E o PS… Deus meu?!… Autor: João Dinis, Jano

Não, não estou para aqui a invocar o sagrado (em vão) mas tão só a utilizar uma formulação de um conhecido poema…

E abro uma excepção nos meus escritos. Neste caso, vou escrever nomes próprios para não haver confusões.

Pois, pois, continua acesa a luta entre António Lopes e José Carlos Alexandrino…

É notório que António Lopes mexe as suas “pedras” – António Lopes sabe onde atacar – sempre com o objectivo de tentar dar “cheque-mate” a José Carlos Alexandrino. Está, Lopes, a utilizar muito os meios judiciários e judiciais. E nessa “torrente” até quer arrastar para a barra dos tribunais quem está fora da “sua” contenda directa.

É evidente que Alexandrino reage. E defende-se e contra-ataca no uso das suas funções e competências enquanto “poder” que, se quiser, pode “mandar” na Câmara praticamente sozinho. Aliás, até seria preferível que assim fizesse pois anda “cercado” por algumas más companhias, embora também tenha com ele alguns colaboradores muito directos que têm méritos vários.

Mas do ponto de vista político-partidário que ninguém tenha dúvidas: – quem manda neste PS, só quer Alexandrino na Câmara na exacta medida em que Alexandrino (em última análise) também sirva este PS e os seus “mandões” cá do burgo… E até há conhecido(s) político(s) de outro(s) partido(s) à espera de algum oportuno convite de Alexandrino para ir(em) junto com ele para próximas batalhas eleitorais (Setembro- 2017 – nas eleições autárquicas). Ei, não é meu caso, podem crer…

Tenhamos entretanto em conta que – dentro deste PS – há um ou outro “mandão” – e muito “mandão” – que, no momento, está(ão) desempregado(s) da política e que quer(em) “reganhar a vida”… e, num determinado caso, até há quem tenha passado estes últimos tempos a “fazer-se de morto”  para não nos lembrarmos dele… (aqui não devo mesmo escrever nomes próprios porque, reconheço, esta minha ideia central ainda é especulativa embora certas fontes de informação sejam fiáveis).

PSD local continua em cacos e até há no CDS quem queira apanhar uma boleia de Alexandrino…

À espreita dos próximos capítulos da contenda – assim estilo “abutre” bastante despenado – anda este “partido” PSD local que continua em cacos. Se este PSD, como agora anda, fosse a eleições autárquicas no imediato, corria sérios riscos de ficar atrás do CDS caso este partido mantivesse na corrida um ou dois dos seus activistas locais (bem, caso algum deles não fosse junto com Alexandrino noutra lista…).

Pois, pois, António Lopes, então e o PS ?

Sim, no início da refrega, foi o PS que escolheu Alexandrino “contra” António Lopes e foi o PS (ou alguém por ele) que tratou Lopes e a Democracia a tratos de polé quando destituíram Lopes de Presidente da Assembleia Municipal.

E por exemplo. Quem tem “mandado” na mais do que controversa BLC3 – esta sim, uma “geringonça” – é o PS e uma outra e “inconfessa” organização.

Lopes está “em cima” desta BLC3 e de uma forma tal que é já estranho, e ao que sabemos, a BLC3 ainda não ter posto Lopes em tribunal e com dois ou três processos em cima… Será que têm medo de Lopes ou terão medo…do tribunal?

Portanto, se quer provar que a sua luta – de António Lopes – não é só ou principalmente uma “luta de galos” contra Alexandrino, então Lopes deve meter o PS, e quem mais neste manda, dentro do saco ou dentro de vários sacos…

Da nossa parte, e sinceramente, esta é uma batalha já excessivamente pessoalizada. Também por isso, redutora.

A este PS – e aos seus “mandões” de facto – deve ser assacada a responsabilidade político-partidária por aquilo que está a acontecer e por aquilo que, à medida que for acontecendo, mais prejudique o nosso Município e a sua População. Afinal, Lopes até foi cabeça de lista do PS nas duas últimas eleições (2009 e 2013) para a Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital…

Autor: João Dinis, Janojano

 

LEIA TAMBÉM

Esquece-se o essencial em favor do acessório! Será inocentemente? Autor: António Lopes

E, de repente, o problema deixa de ser a tragédia dos incêndios, nas suas diversas …

PSD e CDS/PP de Oliveira do Hospital solidários com vítimas da tragédia de Pedrogão Grande

O Partido Social Democrata de Oliveira do Hospital e o CDS/PP manifestaram–se ontem solidários com …

  • António Lopes

    Ilustre Camarada João Diniz. Meu caro Amigo:

