E o inevitável aconteceu… derrota de Rodrigues Gonçalves e do PS

E o inevitável aconteceu… derrota de Rodrigues Gonçalves e do PS. Autor: Manuel Mendes

O presidente em exercício da Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital foi um dos grandes derrotados na reunião daquele órgão que começou ontem pelas 21h00 e terminou hoje de madrugada. Rodrigues Gonçalves fez tudo ao contrário daquilo que o seu cargo exige. Pareceu dar sinais pouco democráticos (fazendo recordar os tempos de Salazar), quase se mostrando incomodado com a liberdade e com a voz  divergente. E extravasou claramente as suas funções enquanto elemento que deve zelar pelo bom cumprimento das regras da AM.

O presidente do órgão deliberativo, com uma atitude pouco compreensível, apelou aos deputados que anteriormente não tinham apoiado a destituição de António Lopes para “fazerem um acto de contrição” e rever o seu posicionamento relativamente a uma deliberação que, no seu entender, tinha sido legalmente aprovada em Abril. Uma atitude própria de um deputado e não de quem ocupa o posto mais elevado no município. Um atropelo que teve como retorno uma derrota, para o próprio e para a maioria: Partido Socialista. Apesar do seu esforço, a “ratificação” apenas contou com mais um voto a favor em relação à AM de Abril, mas ao mesmo tempo um outro aumentou o lote contrário. Desta vez encontravam-se mais dois deputados presentes. Onze deles mostraram, quer votando contra, quer abstendo-se, quer votando em branco que não concordavam com o acto. Um facto que faz transparecer a continuidade desta novela política e a existência de uma discordância relevante sobre a legalidade da destituição de António Lopes.

O presidente da autarquia também não saiu bem da reunião. Particularmente ao recusar-se a responder a perguntas relevantes do deputado António Lopes. Remeteu-se mais uma vez ao silêncio. Mas não deixou de lado a sua veia populista ao fazer crer que tudo está bem no concelho de Oliveira do Hospital, desde a contratação pública às obras executadas para servir não se sabe bem quem e até ao putativo investimento privado que vai ser feito na zona industrial. António Lopes que, após uma intervenção em que voltou a pedir documentos e esclarecimentos, terminou a mesma fazendo, esse sim um acto de contrição, ao afirmar: “Volta Mário Alves está perdoado”, numa alusão ao anterior presidente da autarquia que tanto criticou por considerar autoritário.

Oliveira do Hospital, como que dá a ideia de um dia poder caminhar para uma daquelas democracias em que se aceita cada vez menos a pluralidade, a crítica e a diferença. Uma daquelas democracias em que os que governam cultivam o respectivo rancho de apoiantes, mantendo-os obedientes e dependentes do orçamento público. Num País em dificuldades, em que o desemprego disparou e a dificuldade das famílias se tornou cada vez mais evidente, essa questão emerge mais do que nunca. Uma democracia em que o poder não segue um pensamento livre, mas uma lógica que lhe permita manter “a cadeira”. E é essa lógica que formata a sua acção política.

Manuel Mendes

LEIA TAMBÉM

CNE dá provimento a denúncias do PSD e pede explicações a José Carlos Alexandrino sob alegadas práticas que violam lei eleitoral

A Comissão Nacional de Eleições (CNE) deu provimento a uma queixa apresentada pela concelhia do …

Demência afeta mais de 180 mil portugueses. Autor: José Carreira.

