Deputado municipal do PS ‘incendeia’ Assembleia Municipal

A última Assembleia Municipal (AM) de Oliveira do Hospital, que se realizou esta sexta-feira, ficou marcada por um insólito episódio político.

Depois de ter entrado no salão nobre numa altura em que os trabalhos já se encontravam a decorrer, o deputado municipal do PS, Carlos Maia, não esteve com meias medidas e sentou-se na zona do público, quando ouviu o presidente da mesa, Carlos Rocha, dizer-lhe que já não aceitava a sua inscrição para intervir no período antes da ordem do dia.

Encontrando-se em substituição do presidente da AM – António Simões Saraiva justificou a sua ausência com um “compromisso”, e despediu-se do cargo por via de uma carta –, Carlos Rocha aconselhou os deputados do PS a deixarem-se de “birras”, e explicou que “no fim das inscrições já ninguém mais fala” por se tratar de “uma regra”.

Carlos Maia diz que Carlos Rocha tem “tiques nervosos e muito pouco democráticos”

“Não há problema nenhum”, respondeu Carlos Maia, avisando que aguardaria pelo final dos trabalhos para fazer a sua intervenção, no período reservado à participação do público. E assim foi. Próximo da 1h00 da manhã, o deputado socialista ouviu Carlos Rocha ler-lhe o artigo 19º do regulamento da Assembleia Municipal, e dirigiu-se ao púlpito para protagonizar um violento ataque político a Rocha e ao presidente da Câmara.

“Isto é ridículo. É um acto meramente propagandístico… é show-off… quer-se criar aqui um facto político”, afirmou o autarca da CDU, João Abreu, referindo-se ao que estava a acontecer. Maia disse preferir ignorar o “comentário”, e acusou o responsável máximo pela mesa da AM – “atrasei-me ligeiramente”, sublinhou – de ter “critérios diversíssimos” na condução dos trabalhos.

“O senhor tem tiques nervosos e muito pouco democráticos… o senhor, de uma forma arbitrária, disse ‘não senhor’… o senhor tinha que pôr isso à consideração da assembleia”, referiu aquele deputado do PS, argumentando que a atitude de Carlos Rocha resultava do facto de andarem “nervosos” com a actual situação política.

Deixado o recado ao presidente da mesa, o agora candidato do PS à Assembleia de Freguesia de Ervedal da Beira, começou a fazer uma espécie de retrato de Mário Alves, que algum tempo antes tinha proferido uma longa intervenção em defesa do seu trabalho político como chefe do executivo.

“… o senhor não tem visão”, sentenciou aquele membro da AM, para logo de seguida passar a enumerar um conjunto de situações em que considerou que Alves “falhou redondamente”. Maia perguntou, por exemplo, como é que é possível ainda existirem no concelho “fossas com esgotos a escorrerem a céu aberto”, quando se “gastam milhares de contos em obras espampanantes”; sobre a zona industrial da Cordinha, ironizou com o cartaz de campanha em que Mário Alves, sob o slogan “Mais, pelo Concelho!”, está justamente a “olhar” para a “miragem” que é aquela zona industrial.

Num discurso politicamente corrosivo, e referindo-se à qualidade da água que é distribuída naquela zona do concelho, Maia até chegou a afirmar que o PSD devia “ter vergonha de ir pedir votos à freguesia de Ervedal da Beira”, e desafiou Alves a explicar por que é que o concelho que “mais crescia, entre a serra e o mar” passou de “terceiro para décimo terceiro lugar”, no ranking do desenvolvimento dos municípios do distrito de Coimbra.

Mas aquele que é um dos deputados municipais mais combativos do PS, não quis acabar o seu mandato político na AM, sem fechar a sessão com essa sua marca. Acusou ainda o autarca do PSD de não ser “capaz de falar com os empresários”, e criticou a forma como anda “a dar subsídios”. “Até parece que o senhor está a dar alguma coisa do seu bolso”, frisou Carlos Maia, que terminou a sua intervenção a dizer que Alves “falhou redondamente, e os oliveirenses sabem disso”.

“Porquê tanta irritação senhor engenheiro? Porquê tanto ódio? (…) Afinal quem anda nervoso é o senhor”, respondeu o presidente da Câmara, salientando que “o povo de Oliveira do Hospital é inteligente e vai saber decidir”, no próximo dia 11 de Outubro.

LEIA TAMBÉM

Nova liderança da JSD de Oliveira do Hospital quer colocar problemas dos jovens na agenda política local

Virgílio Salvador, de 26 anos, foi eleito no domingo presidente da Juventude Social Democrata de …

«Castração» política em Oliveira do Hospital. Autor: João Cruz

Passados 44 anos após o 25 de Abril de 1974, vive-se hoje em Oliveira do …