Depois da polémica, “Águas do Zêzere e Côa” manda parar as obras na ETAR de Alvôco das Várzeas

O objectivo é ponderar sobre as questões relacionadas com a polémica localização daquela infra-estrutura – a escassos metros do rio Alvoco, e numa zona de grande beleza paisagística -, com vista a que o processo seja reavaliado.

Esta decisão surgiu após uma reunião que o presidente da Câmara de Oliveira do Hospital realizou ontem com a administração da AdZC e o presidente da junta de freguesia de Alvôco das Várzeas, com o intuito de reflectir sobre toda a polémica que se tem vindo a abater em torno da construção daquela estação de tratamento de águas residuais.

Esta tomada de posição não significa, contudo, que a ETAR possa vir a ser deslocalizada para um outro local daquela freguesia, pois conforme referiu a este diário digital uma fonte ligada ao processo, a paragem das obras não implica a transferência daquele equipamento para um outro local.

Em declarações à agência Lusa, um administrador da AdZC já veio afirmar que “neste momento já não é possível alterar o local de construção”. Miguel Ferreira argumenta que “já foram investidos cem mil euros” naquela obra, e sustenta que as verbas atribuídas pela União Europeia para a sua construção têm que ser utilizadas até Fevereiro de 2011.

No entanto, quer o presidente da câmara quer a AdZC, que na segunda-feira participaram numa reunião com a população de Alvôco das Várzeas e o movimento de cidadãos que vem exigindo a transferência da ETAR para outra zona, já se mostraram disponíveis para “encontrar soluções alternativas”.

Uma dessas soluções, passa pela minimização do impacto ambiental e paisagístico provocado por aquela infra-estrutura.

José Carlos Alexandrino, que imputou a responsabilidade da localização daquela ETAR ao anterior executivo camarário, também sossegou os contestatários da obra, ao anunciar que vai pedir colaboração à ministra do Ambiente, Dulce Álvaro Pássaro, por ocasião de uma visita que aquela governante vai fazer a Oliveira do Hospital no próximo mês.

Vereador do PSD aconselha executivo a não “cavalgar a onda de uns incendiários”

Na reunião do executivo camarário, terça-feira, esta questão esteve também em discussão, e um dos principais responsáveis pela localização da ETAR nas várzeas de Alvôco – o ex-presidente da Câmara, Mário Alves – resumiu o problema de forma telegráfica. “As gentes de Alvôco andaram a clamar a ETAR, porque tinham lá uma porcaria, agora existe forma de resolver o problema e criticam. Não cavalguem a onda de uns incendiários”, aconselhou Alves, citado pelo diário As Beiras.

LEIA TAMBÉM

“O presidente diz que Oliveira está na moda. Adarnela só se for na moda da idade da pedra. Não tem água, nem saneamento”

Quem chega a Adarnela, no concelho de Oliveira do Hospital encontra uma localidade dividida entre …

Cemitério de Nogueira do Cravo vai ser ampliado

A Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital aprovou na sexta-feira o alargamento do cemitério de …