Deputados socialistas querem saber quando avança a construção dos IC6, 7 e 37

 

No topo da lista de investimentos prioritários na região, os Itinerários Complementares 6, 7 e 37 levaram os deputados socialistas na Assembleia da República, eleitos pelos círculos de Coimbra, Guarda e Porto – Mário Ruivo, João Portugal, Paulo Campos e André Figueiredo – a questionar o ministro da Economia acerca dos timings para o arranque daquelas infraestruturas rodoviárias.

“Qual o calendário de construção do IC6, 7 e 37 previsto pelo governo? Consideram a possibilidade de construir por fases? Qual a fase inicial?”, perguntam os eleitos numa missiva onde alertam para o facto de estarem em causa “estradas de proximidade, sem perfil de autoestrada, fundamentais para interligar, através do IC6, os concelhos de Tábua, Oliveira do Hospital e Seia, através do IC7, os concelhos de Seia, Gouveia e Fornos de Algodres, e através do IC37, os concelhos de Seia e Nelas.

Itinerários que permitirão “uma adequada e estruturante interligação dos distritos de Coimbra, Viseu, Guarda e Castelo Branco”, numa região – Serra da Estrela e Beira Serra – que “tem uma forte indústria exportadora que está dependente de boas acessibilidades para aumentar a sua competitividade”.

Os socialistas lembram tratar-se de uma região com baixas taxas de execução do Plano Rodoviário Nacional, com elevadas taxas de sinistralidade e falta de investimento em manutenção das estradas com a consequente deterioração da qualidade do atual serviço prestado. “Recorde-se que em 2011, 2012 e 2013, o atual governo parou todos os investimentos previstos para esta região”, sublinham os deputados aludindo à “justiça de investir em zonas do interior abandonadas e carenciadas”.

Ao mesmo tempo que reclamam pela construção dos IC6, 7 e 37, os socialistas lembram o investimento já feito “entre 2006 e 2012 em estudos económicos, avaliação impacte ambiental, estudos de engenharia e processos concursais” necessários ao arranque daquelas vias. Um historial de que os deputados se valem para questionar outras prioridades do governo, como sendo as infraestrturas portuárias de Lisboa, variante de Vila Verde, no distrito de Braga, e ligação Penafiel à A4.

“Quais os estudos que basearam a decisão de investimento em outras infraestruturas anunciadas recentemente pelo governo?”, questionam os deputados que desafiam o ministro da Economia e Emprego a visitar esta região e protagonizar uma sessão de trabalho com os deputados, presidentes de Câmara e empresários.

LEIA TAMBÉM

CNE adverte Câmara Municipal de Tábua para que tenha em conta a lei dos deveres de publicitação de informações

A Comissão Nacional de Eleições (CNE) recomendou ao presidente da Câmara Municipal de Tábua que …

CDU: “Julgamos demasiado sem vergonha utilizar uma inauguração pública para os candidatos de um partido [PS] se promoverem”

O candidato à Assembleia de Freguesia de União de Freguesias de Ervedal e Vila Franca …