Henrique Barreto, no seu último editorial, afirma que o CDS está a desaparecer do espectro político local. Diz ainda que tal acontecimento “é uma má notícia para a política local, que cada vez mais precisa de pluralidade”.

CDS

Quero dizer ao Henrique que, como militante do CDS, lhe agradeço o comentário, que tomo como sincero e preocupado, e que aproveito para lhe apresentar a razão de tal definhamento. O CDS definha porque não tem poder e toda a gente sabe que ninguém se aproxima de partidos sem poder.

O CDS definha porque não pode oferecer nada a ninguém e, hoje, as pessoas querem "tacho". Aliás, a maioria do votante português, o oliveirense não é excepção, é um mercenário político, vota em quem mais lhe der ou prometer dar para seu benefício pessoal. O benefício público, num país onde a maioria das pessoas foge aos impostos, dificilmente será considerado na hora do voto, digo eu. Mais, toda esta história dos "tachos" só tende a agravar-se quando falamos de política local, fruto da proximidade do eleito com o eleitor.

O CDS definha porque as pessoas do CDS não querem saber do partido para nada. A maioria tem carreiras profissionais bem sucedidas e afirmação social suficiente. Os que não têm, também não têm inteligência e capacidade para pegar no partido.

O CDS definha porque sendo um partido fora do poder no concelho também é um partido sem influência no país. Não é como o PS local que não conta para nada em Oliveira do Hospital, mas conta para tudo no país.

O CDS definha porque não tem militantes que vistam a camisola do partido e que em nome dela espalhem benesses e rebuçados por instituições e associações concelhias em nome de um virtuosismo sem contrapartidas. O CDS definha porque tendo, no passado, conquistado juntas de freguesia no concelho, nunca se empenhou colectivamente em fazer um trabalho de excepção, como fez e continua a fazer, dentro do seu modelo político de que discordo profundamente, o Presidente de Junta de Meruge.

O CDS definha porque não pode nomear para os empregos públicos locais, não pode mandar fazer o alcatroamento e a abertura do caminho e quando pôde nunca o fez em seu nome, mas, como deveria ser sempre, em nome da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital.

O CDS definha porque se fartou de apresentar candidatos que considerava os melhores e mais bem preparadas para o exercício dos cargos autárquicos e que consecutivamente perdiam eleições pelo partido. Os mesmos candidatos que as passaram a ganhar quando se candidataram com outras siglas partidárias.

O CDS definha porque as pessoas se estão a borrifar para os projectos políticos, para os projectos dos partidos para o concelho, para as ideias em suma, basta reparar que o partido que ganhou as últimas eleições autárquicas nem programa eleitoral apresentou. As pessoas, insisto, querem, o que é humano, reconheço, o melhor para si no imediato, não pensam no interesse público e no que o seu mau trato pode, à posteriori, vir a prejudicar os seus interesses pessoais.

O CDS definha porque não tem público, nem maneira de chegar ao público. Enfim, não tem jornal, nem lugar na Assembleia Municipal.

Luís Lagos
Conselheiro Nacional do CDS

LEIA TAMBÉM

Cid Teles, a cigarra do Triste Fado: As origens. Autor: Renato Nunes

O poeta que inspira estas palavras nasceu em 8 de Março de 1911, em Tábua, …

A minha fatura contempla consumos com mais de seis meses! O que poderei fazer? Autora: Tânia Santana

São recorrentes as abordagens dos consumidores, junto do nosso Gabinete de Apoio ao Consumidor, indagando-nos …