Fonte: página do facebook do município de Oliveira do Hospital

Cerca de duas dezenas de ovelhas de Oliveira do Hospital mostraram-se em Lisboa no Parque Eduardo VII

O presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, José Carlos Alexandrino, não conseguiu fazer desfilar um enorme rebanho de ovelhas pela Avenida da Liberdade, em Lisboa. Ficou-se por um espaço no parque Eduardo VII, também na capital, numa acção que visa promover a Festa do Queijo Serra da Estrela de Oliveira do Hospital que vai decorrer no próximo fim-de-semana. O momento ficou marcado com o nascimento de uma borrega a quem baptizaram de imediato Maria Lisboa.

O espaço onde decorreu o evento não contou propriamente com uma multidão para apreciar as 24 ovelhas e um carneiro que se deslocaram à capital, ou sequer para provar o queijo. Mas a iniciativa teve espaços nas televisões e não faltou o ministro da Agricultura, Capoulas Santos, o qual prometeu que o decreto de lei que garantirá a certificação do queijo da Serra será aprovado nos próximos dias.

fotinha
Fonte: página do facebook do município de Oliveira do Hospital

Esta acção da autarquia oliveirense visa sensibilizar as pessoas para a necessidade de preservar o queijo certificado, com denominação de origem protegida (DOP) Serra da Estrela, feito com leite de ovelhas de raças autóctones. E o ministro da Agricultura aproveitou para destacar o queijo da Serra como “um dos melhores produtos da agricultura portuguesa” e “um dos seus emblemas”, sublinhando a importância de manter a sua genuinidade.

O ministro reconheceu que o aumento da procura deste produto “provocou nalguma situações a adulteração” do mesmo com “utilização de leite que não é das ovelhas autóctones”. “Por isso, para garantir a genuinidade do produto, e depois de seis meses de negociação com a União Europeia, conseguimos autorização para produzir um decreto de lei que terá aplicação em Portugal, onde será obrigatória a menção da origem de produção do leite e de todos os produtos lácteos, o que irá aumentar a procura e os efectivos que têm decrescido nos últimos anos”, prometeu o ministro, referindo que o diploma está agora em Conselho de Ministros e deverá ser aprovado “dentro de alguns dias”.

Sobre o processo de certificação do produto, que alguns produtores se queixam de ser muito moroso, o

Fonte: página do facebook do munícíiio de Oliveira do Hospital
Fonte: página do facebook do município de Oliveira do Hospital

ministro explica que este “pode ser simplificado” mas “tem algum normativo que tem que ser cumprido” porque “não pode ser vendido gato por lebre”. “Para certificar um produto temos que ter a certeza que esse sistema de certificação funciona e ele implica, naturalmente, algumas exigências”, rematou Capoulas Santos.

A Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, como referiu o presidente da autarquia, já aprovou um subsídio de cinco mil euros para ajudar os produtores a certificarem o queijo. José Carlos

Fonte: página do facebook do município de Oliveira do Hospital
Fonte: página do facebook do município de Oliveira do Hospital

Alexandrino considera que os produtores têm de ser apoiados e foi isso mesmo que disse para as câmaras de televisão. “Muitos produtores não certificam devido aos custos. Nós já decidimos que este ano vamos apoiar a totalidade dos custos de certificação e nos anos seguintes o subsídio será atribuído proporcionalmente. Estou convencido que vamos ter mais queijo certificado”, frisou, pedindo também ao Governo que simplifique os processos.

LEIA TAMBÉM

Penalva de Alva em festa no fim-de-semana e Tuna Recreativa Penalvense volta a actuar seis meses depois

As tradicionais Festas de Verão em Penalva de Alva regressam este fim-de-semana. A edição deste …

Nelas viu aprovada candidatura de quatro milhões de euros para valorização de zona industrial

A Câmara de Nelas viu aprovado o projecto de expansão de novos acessos e valorização …

  • António Lopes

    E como as fotos demonstram, Lisboa parou para assistir ao evento, muito sensibilizada com os problemas do queijo das Bordaleiras e das Mondegueiras. E com a cultura do cardo…O problema é de queijo, de narcisismo ou de psiquiatria? Há alguém que dê uma ajuda..?

    • Carla

      Comem muito queijo, e esquecem-se das figuras ridículas que fazem.

  • Ricardo Antunes

    Um desfile dos diabos…. Queria a Avenida da Liberdade. Será que não existe noção do ridículo na Casa Branca oliveirense. Um cantinho no Parque Eduardo VII e chegou. Pelo que vi na TV e como as fotos demonstram ninguém se interessou pelo desfile de Alexandrino e da sua armada bovina. São coisas que acontecem quando não se tem noção da realidade das coisas.

    • Expectador

      Não diga isso, estavam mais expectadores do que no funeral do Mário Soares.

  • Guerra Junqueiro

    Vinte e quatro ovelhas e um carneiro? A “maria lisboa” já está contabilizada nas 24?
    Para quem queria desfilar 1000 ovelhas pela Avª da Républica, só posso acreditar que o carneiro valha por 976 fêmeas. Grande macho.
    A liga dos Animais que recusou o burro, já foi saber se o parto foi normal ou precoce? Não ficara a borrega traumatizada para toda a vida? E a mãe? Será que teve as condições que tinha no seu curral? Onde anda o PAN?
    Com este parto precoçe, queira deus que as ovelhas não comecem agora a dar leite infetado com alguma bactéria que apanharam lá por Lisboa. É que depois as pessoas vão preferir o queijo feito lá em Vila Franca com leite espanhol, a este contaminado com bactérias alfacinhas.
    A Liga dos Animais que venha agora responder se fizer o favor.