A demência é um desafio enorme para um número crescente de famílias, uma das principais …

  • Politicalex

    Simplesmente miserável. Numa das últimas sessões recordou que, António Lopes, tinha “trazido a democracia a esta casa”. De facto é notória a diferênça. Por exemplo, nesta assembleia, fizeram os elementos do público esperar até às cinco da manhã,para poderem usar da palavra. De há muito tempo a esta parte que o público usava da palavra no fim do período de antes da ordem do dia. O que não lembra mesmo, nem ao Diabo, é o presidente da mesa fazer campanha eleitoral e pedir a derrota do anterior presidente!!! Que raio de democracia se instalou em Oliveira do Hospital? Simplesmente vergonhoso. Mais vergonhoso vindo de um licenciado em direito que faz questão de lembrar “Exerci altos cargos da administração publica” e que, em Dezembro, invocava o “frontespício” do altar massónico que se encontra na AM, para “converter” António Lopes. Da coragem de Alexandrino, que depois de fazer uma tentativa de assassinato de carácter de António Lopes, no Folha do Centro e Centro TV, não responde às acusações na presença do próprio, simplemente uma cobardia. É esta a gente que nos (des) governa!!!

  • Combate

    A derrota foi bem mais do que isso. A resposta do presidente de Travanca,”eu penso pela minha cabeça” e do Julinho,presidente da maior freguesia do Concelho: “Eu vou-me abster porque não concordo com elementos que andam aqui por motivos pessoais e partidários”… (afinal não é só Lopes que pensa assim),deve pôr a pensar os mentores do “golpe”. Queriam eliminar o homem, teve mais um voto do que na outra vez!!! Um terço da Assembleia não alinha na “palhaçada”, como gosta de dizer o 1º eleito da bancada PSD.

    • Guerra Junqueiro

      Caro Combate;

      Fez bem lembrar as posturas elevadas quer do Prof António Soares, Presidente da Junta de Freguesia de Travanca de Lagos quer do Nuno Filipe (Julinho) Presidente da União das Freguesias de Oliveira do Hospital e São Paio de Gramaços. Ao primeiro, a sua independência ficou livre de quaisquer dúvidas quando afirma que “pensa por a sua cabeça”, já o tinha mostrado na questão da formação da equipa para a junta e reforça aqui, que é uma mais-valia não só para Travanca mas para todo o Concelho, infelizmente, parece que somente um terço dos deputados têm a capacidade ou permissão para pensar.
      O caso de Julinho é efectivamente mais delicado, pois tanto profissionalmente como politicamente responde hierarquicamente ao Sr Presidente da Câmara, podendo fazê-lo “repensar” a sua posição, visto que as possíveis represálias são de considerar, pois tornaram-se comuns e regulares para quem não concorda com os débeis pensamentos e as fracas actuações desta edilidade. A cumplicidade existente advinda desta situação, poderia compreensivelmente
      condicionar a atitude a tomar, como tal, fica bem prestar a devida homenagem a
      quem superou o medo e revelou distinção nas suas opções.
      Se anteriormente o critiquei por atitudes com as quais não concordei, a esta, tenho que tirar o meu chapéu e desejar-lhe as boas vindas ao clube dos que não têm medo.

      Cumprimentos
      Guerra Junqueiro

  • xau

    O mensageiro desta coisa é engraçado. Omite que o dono do seu pensamento anda farto de estrabuchar mas perdeu em duas sentenças dos tribunais por causa da sua destituição da assembleia.

    Perdeu ou não perdeu? Estou a dizer alguma mentira? Isso está referido na notícia? Mas como é burro que nem uma porta (e tenho muito respeito pelos burros, até porque estão em vias de extinção), a única razão é a dele. Os tribunais? Isso ao pé do AL é tudo gente menor. Ele até disse que o Juiz da sentença se esqueceu da máquina de calcular.

    É a velha táctica comunista de transformar derrotas em vitórias. Só que não pega.

    AL vai dar banho ao cãozinho e lava-te nas mesma água. Quem te conhecer que te compre. Aqui, por culpa tua, JA FOSTE. XAU. Vieste como Rainha e insistes em querer sair como Bobo da Corte. XAU.

