CM Oliveira do Hospital candidata ao QREN obras de beneficiação de estrada entre Lourosa e Barril do Alva

A Câmara Municipal de Oliveira do Hospital (CMOH) aproveitou o prolongamento do QREN até 31 de Dezembro e candidatou, para aprovação em overbooking, o projecto do Mercado Municipal e Central de Camionagem, bem como a empreitada relacionada com a “Beneficiação da Estrada Municipal nº 517, entre Lourosa e o limite do concelho de Arganil, Barril do Alva.

A autarquia, explica numa nota, está agora apostada na definição da estratégia para aceder aos fundos comunitários do Programa Portugal 2020, estando para o feito definir a Área de Reabilitação Urbana (ARU) e o Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano.

Oliveira do Hospital, explica o mesmo comunicado, foi o Município da CIM-Região de Coimbra com a maior taxa de execução dos fundos comunitários provenientes do QREN-Programa Operacional Regional do Centro – Mais Centro. No documento, a equipa liderada por José Carlos Alexandrino, diz ter conseguido uma taxa de realização física e financeira de 99,29 por cento, segundo uma avaliação feita em 19 de Março. Oliveira do Hospital, continua missiva, destaca-se também por estar entre os cinco municípios daquela CIM com maior volume de comparticipação financeira no conjunto dos projetos candidatados ao QREN e que traduz um investimento em projetos aprovados e realizados de 12.834.462,06 milhões de euros, com uma comparticipação de 9.734.056,05 de euros.

LEIA TAMBÉM

Voluntários da Ordem de Malta visitam vítimas dos incêndios em Oliveira do Hospital e ouvem críticas à actuação das autoridades e autarquia

Logo à entrada da Quinta da Porfía, Seixo da Beira, Oliveira do Hospital, os sinais …

Governo rejeitou mais de 10 milhões euros nos prejuízos dos incêndios de Outubro afirma a Maavim

O Movimento Associativo de Apoio às Vítimas dos Incêndios de Midões (maavim), Tábua, acusou ontem …

  • Dr. Lacrau

    Dr. Lacrau

    Candidatar de novo a recandidatura do mercado e da central de camionagem para modificações e mais gastos do nosso dinheiro ?? Então quem se responsabiliza ou é responsável pelos erros que foram cometidos em pelo dois projectos anteriores ? Então isto é o faz e volta a fazer – uma brincadeira – como se tratasse de castelos na areia ? E nós a pagar ! E quais alterações ? Qual o custo previsto ? E depois quais são as obras que ficam por fazer nas povoações devido a gastos a mais nestas obras até agora de fachada? Se tivessem que as pagar do próprio bolso não brincavam assim.