    Cumprimentos
    Guerra Junqueiro

    • Irene Lopes

      Caro : sei que é um texto grande, mas não resisto a pô-lo aqui. Foram usadas expressões suas que repassei à autora, e dirigido à Provedora dos Animais da CML e C/ conhecimento ao PAN. Espalhem que eu também já recebi.Riam-se que a bancarrota está a espreitar.

      Cara Senhora

      Vi com espanto e horror que um rebanho de 24 ovelhas e um carneiro foram desembarcadas na Rotunda, estiveram num curral AO SOL !!!!!, perto de um dos pontos mais barulhentos e poluídos de Lisboa. Desfilaram depois pela Av. da Liberdade, um dos sítios mais poluídos da Europa.
      Os pobres animais foram stressados:

      • com o sol –as ovelhas não aguentam o sol de frente, ao contrário das cabras;

      • com um local estranho, pois não são curiosas;

      • com o ruído, pois são animais muito tímidos; e

      • com o calor, visto que na zona de origem as temperaturas nocturnas ainda diminuem abaixo do ponto de congelação. A tosquia na Serra é apenas pelo S. João/solstício.

      Exijo saber porque é que Vª Exª do alto da Sua Sapientíssima sabedoria camarária não proibiu o desfile apadrinhado pelo cidadão José Carlos Alexandrino! Animais stressados, ridicularizados e angustiados.

      No meio da confusão nasceu a “Maria Lisboa”. Angustia:

      • o parto foi normal, ou precoce?;

      • não será a pobre borrega traumatizada para toda a vida?;

      • e a anónima mãe?;

      • Será que as condições sanitárias, que tinha no seu curral foram replicadas?

      Onde andava Vº Exª e o seu gabinete? Onde esteve a preocupação da CML com o bem-estar animal? Eu pago impostos para Vs. Exas andarem a dormir na forma?!!!

      Ou o caso é ainda pior:

      • proíbe-se o desfile do burro do PSD; mas

      • não se proíbe a carneirada do presidente PS de Oliveira?

      Respeitosamente
      Maria Costa

      • Guerra Junqueiro

        Muito bem Irene Lopes e muito bem Maria Costa.
        Vamos ver como responde, para vermos se é efetivamente uma senhora ou uma daquelas que não tem problemas com o sol de frente.

        Cumprimentos
        Guerra Junqueiro

  • António Lopes

    Nem a comunicação social “do regime” conseguiu esconder aquela desolação.Dá dó ver o vídeo da Boa Nova. Meia dúzia de ovelhas com quem as acompanhou, de Oliveira. Espectáculo degradante para quem quer promover o queijo…Mas alguém ligou àquela loucura? Basta sair de Lisboa meia dúzia de Km para ver rebanhos de centenas de ovelhas…Basta ir à zona saloia…

  • Carneiro

    Lindo, lindo, foi ver e ouvir o Dr. Chocalho! Quem lhe colocasse os chocalhos ao pescoço…!

  • Marta Santos

    Estou admirada. Não apareceu o Dr Marcelo para condecorar as ovelhas e o carneiro.

    Marta Santos

  • Isto está mau pro Alex

    Não vi por lá ninguém da velha equipa.
    O que se passa com o Campos, o Carlos Mendes, o Maia, o Rolo, o Barreto, o Ramalhete, os Franciscos, os Rodrigues, etc, etc, etc.
    Será que estão a fazer a folha ao Alexandrino?
    Nem o Medina, nem o Coimbra.
    Ai, ai, ai, Alexandrino, põe-te fino. Querias ir para secretário de estado, mas parece que vais para a escola.

  • Parque Alexandrino VII

    É pá, soube agora que o Alexandrino invadiu Lisboa com um rebanho de ovelhas.
    Parece que tomou a cidade com o leite de ordenharem os animais. Dizem, que até o Eduardo o bebeu de pé.
    Grande Alexandrino

  • Xibo

    Afinal disseram-me há pouco quando visitava o grande certame ovelheiro que, a Borrega Alfacinha de nome “Maria Lisboa ” é filha da senhora ” Nacional17 ” e do senhor ” IC6 “. Toma, já foste!

  • Óculum

    Óculum

    É lá ! Consta que o carneiro conseguiu dar uma escapadela do mini-rebanho e foi às “meninas” lá pelo Parque Eduardo VII… Afinal é aquilo que fazem ou sonham fazer os homens rurais, já maduros, quando vão a Lisboa e param ali pelo Eduardo VII. Atenção que não lhes estou a fazer qualquer crítica negativa, antes pelo contrário.

    E o Toni que foi (grande) jogador da bola e o Malheiro que é figura conhecida na família Benfiquista também lá apareceram e se juntaram ao rebanho. Ouvi dizer num café aqui em Oliveira onde vim de fim de semana, e achei piada, ouvi dizer que estes dois foram lá ter ao rebanho porque estavam convencidos que estas ovelhas davam vinho (em vez de leite) !

    Óculum

  • Irene Lopes

    Para os Oliveirenses em geral e “Guerra” em especial, a resposta da Srª provedora dos Animais da CML.

    «Quanto às condições da realização do presente evento com a presença das ovelhas, nomeadamente de alojamento dos animais no decurso do mesmo e presença de animais prenhes, só agora com a sua missiva venho a tomar conhecimento, pelo que irei igualmente solicitar os devidos esclarecimento ao executivo municipal, à semelhança do que é feito em qualquer outro procedimento.

    Cumpre-me por fim salientar que enquanto Provedora Municipal dos Animais de Lisboa exerço as minhas funções de forma autónoma, imparcial e independente do poder executivo, colaborando com toda e qualquer força política representada, em prol da missão que foi confiada – de zelar pelos direitos e interesses legítimos dos animais.

    Assim, que disponha de mais e melhor informação não hesitarei em dar nota.