Deputado do CDS-PP visitou EBI de Lagares da Beira e defendeu racionalização dos serviços de saúde

 

A extinção dos serviços de saúde foi um dos temas com que o deputado do CDS-PP eleito pelo círculo eleitoral de Coimbra foi confrontado, esta manhã, na visita que efetuou à Escola Básica Integrada (EBI) de Lagares da Beira, a propósito do projeto Parlamento dos Jovens.

Defensor de serviços de saúde de qualidade, o também médico de formação elogiou a reforma que está a ser seguida pelo governo de José Sócrates na área da saúde. “A reforma da saúde tem dado passos positivos, embora com alguns riscos”, afirmou João Serpa Oliva considerando porém a necessidade de criação de “uma carta de saúde e familiar”.

“Temos que perceber que o país não é tão grande assim”, continuou o deputado da Assembleia da República ironizando com o facto de “qualquer presidente da Câmara” achar que o respetivo município “tem que ter um hospital distrital, um pavilhão desportivo ou uma piscina aquecida”.

Manifestamente contra os benefícios que determinada Câmara Municipal possa conquistar junto do governo pelo facto de partilhar a mesma cor política, Serpa Oliva revelou-se antes defensor da racionalização de recursos.

“É melhor termos uma boa unidade de saúde familiar, do que duas más”, asseverou, defendendo contudo que a decisão de extinção deve ser sempre antecipada pelo diálogo com as populações, no sentido de se encontrar “a solução que seja melhor”.

O tempo percorrido pelos utentes até ao serviço de saúde mais próximo e o número de pessoas a que cada serviço dá resposta são, no entender, do deputado os fatores que devem determinar a extinção ou continuidade de um serviço de urgência.

O recurso a médicos estrangeiros que sirvam o interior do país é, no entender de Serpa Oliva, a melhor solução para combater a escassez daqueles profissionais de saúde. “Há falta de médicos por excesso de aposentações e porque não foram criados incentivos para a deslocação de profissionais para o interior”, observou, verificando que em Portugal há cerca de 800 mil pessoas que não podem usufruir de médico de família.

Na opinião de Serpa Oliva, o médico de família é “o pilar do Serviço Nacional de Saúde”, porque é sobre este profissional que recai a maioria das responsabilidades e, por isso, “deveria ser o mais bem pago”.

Convidado pela EBI de Lagares da Beira para contactar com os jovens estudantes a propósito do projeto Parlamento dos Jovens, João Serpa Oliva foi ainda desafiado a abordar temas como o aborto, a homossexualidade, a violência familiar e o ‘bullying’ que, este ano, através da expressão “Violência em meio escolar” serve de tema ao projeto.

Aos jovens, o deputado do CDS-PP quis ainda transmitir a ideia de que a “Assembleia da República é a casa da democracia e, a política é seguramente a maneira mais nobre de servir o povo”.

Na sessão distrital do Parlamento dos Jovens, que se vai realizar dia 21 de março no auditório da Escola José Falcão, em Miranda do Corvo, a EBI de Lagares da Beira será representada pelas alunas Rafaela Ferrão, Ana Herdade e Sofia Nunes.

LEIA TAMBÉM

Jovens cientistas da EPTOLIVA de Tábua desenvolvem Compósito Antisséptico e conquistam segundo lugar na XI Mostra Nacional de Ciência

Jovens estudantes da Eptoliva, na Tábua, no distrito de Coimbra, desenvolveram uma solução desinfectante a …

A escola ou a escolinha (?). Autor: António Ferro.

Durante várias décadas, fui assistindo às mudanças (algumas drásticas e escusadas) no sistema de ensino …