Confraria defende certificação obrigatória a preços acessíveis

… a qualidade do produto junto do consumidor menos informado.

Criada para defender e levar longe o nome da afamada iguaria, a Confraria do Queijo Serra da Estrela encara a certificação obrigatória com uma das soluções para manter viva aquela que é uma das Sete Maravilhas da Gastronomia Portuguesa.

“Os consumidores andam baralhados”, alerta Pedro Couceiro, chamando a atenção para o facto de muitas vezes as pessoas se deixarem vislumbrar por um queijo com características semelhantes ao Serra da Estrela e comprarem um produto que – seja pelo leite utilizado ou método de produção – nada tem a ver com aquele queijo certificado.

O inverso, alerta Pedro Couceiro, também é recorrente com muitos consumidores a optarem por um queijo certificado que não é, em nada, diferente de um queijo que foi confeccionado do mesmo modo e com recurso ao mesmo leite.

Confusões que o grande Conselheiro da Confraria entende que são passíveis de ultrapassar por via da certificação obrigatória, mas “a preços acessíveis” a todos os produtores de queijo.

Para além da certificação, Pedro Couceiro reitera as preocupações da Confraria relativamente à diminuição de produtores de ovelhas serra da Estrela, à baixa do preço do leite – “o leite é pago ao mesmo preço de há 15 anos”, frisa – e à entrada de ovelhas de raças diferentes da bordaleira no território de denominação de origem protegida. Fatores que, alerta o responsável, afastam potenciais produtores de ovelhas e põem em risco o futuro do Queijo Serra da Estrela.

“A diminuição de produtores é de 30 a 40 por cento”, avisa Pedro Couceiro, destacando a urgência de uma intervenção do Estado, no sentido de incentivar os jovens para a criação de ovelhas de raça bordaleira.

Na defesa do Queijo Serra da Estrela, a Confraria considera igualmente determinante a criação de um espaço que valorize aquela iguaria gastronómica e potencie a sua divulgação. Na mira da Confraria continua o projeto do Museu do Queijo por várias vezes falado, mas nunca concretizado. “É um projeto antigo da Confraria com a Câmara Municipal mas as coisas estão difíceis”, sublinha Pedro Couceiro, satisfeito por “outras forças políticas” terem falado sobre o assunto na última Assembleia Municipal.

O Grande Conselheiro da Confraria não tem dúvidas das “mais valias” que o Museu representaria na promoção do Queijo Serra da Estrela e até na atração de visitantes ao concelho de Oliveira do Hospital, à semelhança do que acontece em Seia com o Museu do Pão.

Em cumprimento da sua missão de divulgação do Queijo Serra da Estrela, a Confraria realiza amanhã o 24º capítulo no auditório da Ancose, mas sem entronização de novos confrades. Uma cerimónia que vai contar com a presença do presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital e confrarias convidadas.

LEIA TAMBÉM

Primeiro-ministro vê nas biorefinarias uma “oportunidade” para aproveitar a floresta e elogia trabalho desenvolvido na BLC3

O primeiro-ministro destacou ontem na inauguração do Campus de Tecnologia e Inovação BLC3, em Oliveira do …

António Costa remete construção do IC6 para “quando haja condições financeiras”

O primeiro-ministro não se compromete com uma data para a construção do IC6 entre Tábua …