Chamas voltam a causar momentos de terror em Oliveira do Hospital

“Acudam que isto vai arder tudo!” O grito de desespero de Maria Helena, habitante de Oliveira do Hospital, espelha o sentimento das populações que nas últimas semanas têm sido fustigadas pelos incêndios.

Num domingo em que se registaram mais de 300 ocorrências, as chamas voltaram a destruir habitações e a colocar em perigo de vida mais bombeiros – além do Caramulo, os fogos de Oliveira do Hospital e Valpaços também ameaçaram habitações e assustaram.

Na serra do Caramulo – que regista o maior fogo do ano e por onde já passaram cerca de três mil bombeiros de todos o País – 11 voluntários e o condutor de uma máquina de rastos estiveram cercados pelas chamas. No entanto, a zona que ardia foi atacada pelos meios aéreos e em terra foi criado um perímetro de segurança, o que evitou o pior. Não muito longe dali, um autotanque despistou-
-se no IP3, em Tondela, provocando ferimentos a dois bombeiros. Este fogo foi dado como dominado às 19h00 – mas no local mantiveram-se mais de 350 operacionais para evitar reacendimentos e fazer rescaldo.

Em Oliveira do Hospital, viveram-se momentos de terror. As chamas ameaçaram aldeias, entraram em quintas, dispersas pela floresta, e queimaram o telhado de uma casa e uma viatura. O fogo, que começou às 10h00 em Ervedal, progrediu rapidamente e ameaçou as aldeias de Andorinha e Travanca de Lagos. Uma habitante ficou intoxicada pelo fumo quando tentava salvar os animais.

Em algumas zonas problemáticas, foi a população que, com auxílio dos meios aéreos, conseguiu travar o avanço do fogo. “Se não acodem, vai morrer gente. Fico sem nada”, chorava Rosa Gouveia, enquanto tentava apagar as chamas com um ramo de árvore.

cm.pt

LEIA TAMBÉM

IP reforça meios de prevenção e limpeza de gelo e neve nas estradas da Serra da Estrela com novo Silo de Sal-gema na Guarda

A Infra-estruturas de Portugal (IP) instalou na Guarda, um novo silo de sal-gema com capacidade …

Incêndios causaram mais de 10 milhões de euros de prejuízos em Seia

Os prejuízos financeiros causados pelos incêndios dos dias 15, 16 e 17 de Outubro no …

  • Guerra Junqueiro

    Tenho assistido a este degradante espectáculo, que envolve centenas de pessoas, dezenas de viaturas e vários outros meios de combate como aviões (Franceses) e helicópteros (Nacionais e Espanhóis).
    No fim de muito trabalho e milhares de euros gastos ou mesmo milhões, fica tudo queimado menos as habitações e fábricas. Não consigo compreender. Alguém me explique, pois tudo isto me parece um grande negócio.
    Gostava muito de ouvir as Forças Armadas e a QUERCUS.

    Cumprimentos
    Guerra Junqueiro

  • Xavier Ventoso

    Então ó Guerra, agora já te viras para o teu governo ??? Queres ouvir as forças armadas ??? O chefe delas é do teu PSD, ou não ??? Já te estás a render às evidências ??? És mesmo um carroceiro !!!

  • Guerra Junqueiro

    Xavier Ventoso;

    Carroceiro é o seu progenitor. Infelizmente o rebento saiu pior.
    Gostava saber o que é que as forças armadas pensam destes cenários, particularmente a FAP. Saber se concordam com o aluguer destes equipamentos ao privado e ao estrangeiro, quando temos melhor há anos parado, assim como pessoal.
    Gostava saber a opinião da QUERCUS sobre este queimar de pinheiros e eucaliptos, pois sempre lhes ouvi dizer que eram prejudiciais, ouvi até dizerem que eram pragas.
    O que se gasta nos incêndios é uma vergonha.
    Quanto ao governo, embora tenha muitas falhas, e em especial com os lobbies existentes, continua a ser o melhor governo após o 25/04/1975.

    Cumprimentos
    Guerra Junqueiro