    Como sabes o Lopes rege-se por determinados princípios e objectivos.No caso autárquico, sem perder de vista a ideologia política,o essencial da governação passa um pouco à margem dela.Amiúde cito o PS, pois é o PS que está em maioria na Assembleia Municipal.Confrontando os seus líderes, que ali estão, acho que, também, estou a confrontar o PS.Mas, efectivamente, não é esse o meu foco.O meu foco é aquele a que me comprometi.Tudo pelas pessoas.E as pessoas têm e votam em partidos mas, essencialmente, querem ver os seus problemas resolvidos.O mote da campanha do PS ao qual aderi era: “Tudo pelas pessoas”,E é nas pessoas e no Concelho que quero dar o meu contributo na resolução dos seus problemas mais prementes. Já combati os eleitos PSD, estou a combater os do PS e até , para dar o exemplo e não haver dúvidas, por estes objectivos, até rompi com o meu partido de sempre.
    Eu sou capaz de te entender.Mas quem não respeitou e não respeita a lei as regras e os princípios foi, e é, o Senhor Presidente da Câmara que achincalha os eleitos PS como o tentou comigo.Só que, eu, não preciso da política nem para viver nem para sobreviver.Mas mesmo que precisasse, jamais abdicaria de valores e princípios, pela segurança pessoal.Infelizmente sou dos poucos que tomam essas opções.Daí aquilo a que assistimos na administração publica quer central, quer autárquica.E daí o Estado a que isto chegou, a todos os níveis, de que realço o ético e o financeiro.Estamos entregues à mediocridade, que, porque o é, destruiu economicamente o País.Quanto à BLC o que eu queria mesmo era que me metessem em tribunal.Mas meti eu.Os processos estão a andar, esperemos calmamente.Eu não ando a tirar desforço nem em luta de galos.Eu ando, no estrito cumprimento da lei, a cumprir o mandato para que fui eleito, cuja função é acompanhar e fiscalizar a gestão Municipal.Para o tribunal porquê? Por cumprir a minha missão? Não viste o que o Ministério Publico respondeu ao Senhor Presidente..?

  • João Albuquerque

    Caro professor João Dinis;

    Começo por parabenizá-lo pela excelência do artigo, gostei da sua análise referente a este “ninho de cucos”, não posso no entanto concordar em pleno com a sua opinião, se não vejamos:

    a) O que está a acontecer não é uma luta entre Lopes e Alexandrino, o que está a acontecer são pequenos trâmites do gozo que o presidente da câmara juntamente com o suporte partidário socialista impôs ao 1º eleito. Demitiram-no de presidente da AM, não o deixam falar, não lhe respondem, negam-lhe os direitos, não lhe entregam documentos.
    Efectivamente, temos em primeiro, o gozo que o poder impôs à falta de poder.

    b) As pedras que Lopes joga, são a “Lei”. Lei, essa que muitos pensaram estar imunes. Eu bem me lembro do aviso madrugador que lhes deu para que não “endeusassem”. Não ouviram, acharam-se “acima da Lei” e agora, chamados a depor, não sabem o que fazer.

    Admiro a forma como consegue proteger o seu amigo Alexandrino, portando-se como o seu “anjo da guarda”, convém dar conta que estamos a viver o tempo dos “anjos caídos”. Não se estatele com eles no chão.

    c) Alexandrino tem pouco por onde reagir, pois ele foi o presidente da AG da BLC3, ele é o presidente da câmara, ele propõe e aprova subsídios para se gastarem na BLC3, ele responde às perguntas negando os estatutos que preside. Enfim tudo tem feito para que não se saiba onde param 10 milhões de euros que já chegaram à BLC3.

    d) Em todo o resto do artigo concordo com o professor João Dinis, com a exepção de que Lopes quer levar outros atrás nesta disputa. Lopes tem que ser coerente com tudo o que questionou e ficou até hoje à espera de resposta.

    Amigo João Dinis, continuamos a observar o “ninho de cucos”, se ainda tem dúvidas quanto à capacidade de Alexandrino em se recandidatar, deixe-lhe aqui o desafio. Ele que se candidate.

    João Albuquerque

  • Guerra Junqueiro

    O ignorante e o cego

    Carissimo Jano,

    Até te tinha em boa conta,

    Mas a ignorância é uma coisa cega… o mal dos que emprenham
    pelos ouvidos. Ou contrario de ti e do teu Lopes, que vivem com as migalhas de
    partidos na BLC3 à pessoas de trabalho. Pessoas que todos os dias trabalham as
    horas que forem precisas. Quando foi a ultima vez que as fizeste? Estão lá
    pessoas que pegam em inchadas e cavam buracos. Quando foi a ultima vez que o Lopes
    foi isso.

    Vós os invejosos e os ignorantes deviam ter vergonha de
    atacar pessoas que trabalha, pessoas honestas que ao contrario de vés não pisam
    nem andam às cavalitas de ninguém.

    Vós sois as verdadeiras caganitas de cabras da vossa terra,
    os palhaços da corte, que escrevem só porque inchadas não é convosco nem
    trabalhinho de verdade.

