DECO: Compras pensadas, dinheiro poupado!

Ir às compras já faz parte da nossa rotina e como tal, muitas vezes, não são tidos em consideração os cuidados devidos. As atuais técnicas de marketing, de tão agressivas que são, fazem com que o consumidor mais distraído encha o seu carrinho de compras com produtos que não precisa, gastando dinheiro desnecessariamente.

Na verdade, ir às compras é uma necessidade, logo como tal deve ser um ato pensado, pelo que se deverá adequar às efetivas necessidades do agregado familiar. Assim, antes de sair de casa, deverá ser feita uma lista de compras para que quando cheguemos à superfície comercial nos possamos direcionar para os locais pretendidos, ao invés, de passearmos pelos inúmeros corredores.

Atente-se que a organização do estabelecimento comercial e a disposição dos produtos são feitas tendo por base as características do consumidor tipo, existindo já estratégias para as crianças que o acompanha.

Na realidade, os consumidores em geral, sem que se apercebam, percorrem um espaço em que o apelo à compra não programada é constante. Analisada a organização de um supermercado facilmente verificamos que os produtos de primeira necessidade, nomeadamente o pão, a carne, o peixe, o leite, se encontram nos extremos da superfície, fazendo com que o consumidor percorra diversos corredores se apenas quiser adquirir esses produtos.

Muitas vezes, no âmbito de uma companhia promocional, os consumidores são convidados a experimentar determinados produtos, correndo o risco de fazer mais uma aquisição não planeada.
Verificamos também que é na entrada das superfícies comerciais que se encontram várias supostas promoções, muitas vezes associadas a determinadas épocas do ano, constituindo mais um chamamento ao consumo desnecessário.

A música e a temperatura ambiente agradáveis, aliadas à ausência de janelas, fazem com que o consumidor “passeie” pelo supermercado e não tenha noção do tempo que passa no seu interior.

No que respeita à disposição dos produtos nas prateleiras note-se que os produtos mais caros estão sempre ao nível dos nossos olhos, acima da nossa cabeça e abaixo da cintura os produtos mais económicos e à altura das mãos os produtos de grande procura.

Nas prateleiras são ainda colocados produtos complementares lado a lado, por exemplo, batatas fritas com refrigerantes, favorecendo a compra por impulso.

Nos dias que correm, além da qualidade do produto, temos que ter atenção ao preço e, no que diz respeito a este elemento, temos que ter também alguns cuidados. Muitos preços terminam em 9, imprimindo uma falsa sensação de vantagem.

A compra a granel ou à unidade de produtos será sempre a mais acertada, pois a compra em embalagens constitui uma barreira à comparação fácil de preços.

No que respeita à publicidade, os folhetos que recebemos em casa visam a divulgação de preços promocionais de determinados produtos, com o objetivo de nos levar ao supermercado, comprando não só os produtos da promoção, mas também outros não planeados, não necessários e não promocionais.

Dadas estas subtis estratégias, nunca é demais deixarmos uns conselhos:
– Faça sempre uma lista de compras;
– Leve uma calculadora e some o que coloca no seu carrinho de compras;
– Visite vários supermercados, pois só assim poderá verificar quais as melhores ofertas numa relação qualidade/preço;
– Não se deixe influenciar pelas promoções;
– Faça as compras sem pressa, pois caso contrário corre o risco de não comparar os diferentes preços e as diferentes marcas;
– Apenas dê prioridade às embalagens familiares se efectivamente as mesmas se ajustarem ao seu agregado;
– Evite levar as crianças às compras, pois podem influenciar a compra de bens desnecessários;
– Nunca vá às compras com fome para que não seja aliciado a comprar mais;
– Prefira pagar em numerário ao invés do cartão multibanco, pois o ato de dispor do capital inconscientemente nos retrai;
– E, por fim, confirme sempre a sua conta.

Tânia Santana
Jurista
DECO Coimbra

Os leitores interessados em obter esclarecimentos relacionados com o Direito do Consumo, bem como apresentar eventuais problemas ou situações, podem recorrer ao Gabinete de Apoio ao Consumidor da DECO, bastando, para isso, escreverem para a DECO –– Rua Padre Estêvão Cabral, 79-5º, Sala 504-3000-317 Coimbra.

LEIA TAMBÉM

Detidos incendiários em Viseu, Vouzela e Tondela

A Polícia Judiciária deteve um homem, de 41 anos, casado, servente de pedreiro, pela presumível …

IMT vai recorrer de decisão que declarou ilegal fecho de centro de inspecção automóvel de Seia

O Instituto de Mobilidade e Transportes (IMT) anunciou que vai recorrer das decisões judiciais que …