  • António Lopes

    O mandato ainda só vai com 11 meses.Entre derrotas e vitórias espero que cheguem todos ao fim..! Por enquanto ainda vou tendo tempo para vos responder.Há quem não tenha e fale grosso mas é nas minhas costas ou no anonimato.Na minha frente, caladinhos como ratos. Andam tão calmos que até o presidente da Assembleia se esquece do seu dever de isenção e apela ao voto para me derrotarem.Ao menos podia ter ido à tribuna…A “nova democracia”. Eis senão vai um membro do partido, por sinal o presidente da maior junta, dizer que não está nessa.Vai outro presidente dizer que pensa por ele.Ainda há um terço que gosta de “burros”..Preocupados devem andar os que precisam da política para viver.Sempre tive outra forma de ganhar a vida.Apesar das dificuldades…Disseram-te , ontem, que os tribunais têm 3 níveis de decisão.Mantêm-te calmo.O último a rir é o que ri melhor..! Se tivesses o céu tão certo..! Além do mais há muitas maneiras de “matar as pulgas”. Se fora eu não subestimava o adversário.Até porque, tem muito pouco a perder…

  • ma

    Lopes. Vai dormir e recicla-te. Há quem prefira estar condenado a ser pobre do que a ser um EX NOVO RICO presunçoso, sem nível nem postura. Comigo já sabes que levas pra tabaco. Vai lá ter com os teus novos amigos do PSD.

    Podes também começar a escrever o livro que ontem anunciaste. Manda-o para África que há lá muita falta de papel para limpar o rabo. Também podes levar o MA. Aliás, vocês os dois ainda vão ser bons amigos.

    Até um dia destes, porque lavar a cabeça a burros, gasta-se a água e o sabão. XAU.

