Desemprego continua a não dar tréguas

Foi “sol de pouca dura” o abrandamento nos números do desemprego verificados no final de maio (1075) em Oliveira do Hospital. A 30 de junho, eram 1103 os oliveirenses em situação de desemprego.

Já habituado a pequenas oscilações, o desemprego em Oliveira do Hospital não se manteve na tendência de descida que se vinha verificando desde Janeiro e fechou o mês de junho com uma nova subida. Em maio, dados disponibilizados pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) indicavam 1075 oliveirenses em situação de desemprego, mas no final de junho o total de pessoas à procura de emprego já era de 1103.

Ao mesmo tempo que se assiste à dureza dos números do desemprego no concelho, também se confirma que o flagelo afeta tanto mulheres como homens e com maior incidência nestes últimos (562).

Dos 1103 oliveirenses desempregados, 1006 encontravam-se à procura de novo emprego, sendo que apenas 97 lutam por uma primeira oportunidade de trabalho.

Em causa estão números que, tomando por base o mês homólogo de 2012 (991), refletem um aumento da incidência do desemprego de cerca de 11 por cento.

A nível nacional, dados divulgados esta semana pelo Instituto Nacional de Estatística dão conta de um cenário de descida no segundo trimestre deste ano – a primeira desde que Portugal pediu resgate financeiro – do recorde de 17,7 por cento verificado no primeiro trimestre, para entre 17,4 e 17,6 por cento.

LEIA TAMBÉM

GNR realizou ontem 40 detenções em flagrante delito, sete das quais por roubo

Apenas um elemento do grupo suspeito de vários crimes na zona Centro ficou em prisão

Dos cinco jovens, com idade entre os 22 e os 28 anos detidos pela PJ …

Subida de temperatura e risco elevado de incêndios no interior nos próximos dias

Onde de calor vai continuar, com as temperaturas a rondar os 30 graus

O calor vai continuar a fazer-se sentir no continente, com as temperaturas a rondar os …

  • Guerra Junqueiro

    Porque é que em Oliveira não houve melhorias, quando no resto do País em três meses, a taxa de desemprego baixou de 17,7% para 16,4% e o número de trabalhadores aumentou em mais de 70 mil (algo de inédito pelo menos desde 2007). Isto foi conseguido com a economia estagnada ou com crescimento económico muito baixo.

    Porque em Oliveira pensa-se em festas, voltas a Portugal.
    Porque em Oliveira os empresários são cada vez menos, e os que estão agarrados ao poder politico, que são sempre os mesmos, só mamam não dão leite.
    Enfim, se não houver mudança, Oliveira esta condenada.

    Cumprimentos
    Guerra Junqueiro

    • G_M

      Deixe-se de tretas por favor!… Com sérias reservas sobre a qualidade da estatística, (tradicionalmente as variações são explicadas, o que desta vez não acontece, logo…) refiro que a criação de emprego é (para nossa infelicidade) meramente sazonal (colheitas agrícolas e turismo algarvio), com duração baixa (2 semanas nalguns casos) e salário abaixo de 310,0€/mês. (ler as declarações do ministro da economia pode ajudar a entender…).

      Por isso convém ser intelectualmente honesto e não escrever “barbaridades”, em prol da (boa) qualidade da informação disponibilizada para todos nós.

      G_M

      • Guerra Junqueiro

        GM
        Quando pede para me deixar de tretas, devia primeiro informar-se, vir dizer que isto se deve à sazonalidade cai na desonestidade intelectual. E o INE corrigiu os dados da sazonalidade.

        É o governo que trabalhou melhor do que os outros, pode custar-lhe a engolir, mas é a verdade.

        Cumprimentos
        Guerra Junqueiro

        • G_M

          Pois trabalhou! A divida aumenta para 127% do PIB, O desemprego [insisto na sazonalidade, na pequena duração do emprego, e na (muito) baixa remuneração], continua a bater máximos de sempre (sem contabilizar os que “saem” das estatísticas), a recessão

          • G_M

            Pois trabalhou! A divida aumenta para 127% do PIB, O desemprego [insisto na sazonalidade, na pequena duração do emprego, e na (muito) baixa remuneração – o próprio ministro diz para termos calma], continua a bater máximos de sempre (sem contabilizar os que “saem” das estatísticas), a recessão continua, aumentando o empobrecimento dos portugueses (excepto dos ricos cujo nº subiu 10% no ultimo ano), a educação “bate pano” por todo o lado… Claro que o governo “trabalhou bem”… (caramba, qualquer cego vê mais do que quem não quer ver!…)

          • Guerra Junqueiro

            GM;

            O que é que o aumento do PIB tem haver com o desemprego.
            Deve saber que está dentro do intervalo que permite a aprovação das avaliações da Troika. Veja quanto foi aumentado pelo energúmeno do Sòcrates e seus pares, e ainda o que deixou contratado para que continuasse a aumentar.
            Relativamente ao desemprego mantenho o que lhe expliquei, pois é a realidade, tal como acabou de assumir no seu ultimo comentário. Pois foi realmente a descida dos salários que levou a tal.
            Tem outra solução?

            Cumprimentos
            Guerra Junqueiro