Meruge, com muitas iguarias e animação, espera milhares de visitantes para a 12ª Feira do Porco e do Enchido

Com muitas iguarias e animação, Meruge espera milhares de visitantes na 12ª Feira do Porco e do Enchido

A freguesia de Meruge e a Associação Desenvolvimento do Vale do Cobral, no concelho de Oliveira do Hospital, vão realizar no próximo fim-de-semana a 12ª edição da Feira do Porco e do Enchido. Trata-se de um evento que foi criado para dar a conhecer o papel dos “porqueiros” e valorizar os enchidos fundamentais no desenvolvimento económico da localidade e que tem ganho adeptos ao longo do tempo. A organização espera mesmo alguns milhares de visitantes que podem saborear vários pratos da gastronomia local, bem como uma variedade de licores, doçaria tradicional, queijos e produtos de agricultura familiar. O evento conta ainda com animação permanente de música e outras iniciativas da cultura popular, além de exposições de artesanato local, passeios de burro ou peças de teatro que vão recordar “a figura mítica de João Brandão”.

“São milhares os que todos os anos nos visitam, atraídos pela certeza de um dia bem passado. A Lage Grande e o Terreiro do Santo, na rudeza milenar dos seus granitos, emprestam um ambiente rústico e acolhedor às largas dezenas de barraquinhas [a organização estima cerca de uma centena]”, começou por explicar o presidente da 10749071_854708721215720_191380350_n (Small)Junta de Freguesia, Aníbal Correia, destacando alguns dos pratos típicos que se tornaram conhecidos através desta iniciativa. “Foi a Feira do Porco e do Enchido quem criou para o património da gastronomia nacional o inimitável Arroz de Suã, pitéu que todos os anos mobiliza um número crescente de apreciadores, ao ponto de ser razão suficiente para visitar o certame”, continuou o autarca, apontando ainda como pratos a não perder como o porco no espeto com arroz de feijão, os torresmos à moda de Meruge e a feijoada à moda de Nogueirinha. Para os estômagos mais modestos, o autarca recomenda outros produtos tradicionais como a bôla de carne, bacalhau ou de sardinha ou apenas por uma broa de milho.

O evento está longe de se ficar apenas pelas iguarias. Os visitantes podem, por exemplo, aprender a arte de “tender”, ao vivo, no recuperado forno comunitário ou assistir, no Domingo, às várias iniciativas de animação como os Bombos e as Adufeiras do Paúl, da Covilhã, o Grupo de Concertinas e Cantadores ao Desafio do Minho, os Fonte da Pipa e FanfarraKaústica, estes últimos um grupo de metais que os responsáveis colocam como uma das atracções do evento. “É do melhor que existe no país neste género e há uma legião de fãs que vem à feira para os ouvir e aplaudir”, explica Aníbal Correia, sublinhando ainda realização da segunda edição do Desafio Fotográfico. Se esta iniciativa destinadas aos amantes da fotografia é recente, o evento conta com outras que já conquistaram um espaço próprio dentro da Feira, como é o caso da décima edição do concurso de doçaria tradicional, da feira da agricultura familiar (que traz ao certame produtos criados pelos agricultores locais), da mostra do porco bísaro, na qual os criadores da região expõem ninhadas de leitões. “Temos ainda os passeios de burro para crianças e a exposição permanente no museu etnográfico: Os Ofícios dos Nossos Avós, Preservados por Nós”, conta o autarca.

O teatro de rua será também uma das atracções. O Grupo de Teatro Viv’Arte que irá apresentar no palco natural do Terreiro do Santo, da Lage Grande, a peçaMeruge, com muitas iguarias e animação, espera milhares de visitantes para a 12ª Feira do Porco e do Enchido “Cenas e apontamentos da vida de João Brandão”. “É uma figura mítica, um nosso vizinho das bandas de Midões, famigerado e injustiçado, cujo julgamento ocorreu no tribunal de Oliveira do Hospital e que representa as lutas encarniçadas entre Miguelistas, Liberais e vários bandos”, explica Aníbal Correia, destacando ainda a presença da Associação dos Jogadores de Pau da Guarda que prometem dar outro colorido à representação.

A festa, porém, tem início agendado para  sábado. Pelas 22h00 terá lugar o magusto tradicional na Lage Grande, com as castanhas assadas em camadas de caruma seca, e muita jeropiga caseira. Após este acontecimento, os visitantes poderão assistir ao espectáculo de Malabares de Fogo “Sobre a lenda de João Brandão”, representado pelo Grupo de Teatro Viv’Arte.

LEIA TAMBÉM

Governo aumenta para 85 por cento o apoio às empresas afectadas pelos incêndios de Outubro

O Governo aumentou de 70 por cento para 85 por cento o apoio à recuperação …

Vítimas dos incêndios vão enviar caderno reivindicativo a vários órgãos de poder e pedem demissão de ministro da Agricultura e da liderança da CCDR

O Movimento Associativo de Apoio às Vítimas dos Incêndios de Midões (MAAVIM), liderado pelo empresário …

  • Combate

    O “ponta esquerda” também foi uma aquisição de luxo…É menino para valer um dinheirão no “mercado do Inverno”…

    • Pregador

      Cá andas a chafurdar, deixa de ser tinhoso, andas sempre a dizer mal, tu que não vales um caracol.

      Este teu ex camarada de Meruge também “gosta” muito de ti e também te ajudou a ficares apeado, ai o malandreco, fez ele bem, para ganhares juízo nessa cabeçorra peçonhenta e maldosa.

  • Zé António

    Qual ponta esquerda? O Che-Guevara? Ou o dos pulsos partidos?