  • Guerra Junqueiro

    Sr Manuel Mendes, uma vez mais declaro o meu agradecimento ao constatar que efectivamente trouxe “o jornalismo” a estas paragens. “Jornalismo é publicar aquilo que alguém não quer que se publique, sendo o resto publicidade”. Propaganda, é o que realmente temos nos restantes meios de comunicação local, efectuada não por jornalistas mas por fracos cronista, sendo sabido que o grande problema dos cronistas, é
    que são normalmente lidos na casa de banho. Um jornal que seja digno desse nome tem evidentemente mais e maiores responsabilidades, pois sem jornais a democracia morre. Como Oliveirense agradeço esta oxigenação e tratamento que está a fazer à nossa débil, combalida e moribunda democracia com este trabalho hercúleo que tem levado a cabo numa tentativa de a restabelecer, mostrando os seus podres e os seus vírus, quando nas notícias que edita, chama os bois pelos nomes, pautando-se pela verdade, verticalidade e isenção.
    A Assembleia Municipal está desvirtuada, foi tomada por gente desprezada, desprestigiada e desacreditada. Quando se passa sete vezes uma gargalhada em volta de uma instituição, a instituição alui-se. O Salão Nobre foi transformado numa sala de
    espectáculos onde privilegiam as abundantes comédias que fazem rir o mais amorfo
    dos sisudos. A democracia instaurada é uma orgia de traidores, que negam a lei, e onde não há lei, não há liberdade. Se a liberdade significa realmente alguma coisa, significa o direito de dizer às pessoas o que elas não querem ouvir, mas que seja a verdade e a racionalidade. Não é possível discutir racionalmente com alguém que prefere anular-nos a ser convencido pelos nossos argumentos. Pior se tornando quando esses argumentos mostram a cumplicidade e a conivência interesseira que ocorre nesta edilidade e no grupo Socialista que simbioticamente a suporta.
    Toda a sociedade que não é esclarecida por pensadores é enganada por charlatães, sendo Oliveira do Hospital, infelizmente, o perfeito exemplo de tal, ao colocar dois velhacos pantomineiros nos mais altos cargo concelhios. Para testar o carácter de um
    homem, é dar-lhe poder. Vejam no que se tornaram o presidente da Câmara e o actual e ilegal presidente da Assembleia, ao manterem ilegalmente a Assembleia a funcionar e a deliberar, comprometendo o futuro de todas as decisões tomadas.
    Tornaram-se sem sombra de dúvidas em pequenos tiranos sem pudor, pois o poder sem moral transforma-se em tirania, e quando o poder é tirânico a revolta é um dever. O poder não é prova suficiente da verdade e muito menos o é para os esclarecidos e destemidos. A obediência dos povos é a fome dos tiranos, como tal, devemos somente ser servos da lei para sermos livres.
    Quantos deputados que sejam homens livres se viram e ouviram na passada Assembleia
    Municipal apelando à Lei, apelando à Democracia, apelando à Liberdade? Poucos, muito poucos. O que se passa? Desistiram? A nossa maior fraqueza está em desistir. O caminho mais certo de vencer é tentar mais uma vez e sempre. Resignaram? A resignação é um suicídio quotidiano, sendo o medo, o único inimigo real do homem. O medo leva-o a resignar, priva-o da Liberdade, por isso é que se torna mais difícil ser livre do que puxar uma carroça, havendo muitos preferindo ser asnáticos, no entanto a burrice é eterna, como tal não sei se a despreze ou inveje
    Não consigo compreender as poucas explicações dadas, não foram fundamentadas, como tal não foram respondidas, não têm fundamento. As dúvidas que as pessoas levaram para dentro trouxeram-nas aumentadas e confundidas para fora. Sendo evidente, que os que sabem estão cheios de dúvidas e os ignorantes estão cheios de
    certezas. Com a certeza (ou não) que essa ignorância lhes concede o prometido prato de lentilhas.
    As velhas questões, mais uma vez enunciadas por António Lopes, ficaram sem resposta e em “banho-maria”, esperando pela próxima Assembleia, recebendo ao invés, violenta oposição onde impera a falta de educação e os maus tratos, típico das mentes medíocres no confronto com os grandes espíritos. O tempo e a Lei se encarregarão de pôr cada um no seu lugar.
    Termino lembrando que governar é rectificar, por aqui ratifica-se para pior o que já estava
    mal.
    Enfim, o sábio fala porque tem alguma coisa a dizer. O tolo porque tem que dizer alguma coisa. Deixemo-los a falar sozinhos.

    Cumprimentos
    Guerra Junqueiro

  • António Lopes

    Com o PSD? Não fui eu que defendi as candidaturas suprapartidárias, nem fui eu que convidei alguém dessa área.Para mim, basta ser Oliveirense e sério.Quanto aos ricos e pobres, quem anda muito preocupado com o que tenho ou tive e até quer publicar as minhas dívidas não sou eu.Quando quiserem digam que eu forneço a informação toda do Banco de Portugal.Já aqui disse que são cerca de 30 milhões.Um pouco mais. Tem por aí muitos que consigam uma dívida dessas?Sempre ouvi dizer que um homem se avalia pelo que tem.E é verdade.Quando era novo rico,como dizes, devia 65. E se encontrarem alguém que empreste sem garantias eu, estou interessado.Se fosse eu preocupava-me era em pagar o que devesse.Cartas mandei..! Eu até quero agradecer a quem me anda a ajudar financeiramente, mas não me dizem quem é..! Já perguntei duas vezes.E vou continuar a perguntar em todas as Assembleias até que me digam.Acredito que, um dia, pode ser que ganhem carácter! E eu é que tenho que me reciclar..!

  • Pela Justiça

    O Sr jornalista do jornal do Lopes e do Feiteira, parece que não este na Assembleia Municipal…e aqui temos mais um artigo de encomenda.
    O Sr António Lopes saiu DERROTADO em todas as frentes.
    Saiu derrotado politicamente que viu ratificada a sua destituição e saiu derrotado nos tribunais que recusaram a sua providência cautelar e consideraram legal a decisão da Assembleia Municipal em destituir António Lopes!

