Depois da extinção no século XIX, programa do Departamento de Biologia da UA consegue reintroduzir 3 mil veados na região da Serra da Lousã

Há mais de 3 mil veados a viver em estado selvagem na Serra da Lousã e áreas envolventes. Estes animais são descendentes de cerca de uma centena reintroduzidos na Serra no final dos anos 90, numa altura em que a espécie estava extinta na Lousã desde meados do século XIX. O balanço da reintrodução, coordenada pela Unidade de Vida Selvagem (UVS) do Departamento de Biologia da Universidade de Aveiro (UA), faz deste um dos maiores êxitos nacionais e europeus entre os programas de fomento e conservação da biodiversidade. Os biólogos envolvidos garantem que “o veado é hoje em dia, definitivamente, um ex-libris de toda a Serra da Lousã, tendo um forte potencial económico, cinegético e turístico”.

Vinte anos depois “os resultados obtidos demonstram que a reintrodução de veados na serra da Lousã foi um sucesso, não só pela sua sustentabilidade biológica e ecológica, como também pelo número de efectivos e a área de distribuição actuais”, aponta Carlos Fonseca, coordenador da UVS e o biólogo que, desde a primeira hora, está por de trás do programa iniciado em 1995.

serra-da-lousa-foto-de-maria-augusta-pintoA partir desse ano e até 2004 foram reintroduzidos em diferentes concelhos da Serra – com destaque para os concelhos da Lousã, Figueiró dos Vinhos, Penela, Miranda do Corvo, Góis, Castanheira de Pêra e Pampilhosa da Serra – 120 animais provenientes da Zona de Caça Nacional da Contenda e da Tapada de Vila Viçosa. O objectivo era devolver à Lousã uma espécie emblemática extinta por acção do homem e voltar a ter na Região Centro de Portugal aqueles animais em estado selvagem.

A crescer entre o Mondego e o Zêzere

Vinte anos depois da monitorização regular das populações libertadas, quer a nível da densidade e abundância, quer a nível biológico e sanitário, a equipa de investigadores do Departamento de Biologia e do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar da UA, num artigo publicado no último número do International Journal of Biodiversity Science, Ecosystem Services & Management, apontar o enorme crescimento da população de veados ao longo do tempo e sublinha o sucesso no que toca à vasta distribuição geográfica dos animais.  “A área de distribuição actual, superior a 90 mil hectares, é fruto da expansão dos veados em várias direcções, com especial destaque para Nordeste, ao longo da Cordilheira Central em direcção à Serra da Estrela, estando limitada a norte pelo rio Mondego e a sul pelo rio Zêzere”, refere a bióloga Ana Valente, uma das autoras do artigo agora publicado.

veado-na-lousa-foto-de-maria-augusta-pintoEsta investigadora lembra todo o “potencial económico, cinegético e turístico” que hoje os animais representam não só para os concelhos da Serra da Lousã como para toda a região envolvente. E se a actividade cinegética é hoje um importante motor de desenvolvimento da região, há também o eco-turismo, com destaque para a época de acasalamento que ocorre entre Setembro e Outubro, e que todos os anos atrai centenas de pessoas à Serra. A criação da Agência para o Desenvolvimento Turístico das Aldeias do Xisto e, recentemente, da Associação de Desenvolvimento da Serra da Lousã (ADSL), são apenas algumas das iniciativas que floresceram com o objectivo de sensibilização ambiental, de exploração turística da Serra e de envolvimento das populações locais com os recursos naturais e culturais que a serra oferece.

Gestão de conflitos é aposta

“Esta ligação das populações à Serra da Lousã e à própria espécie têm especial importância para a sua gestão, bem como para a gestão de conflitos provenientes do aumento de distribuição do veado, sendo esta uma das missões de uma Associação criada recentemente pelos sete municípios que constituem a Serra da Lousã, a ADSL, da qual a UA fará parte”, sublinha Carlos Fonseca.carlos-fonseca-em-plena-monitorizacao-de-veados-na-serra-da-lousa1-small

A monitorização da UA sobre os veados vai continuar, de modo a perceber-se as tendências populacionais e recomendar acções de gestão de acordo com indicadores biológicos e sanitários. Paralelamente, apontam os investigadores, “há que ter em mente a nível social estratégias de gestão integrada, onde participem as autarquias, o poder central, as unidades e centros de investigação, as associações, federações e empresas ligadas à actividade cinegética e ao turismo”. Também os conflitos provocados pelos danos que estes animais, até pelo aumento da distribuição desta espécie, causam nas culturas agrícolas “têm que ser geridos da melhor forma, numa perspectiva global”.

 

 

LEIA TAMBÉM

Investigação desenvolvida na UC melhora sintomas da doença de Huntington

Um grupo de investigadores do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) da Universidade de …

Polícia Judiciária deteve traficantes de estupefacientes na Lousã e Coimbra

A Polícia Judiciária (PJ) deteve três homens e uma mulher pela presumível prática do crime …