Chuvas fortes provocaram o “caos” em Penalva de Alva

Em dia de maior calmia climatérica, o balanço aos danos causados pelo mau tempo verificado no decorrer da última semana e, com especial incidência no fim de semana de Páscoa, não é nada animador.

Tem sido assim um pouco por todo o país e o concelho de Oliveira do Hospital também não foge à regra, em particular a freguesia de Penalva de Alva, onde os episódios de derrocada e deslizamentos de terra se multiplicaram por vários pontos da freguesia e onde, ainda hoje, são visíveis os sinais das movimentações de terras.

“Na quinta, sexta e sábado os deslizamentos era constantes”, referiu ao correiodabeiraserra.com o presidente da Junta de Freguesia de Penalva de Alva que, nos últimos dias, não fez outra coisa que não fosse acudir aos constantes cortes de estradas e outras situações que foram ocorrendo.

“Foi um fim de semana de Páscoa muito complicado”, sublinha o autarca que por esta altura centra atenções em dois casos em particular e que chegam a colocar habitações em risco. Tratam-se de duas ameaças de deslizamento de terras que suportam duas estradas de Penalva de Alva e que colocam em perigo habitações localizadas nas proximidades. Situações que, garante Rui Coelho, estão a ser acauteladas pela delimitação dos perímetros de segurança e a proibição de passagem de veículos pesados naquelas vias. Num caso em particular, o muro que ameaça ruir sobre a habitação encontra-se escorado com um prumo até que a situação seja resolvida.

Os episódios de deslizamento não se ficaram pela sede de freguesia. “Na Carvalha tivemos o corte completo de uma via e tivemos sorte de não passar nenhum carro no momento”, contou Rui Coelho, notando que nada fazia prever que tal situação ocorresse naquele local.

Os episódios de deslizamentos não constituíram novidade na freguesia de Penalva de Alva. “Há tendência sempre que há algumas chuvas por estarmos em zona de vale e existirem várias encostas”, comentou o autarca que no passado fim de semana viu aquela tendência agravar-se com a forte precipitação. “As chuvas foram muitas e as terras estão saturadas”, sublinhou Rui Coelho, satisfeito por as águas do rio não terem provocado danos nas suas margens. “Sabíamos que o nível das águas ia subir e acautelámos essa situação”, frisou.

Pese embora a melhoria do estado do tempo, a previsão é de mais chuva para os próximos dias, pelo que Rui Coelho se mantém “atento a todos os problemas que possam surgir”. Os estragos do mau tempo foram também esta manhã abordados na reunião pública da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, onde também esteve presente o autarca de Penalva de Alva que deu conta do “caos” vivido nos últimos dias e se mostrou preocupado com as situações que envolvem habitações.

“Deve ser feita intervenção imediata”, referiu o vereador do PSD, Mário Alves, sublinhando “que uma coisa é o deslizamento sobre a via, outra coisa é sobre um bem das pessoas, como uma habitação”.

LEIA TAMBÉM

Cemitério de Nogueira do Cravo vai ser ampliado

A Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital aprovou na sexta-feira o alargamento do cemitério de …

LMAN promove “peregrinação” ao Santuário de Nossa senhora das Preces em Vale de Maceira

A Liga de Melhoramentos Desporto e Cultura de Aldeia de Nogueira (LMAN) vai realizar no …