Chuva e trovoada regressam em força este domingo

Chuva regressa até sábado, temperaturas mínimas sobem

A chuva vai afectar o território do continente até sábado, com agitação marítima e vento forte, prevendo-se depois descida da temperatura mínima revela o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA). Está também previsto vento forte com rajadas da ordem dos 90 quilómetros/hora nas terras altas e subida da temperatura mínima para hoje e sexta-feira.

Os distritos de Viana do Castelo, Braga, Porto, Aveiro, Coimbra, Leiria e Lisboa vão estar sob aviso laranja, o segundo mais grave de uma escala de quatro, devido à previsão de agitação marítima forte, prevendo-se ondas de noroeste com 5 a 6 metros.

O aviso laranja vai estar em vigor entre as 21h00 de sexta-feira e as 20h00 de sábado. Aqueles sete distritos vão estar já a partir das 21h00 de hoje sob aviso amarelo por causa da agitação marítima, passando depois às 21h00 de sexta-feira a laranja.

O IPMA colocou também sob aviso, mas amarelo (o terceiro mais grave de uma escala de quatro) os distritos de Setúbal, Beja e Faro devido à previsão de ondas de noroeste com 4 a 5 metros, entre as 12h00 de sexta-feira e as 20h00 de sábado.

A precipitação por vezes forte esperada para os próximos dias levou também o IPMA a emitir aviso amarelo para os distritos de Viana do Castelo, Braga e Porto entre as 12h00 de sexta-feira e as 6h00 de sábado.

O IPMA emitiu ainda aviso amarelo para os distritos de Bragança, Vila Real, Viana do Castelo, Braga, Porto, Aveiro, Viseu, Guarda, Coimbra, Leiria, Castelo Branco, Leiria e Setúbal devido à previsão de vento forte com rajadas da ordem dos 90 quilómetros/hora nas terras altas entre as 18h00 de sexta-feira e as 12h00 de sábado.

LEIA TAMBÉM

Google ajuda com 100 mil euros Oliveira do Hospital e outros concelhos atingidos pelos incêndios

A multinacional Google doou 100 mil euros à Cruz Vermelha Portuguesa para ajudar a recuperar …

Incêndios destruíram mais 500 hectares em Seia

Portugal em risco de incêndios iguais ou piores aos de 2017 avisam especialistas americanos

O risco de incêndios catastróficos iguais ou piores aos de 2017 é real e tem …