CM Oliveira do Hospital candidata ao QREN obras de beneficiação de estrada entre Lourosa e Barril do Alva

A Câmara Municipal de Oliveira do Hospital (CMOH) aproveitou o prolongamento do QREN até 31 de Dezembro e candidatou, para aprovação em overbooking, o projecto do Mercado Municipal e Central de Camionagem, bem como a empreitada relacionada com a “Beneficiação da Estrada Municipal nº 517, entre Lourosa e o limite do concelho de Arganil, Barril do Alva.

A autarquia, explica numa nota, está agora apostada na definição da estratégia para aceder aos fundos comunitários do Programa Portugal 2020, estando para o feito definir a Área de Reabilitação Urbana (ARU) e o Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano.

Oliveira do Hospital, explica o mesmo comunicado, foi o Município da CIM-Região de Coimbra com a maior taxa de execução dos fundos comunitários provenientes do QREN-Programa Operacional Regional do Centro – Mais Centro. No documento, a equipa liderada por José Carlos Alexandrino, diz ter conseguido uma taxa de realização física e financeira de 99,29 por cento, segundo uma avaliação feita em 19 de Março. Oliveira do Hospital, continua missiva, destaca-se também por estar entre os cinco municípios daquela CIM com maior volume de comparticipação financeira no conjunto dos projetos candidatados ao QREN e que traduz um investimento em projetos aprovados e realizados de 12.834.462,06 milhões de euros, com uma comparticipação de 9.734.056,05 de euros.

LEIA TAMBÉM

Capoula Santos apresentou em Oliveira do Hospital novas medidas de apoio aos agricultores afectados pelos fogos

O Ministro da Agricultura apresentou, ontem, em Oliveira do Hospital, as novas medidas de apoio …

O “Ciclone de Fogo” varreu aquela noite que o foi de (quase) todos os medos… Autor: João Dinis, Jano

Naquela noite de (quase) todos os Fogos e de (quase) todos os medos, morreu Gente …

  • Dr. Lacrau

    Dr. Lacrau

    Candidatar de novo a recandidatura do mercado e da central de camionagem para modificações e mais gastos do nosso dinheiro ?? Então quem se responsabiliza ou é responsável pelos erros que foram cometidos em pelo dois projectos anteriores ? Então isto é o faz e volta a fazer – uma brincadeira – como se tratasse de castelos na areia ? E nós a pagar ! E quais alterações ? Qual o custo previsto ? E depois quais são as obras que ficam por fazer nas povoações devido a gastos a mais nestas obras até agora de fachada? Se tivessem que as pagar do próprio bolso não brincavam assim.