Desemprego ameaça centena e meia de trabalhadores da HBC

O drama do desemprego volta a assombrar o sector das confecções no concelho de Oliveira do Hospital. Depois de no início do ano, a Jammo confecções ter lançado para o desemprego cerca de seis dezenas de trabalhadores, é agora a vizinha HBC Confecções que dá sinais de fragilidade, alargando o período de férias inicialmente de duas semanas, até ao final do mês, por falta de encomendas. Os trabalhadores têm o salário de Março em atraso.

“Está em causa a continuidade da empresa”, referiu há instantes ao correiodabeiraserra.com Fátima Carvalho do Sindicato do Sector Têxtil e das Confecções de Coimbra, referindo-se em concreto à falta de encomendas e a um problema, que se arrasta há algum tempo, ao nível da organização do corpo administrativo da empresa.

“Até aqui, tomava-se um analgésico e o problema ia-se ultrapassando. Mas, agora, deparamo-nos com um problema de fundo que é a falta de trabalho”, referiu a responsável pelo Sindicato, sublinhando que até agora “não há analgésico” que vá adiando o problema que assola a HBC Confecções.

A este diário digital, Fátima Carvalho adiantou que “a situação está complicada” e revelou-se “muito preocupada” com o futuro da empresa e dos cerca de 150 trabalhadores. “Há casais em causa e, há mulheres cujo rendimento familiar só depende delas”, informou a sindicalista, dando conta da existência de “situações dramáticas”.

Segundo adiantou, não tem faltado o diálogo entre administração e os trabalhadores e têm havido contactos regulares com o Sindicato, o Governo Civil de Coimbra e o IPAMEI. Fátima Carvalho garantiu não cruzar os braços e tudo fazer para inverter a tendência de encerramento.

“Vamos acompanhar o processo. Vamos ver, junto de quem de direito, qual a possibilidade de dar um novo rumo a esta empresa”, sublinhou, considerando que “se nada for feito e não se encontrar uma solução, é um drama para Oliveira do Hospital”.

Fátima Carvalho recomenda “medidas e uma atenção especial para Oliveira do Hospital onde se verifica uma situação de mono indústria”. “Está toda a gente a comentar o problema, mas ninguém encontra soluções”, considerou, propondo que “em conjunto se encontrem soluções”.

“É preciso motivação e unir vontades”, insistiu a responsável que assume a HBC Confecções como uma das primeiras preocupações do Sindicato. O correiodabeiraserra.com tentou entrar em contacto com a administração de empresa, mas a tentativa revelou-se infrutífera.

LEIA TAMBÉM

Ano de 2017 foi o melhor de sempre para o turismo no Centro de Portugal

O ano de 2017 foi o melhor de sempre para a atividade turística no Centro …

PSA anuncia produção de carros de lazer na fábrica de Mangualde

Depois de ameaçar encerrar a produção em Portugal, o grupo francês PSA aumenta a pressão …