  • João Dinis, Jano

    Decisões pouco democráticas da maioria PS afastam os Munícipes destes “políticos” mandões…
    1 – PS impõe regras antidemocráticas para inscrição de “publico” para intervir nas Sessões da AM, impondo pelo menos 5 dias de antecedência para tal efeito
    Cinco dias ANTES de 19 de Setembro – a data desta Sessão da Assembleia Municipal (AM) – e tal como agora manda o novo Regimento da AM, portanto ainda de Domingo 14, inscrevi-me ( por e mail) como “público” para intervir nesta mesma Sessão. Atenção que a Lei não obriga a esse período mínimo de inscrição, os tais 5 dias de antecedência (pelo menos) . Esta disposição é de opção política local por parte da maioria PS. É uma violência antidemocrática ! Antes, com as maiorias PSD, nunca assim foi e o “público” podia mesmo inscrever-se para usar da palavra na horinha, pouco antes do início das Sessões. Era uma boa opção que aproximava os Munícipes da política e dos políticos no caso dos municipais, cá da nossas Terra….
    2 – O “público” inscrito falava no início das Sessões da AM, logo a seguir ao período regimental do “antes da ordem do dia”. Esta também era uma (boa) opção política local e dessa forma se evitava que as Pessoas interessadas em ir a uma Sessão da AM falar, o pudessem fazer sem terem de ficar à espera horas e horas – quase sempre noite dentro – até a Sessão chegar ao fim da Ordem do Dia. Era uma boa opção que aproximava os Munícipes da política e dos políticos municipais…

    3 – Veio a maioria PS neste mandato e agora está a modificar as boas e democráticas práticas em uso na AM.
    3.1 – Impondo, como já se disse, o prazo mínimo de 5 dias para inscrição do “público” que queira usar da palavra.
    Acontece que para esta AM de 19 de Setembro, os cinco dias terminaram a 14 de Setembro, um Domingo. Sabe-se que a Convocatória para a Sessão da AM só foi afixada na Câmara Municipal na Sexta anterior (passava das 16 horas). Então como é que o “público” interessado em falar na AM alguma vez podia saber que o prazo regimental para se inscrever terminava logo no Domingo 14 ? Só quem tiver acesso privilegiado à informação – ou por mero acaso como aconteceu comigo – e ainda assim…
    3.2 – Na mesma Sessão da AM, dia 19 Setembro, apenas estavam inscritos dois Munícipes com “público”. Pois a Mesa da AM que é exclusivamente PS – ou alguém por ela – não hesitou em atirar os dois “público” para o final de tudo, para depois da Ordem do Dia – ao contrário, repete-se, daquilo que era bom e democrático hábito até aí em que as Pessoas inscritas falavam logo no início das Sessões da AM. O resultado foi que esses dois Munícipes – um dos quais eu próprio – só puderam falar passava das cinco horas da manhã !! Com toda a Gente cansada, com a sala já desertificada, sem condições mínimas para que alguém escutasse outro alguém em condições de ouvir, de entender e de criticar ou concordar. Uma vergonha !
    4 – Portanto, com estas práticas antidemocráticas o PS “mostra-se” expõe-se melhor tal como se calhar é. Um partido em que dominam os mais “mandões” que não hesitam em cometer os atropelos mais básicos – e até mais desnecessários, digamos assim – para imporem as suas opiniões . É a ditadura da maioria PS ! Perdem as Pessoas, perde o Município, perde a Democarcia !!!
    5 – Estas novas e antidemocráticas práticas do PS oliveirense – ou de alguém por ele – servem para tentar calar as vozes e os assuntos incómodos. Servem para tentar calar as vozes verdadeiramente independentes.
    ……………………………………………………………..
    E andam “eles” por aí a falar e a refalar no “aproximar a política dos Cidadãos”. Pois pois: “bem prega frei Tomás, faz o que ele diz não faças o que ele faz”.. Aos PS isto aplica-se à “vara” (…) larga…

    • Ulvária

      Andam para aí a apregoar e bem, no “aproximar a política dos Cidadãos”. Acontece é que os que andam para aí a apregoar são da outra linha do PS, não é desta… esta linha é a do Costa, do Campos, do Rolo, do Tula, dos Chicos, etc e tal. E, como já se viu dentro e fora do PS, a Democracia só é boa para eles quando dá para fazerem o que bem querem!

