenha calado, sem uma palavra de condenação, sobre a impensável decisão do Governo de concessionar a exploração do Metro do Porto e do serviço da STCP, a menos de dois meses das eleições legislativas.

Intervenção presidencial que teria pelo menos o mérito de defender o bom nome das entidades intervenientes, evitando mais suspeições e investigações que afectem a credibilidade e a isenção do nosso sistema político.

Com os meus cumprimentos,

Henrique Neto

Henrique-NetoAutor: Henrique Neto

LEIA TAMBÉM

O “Ciclone de Fogo” varreu aquela noite que o foi de (quase) todos os medos… Autor: João Dinis, Jano

Naquela noite de (quase) todos os Fogos e de (quase) todos os medos, morreu Gente …

Recordar os mortos, para compreender os vivos. Autor: Renato Nunes

Durante semanas a fio, vi-o repetir o mesmo ritual. Quando a porta se abria, logo …