António Mateus Dias

Com 400 euros gastos em campanha, conseguimos 12 mil votos. Autor: António Mateus Dias.

Para uma pessoa como eu que, juntamente com uma vintena de amigos, sem qualquer experiência politica, todos desconhecidos do publico em geral, pessoas das mais variadas profissões e dos mais variados extractos sociais, maioritariamente reformados/pensionistas, sem qualquer meio físico ou material, com apenas cerca de 400 euros gastos em materiais (papel, toner e pouco mais) do nosso bolso, concorrer a umas eleições legislativas não é fácil.

Fizemo-lo por estarmos fartos destes partidos do sistema (PSD, PS, CDS, PCP, BE), que só governam bem com a austeridade, mas que não cortam onde devem, nos privilégios e mordomias e serviços desnecessários do estado. É o que têm feito estes governos, de direita e esquerda, instalados ao longo dos anos. Por isso, partirmos para a construção de um partido diferente Partido Unido dos Reformados e Pensionistas (PURP) que ainda estamos a implementar, embora com dificuldades.

Concorremos às últimas eleições legislativas com este partido novo, sem meios e desconhecido. Mesmo assim, conseguimos perto de 14 mil votos. Apenas com a força e a experiencia de muitos anos de trabalho. Não procuramos carreiras politicas. Por isso, não temos necessidade de termos ideologias, por sabermos os resultados delas, que foi o destruição do país. Defendemos, causas, pessoas e o bem comum.

O PURP será no futuro o partido com politicas e modos de actuar diferente dos do sistema. Será um defensor de toda sociedade desde os reformados/pensionistas, ex-combatentes, os jovens que tiveram um papel muito importante na legalização do partido, contribuindo com a sua assinatura, nas universidades e outros estabelecimentos de ensino. Será o partido que os portugueses quiserem.

António Mateus DiasAutor: António Mateus Dias, fundador do PURP

LEIA TAMBÉM

Recordar os mortos, para compreender os vivos. Autor: Renato Nunes

Durante semanas a fio, vi-o repetir o mesmo ritual. Quando a porta se abria, logo …

O abandono a que a nossa região está entregue já não se resolve no mero debate político partidário. Autor: Luís Lagos

Às vezes, fruto da existência de algumas mentes menos iluminadas, desorientadas ou travadas pela ignorância, …