    • Ervedalense

      Vizinho Jano;

      Mas depois da assembleia, o falador raivoso ainda teve tempo de trazer uns panfletos e espalha-los pelo Ervedal na calada da madrugada. E o pior de tudo é o local onde foram impressos!!! Tal como a proveniência do papel, tinta, máquinas necessárias, etc., todo pago pelo estado.
      Mas apresentar as contas que a lei manda, é que tem dificuldades.

  • Envergonhado

    envergonhado
    Respondendo ao ervedalense,eu diria mais.Sabemos onde foi impresso as cores o papel o paleio.Há algumas alcoviteiras pidescas que também gostam deste tipo de brincadeiras, bem a vejo muitas vezes na Câmara com Lili e Graça,para favores na BLC3. Também passo por lá algumas vezes mas por outros motivos felizmente.

  • Carlos Pereira

    Muito me honra, saber que os pseudoscleróticos,desculpem, políticos do meu concelho não deem as caras tal como fazem em época de eleições para pedir votos e se escondem por trás de pseudônimos.

  • Egomania

    ” Pela Justiça”: Como disse o André, o do PS,que gosta muito de ir replicar ao Lopes, até que um dia destes ele o abra de alto a baixo, cada um conta a história que mais lhe convém. A justiça, depois se vê. Quanto aos derrotados da noite.o Rodrigues Gonçalves presidente, apela ao voto contra o Lopes e, este, ainda teve mais um voto…Quem é que foi derrotado? Fala com o Povo e vê como tudo está a mudar.è só gente a declarar-se desiludida e desenganada com este execitivo….

  • Juventude Comunista de OHP

    Ainda este executivodiz que faz tudo pela junventude, mas como faz? é com o representante da juventude socialista acontentar-se com remedos em ves de obras novas? ésta juventude que pensa assim é um pensar podre e uma juventude velha.
    juventude desta não é precisa neste concelho , por isso só tem um caminho demitam-se porque vós não pensais nos jovens mas sim nos vossos interesses pessoias e de alguns “boys”.

  • ILVICO

    Esta cambada de mentecaptos continua agarrada ás cadeiritas de um município falido. Trabalhem mais e deixem-se de vaidades. O tempo vos há-de julgar.

  • Cristina Sampaio

    Tá aqui uma cm de m… está, está… Vieram estes auto-governadores dar cabo do resto…

  • Cristina Sampaio

    Meteram dezenas de projectos da era MA na gaveta e toca a fazer festas e investimentos no futebol. A seguir, vergonhosamente diga-se de passagem, nem as obras de beneficiação efectuadas ao mercado/praça conseguiram inaugurar ao fim do 1º mandato. Agora com uma câmara falida que vão fazer? Já sei: blá, blá, blá, blá

    Ainda estou à espera de ver a C.M. construir mais seis pavilhões na ZI da Cordinha, porque aí é que está o futuro afirmou JCA no comício de fecho de campanha na manif do seixo. Disse ainda, em crítica ao projecto de C. Oliveira (q propunha a construção de um heliporto para apoio da FAAD, bombeiros e G.Civil) que não ía práí dizer que ía fazer um aeroporto para buings. Coitado! Nem sabe falar!!

    Como é possível uma cidade como a nossa estar entregue a gente desta?

  • Ortigão

    Após a inauguração vai ser o encerramento. A peixaria do continente é excelente!