Construção da ETAR de Alvôco das Várzeas deverá ser retomada através de “solução melhorada”

A nova solução para a construção da estação de tratamento de águas residuais de Alvôco das Várzeas, cujas obras foram suspensas no mês passado em consequência dos protestos oriundos de um movimento que se opõe à localização daquela infraestrutura numa várzea na margem do rio Alvôco, foi ontem apresentada numa sessão pública, em Alvôco, que terminou por volta das 22h30.

Sensível aos protestos que se geraram, a empresa a quem foi entregue o projeto de alteração daquela ETAR, deu garantias de que a nova solução é tecnicamente mais evoluída – “os cheiros não se sentem e a água lançada no rio é desinfectada” – e tem outro enquadramento paisagístico, uma vez que os tanques vão ser “afundados”. Na zona vão também ser plantadas várias árvores por forma a diminuir o impacte paisagístico.

“Pretendemos enquadrar o edifício – com paredes de xisto e telhado em ardósia – na paisagem e fazer com que possa ser aceite pelas pessoas”, sublinhou a responsável por aquele projeto.

 Relativamente à deslocalização da ETAR para a Regada – era essa a pretensão do movimento “Salvem Alvôco das Várzeas –, a projetista incumbida de encontrar soluções, argumentou que aquela solução, comparativamente ao que estava inicialmente contratado, deverá custar mais 600 mil contos e, ainda assim, é necessário construir a estação elevatória no local onde está a nascer a nova ETAR de Alvôco das Várzeas.

O presidente da Câmara de Oliveira do Hospital, que fez questão de ir à reunião acompanhado pelo presidente da Águas do Zêzere e Coa (AdZC) e por alguns técnicos da empresa, congratulou-se por esta “nova forma de fazer política”, e lembrou que “seja qual for a decisão que vier a ser tomada é sempre melhor do que a que já estava tomada”.

“Eu também não gostaria que a ETAR ficasse ali, mas o problema foram os ‘timings’, afirmou também José Carlos Alexandrino, sublinhando ainda que não se pode “eternizar” a discussão, pelo que “terá que se tomar uma decisão que nunca agradará a todos”. “Mal é como está Alvôco atualmente. É insustentável, e uma das minhas prioridades para este mandato é resolver os problemas de saneamento no meu concelho”, advertiu também o autarca eleito pelo PS.

O responsável pelo Plano Diretor Municipal de Oliveira do Hospital, Lusitano dos Santos, defendeu a tese de que a preservação da paisagem nestas zonas com forte aptidão turística é a sua principal preocupação, falou noutro tipo de soluções – como tentar encostar a ETAR à estrada, por exemplo, para que não seja tão visível –, e concluiu que “valeu a pena o movimento” que “já gerou uma solução alternativa”.

“Quando eu defendo a mudança da estação é porque não quero vê-la nem quero que a vejam”, sublinhou.

Algo inconformado mostrou-se também Fernando Andrade, o líder do movimento criado no facebook com o título “Salvem Alvôco das Várzeas”. “Faço muitas reportagens em sítios onde as pessoas se queixam dos cheiros que lhes vêm bater à porta”, referiu aquele alvocense que é funcionário da RTP.

“Por ser um vale particularmente bonito merece este esforço. No final, o importante é que o equipamento esteja construído e a funcionar porque cada dia que a obra está parada é um mau dia para a AdZC”, afirmou entretanto o presidente daquela empresa, João Rodrigues, salientando que “não há desenvolvimento sem este tipo de infraestruturas, mas elas também não podem ser feitas contra as pessoas”.

Obrigado a mediar alguma exaltação de ânimos que se instalou na sala, José Carlos Alexandrino mostrou” pena” de não ter pegado no processo “inicialmente” porque – segundo frisou – “a ETAR não ficava ali”. Só que conforme também explicou o presidente do executivo, o processo inicial, incluindo a compra do terreno, foi todo desencadeado pelo seu antecessor.

De qualquer modo, Alexandrino, que depois desta ronda de negociações deverá anunciar a sua decisão até ao final desta semana – tudo indica que as obras venham a ser retomadas no mesmo local através da “solução melhorada” – deixou uma crítica à forma como o processo foi conduzido pelo anterior executivo, por não ter tido capacidade para dialogar com as pessoas. “Democracia não era o que havia no meu concelho”, disse.

LEIA TAMBÉM

“O presidente diz que Oliveira está na moda. Adarnela só se for na moda da idade da pedra. Não tem água, nem saneamento”

Quem chega a Adarnela, no concelho de Oliveira do Hospital encontra uma localidade dividida entre …

Cemitério de Nogueira do Cravo vai ser ampliado

A Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital aprovou na sexta-feira o alargamento do cemitério de …