AM Oliveira do Hospital

Deputados Municipais receberam informação de suporte com atraso para AM de sexta-feira e Mesa promete justificar-se

Os deputados da Assembleia Municipal (AM) de Oliveira do Hospital receberam ontem ao final da tarde, um dia depois do prazo estabelecido, a documentação de suporte para a discussão dos pontos agendados para a reunião daquele órgão de sexta-feira (21h00). O Primeiro Secretário não adiantou justificações ao CBS, mas garantiu que no local próprio serão fornecidas todas as explicações para este atraso. “Como devem calcular teria todo o gosto que a documentação fosse enviada com os cinco dias de antecedência, mas no lugar próprio será dada a explicação para o atraso”, referiu Carlos Mendes.

Uma fonte da autarquia garantiu que, mesmo assim, “os documentos seguiram dentro do prazo que a lei geral estipula e que é de 48 horas”. Uma argumentação que, no entender, do deputado Luís Lagos do CDS-PP nunca deveria ser evocada. “O problema poderia colocar-se se é ou não legal. Mas nem vamos por aí. O que é estrondoso é que estão a ignorar um Regimento que foi escrito, votado e aprovado por eles próprios, o qual alargou o prazo para cinco dias úteis. Não se entende”.

Os deputados não receberam ainda esclarecimentos de suporte sobre o polémico ponto II da ordem de trabalhos que trata da ratificação das deliberações da Assembleia Municipal sobre a destituição do Sr. António dos Santos Lopes de Presidente da Mesa da Assembleia Municipal, tal como da eleição da Mesa e das deliberações Tomadas na sequência da destituição e eleição da Mesa. Carlos Mendes explica que esse é um ponto apresentado pela mesa e que na reunião será fornecida toda a informação de suporte em que se baseou para colocar esse ponto. Um ponto que será colocado a votação.

Luís Lagos acredita que a mesa parte do princípio que os deputados já têm conhecimento pelas actas daquilo que está em causa e que não vê por isso que “daí venha qualquer mal ao mundo”. “Mas seria bom, de qualquer maneira, que tivesse sido enviada a informação a justificar o que os levou a agendar essa discussão”, sublinha, adiantando que sobre o ponto XIV depende se quem solicitou que fossem discutidas as taxas e tarifas do fornecimento público de água, recolha de saneamento e de resíduos urbanos ao abrigo da alínea, enviou ou não informação a suportar esse mesmo pedido. “Se isso aconteceu e não nos foi facultada temos mais uma vez a mesa da Assembleia Municipal a funcionar de muletas”, explicou.

O pedido de agendamento foi feito pelo destituído presidente da Assembleia Municipal, António Lopes, que reconhece não ter enviado qualquer documentação adicional. Mas, justifica, apenas porque as informações que pediu atempadamente à autarquia não lhe foram facultadas, como refere a lei. Daí já ter enviado uma queixa à CADA. António Lopes explicou ao CBS que a 18 de Agosto pediu que lhe fossem facultados o número total de contadores de água instalados no concelho, o total dos mesmos por escalão, qual o aumento da receita efectiva mensal arrecadada com os aumentos verificados e o montante anual. “Nada disso me foi facultado como podia produzir informação de suporte. Esse era o objectivo. A única coisa que sabemos é que os aumentos globais verificados vão muito além dos 400 mil euros que foram aprovados em AM”, concluiu António Lopes.

LEIA TAMBÉM

Tomada de posse dos órgãos autárquicos marcada pela tragédia dos incêndios e presidente reeleito aposta em “fazer renascer Oliveira do Hospital”

Não foi uma tomada de posse normal dos novos responsáveis pelo munícipio. Os discursos inflamados …

António Lopes apresenta denúncia no MP contra as autoridades do concelho oliveirense por entender que pode existir “crime de homicídio por negligência” na tragédia dos incêndios

O eleito à Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital, António Lopes, apresentou ontem uma denúncia …

  • É que está aqui um caldo

    Esta mesa da Assembleia é mais vocacionada para avaliar as sopas de Santa Ovaia.

    • Que caldeirada

      É verdade, são mais para os caldo, açordas e caldeiradas.
      Que vergonha tenho desta gente que destruiu a democracia em Oliveira.

  • António Lopes

    Na última AM propus que fosse gratuito o apoio extra curricular de um dos centros escolares.A verba em questão eram 13 500 00 euros, ano, e beneficiava 90 crianças.Nesta assembleia, vão a aprovação 4 subsídios para apoio a festas, num total de 20 500.00 euros. Nada tenho contra os subsídios às festase só não voto favoravelmente, porque considerando as Assembleias ilegais não voto nem contra nem a favor.O que eu acho é que se o lema da candidatura era:”TUDO PELAS PESSOAS”, entre o apoio às festas e o apoio às crianças e às famílias, não há duas opções.”TUDO PELAS PESSOAS. Esta é a 2ª Assembleia a que não presido.As duas tiveram os documentos fora de prazo.É esta a democracia que vai prevalecer? O Caricato é que, não tendo os documentos prontos, adiantaram a Assembleia uma semana.Parece que no dia 26 joga o PortoXSporting..! Será? O “TUDO PELAS PESSOAS” parece, passou a “FESTAS E BOLA”!!!