    O Lopes fala da BLC3 porque a ganância que lhe custou até as
    senhas de almoço esta-lhe atravessada nas goelas de cabra que agora guincha
    como perdida no monte (tal como se perdeu nas dívidas).

    Enquanto vós travais estas lutas de achincalhamento pessoal,
    “ou outros” os da BLC3, lutam pela vossa região. Mas pronto, é de mais para indivíduos
    parasitários e acostumados a viver na ignorância.

    Isto não é uma luta de galos… a historia tem um verme!

    Já tu jano… Esperava mais.

    Já faltava o grande trabalhador das empresas falsas: João Albuquerque. Diz-me lá, o que fazes tu pelo território? só me lembro daquela vez!! Bem, afinal não… não há nenhuma.

    • Guerra Junqueiro

      Quando é que te passei a “carta de alforria”?
      Professor João Dinis, este animal que escreveu com o nome que eu tenho registado, sabe que o comentário vai se apagado.
      Relativamente ao seu artigo de opinião, embora discorde não posso deixar de lhe dar os parabéns pela excelência do mesmo.

      Cumprimentos
      Guerra Junqueiro

    • António Lopes

      Eu a este, por ele, nem lhe respondia. O que é lá isso de senhas de almoço? Nunca na minha vida tive senhas de almoço em lado algum.Se se refer a senhas de presença,pagamento de impostos, pois aí sim, pago muitos, Decidem o que devo pagar e não me perguntam, nem a mim, nem aos demais se os podemos pagar.E para onde vão eles?Afinal essa empresa onde “trabalham” “tanto” trabalha à custa de que e do quê? O rapazola vem com esta conversa de anjo para quê? Custa-vos ouvir que uma resistência de aquecimento, foi essa a justificação que me deram há dias, não pode custar 27 mil euros? Pois..mas não pode.Acalmem-se.Mais uns quinze dias os documentos já aparecem.Então se verá quem são os trabalhadores e os malandros.Oxalá seja eu o malandro Será bem melhor para todos.Porque se não for eu, ia jurar a 99,999999 que não sou, a coisa é capaz de ficar complicada.Porque se marca uma visita, com a intervenção do Presidente da Assembleia Municipal a um eleito, para lhe dizer o que me foi dito e não efectuar a solicitada e marcada visita? De facto é muita ciência e trabalho para a minha ignorância e malandrice..! A questão é: Mas o que há para esconder..?E lá na BLC com tanto conhecimento, não se dão umas aulas de Português? A mecânica já sei que não são grande coisa..!

    • CBS

      O CBS agradece que não volte a utilizar o pseudónimo de Guerra Junqueiro, uma vez que o mesmo está registado na nossa base e o autor do actual comentário não corresponde aos dados que temos em nosso posse. Se persistir, os próximos posts serão retirados.

      • Apagão

        E não se apaga?
        Até pelo Português, escrito.!
        Façam lá o favor, a este “analfabruto”!….”Que eles andem aí!”

  • João Dinis (Jano)

    João Dinis, Jano

    Bem, também não é preciso exagerar…

    Meus Caros Amigos:

    É verdade que eu sou amigo de muitos Amigos. Aliás, eu nunca deixei

    de ser amigo de alguém. Houve é um ou dois que quiseram deixar de ser

    meus amigos. E eu, como amigo deles que era, não ia contrariá-los

    “impondo-lhes” a minha amizade…

    Quanto a ser amigo de Alexandrino, sou-o de facto e desde há muito e

    em diversas circunstâncias…que são as circunstâncias – normalmente

    as mais difíceis – que definem os amigos. E quanto a ser amigo de

    Lopes também o sou,

    Neste nosso relacionamento de amizade – que é (muito) mais do que

    amistoso – temos atravessado circunstâncias da vida por vezes

    difíceis.

    Agora, quanto a eu ser o “anjo da guarda” de Alexandrino…”Deus meu”

    ( lá volto eu)…convenhamos que também não é preciso exagerar.

    Aceita-se, apenas enquanto “figura de estilo” utilizada por quem gosta

    de escrever bem, com expressividade a enquadrar os conteúdos.

    E também não é preciso exagerar quanto à “excelência” do meu artigo

    supra. Haverá muito quem não goste… E eu próprio, confesso, acabei

    por não gostar assim tanto do meu artigo.

    Mas, já agora, deixem-me expressar um desejo – que, podem crer, não é

    só meu – espero muito que, no final desta refrega continuada entre

    Lopes e Alexandrino, Alexandrino não venha a ser penalizado em virtude

    de ter confiado (e de ter sido traído) em determinadas situações e em

    determinados indivíduos que o “cercam”. E desejo também que o mesmo

    até nem venha a acontecer a Lopes.

    • João Albuquerque

      É perfeitamente normal não se gostar do trabalho depois de feito, pois só prova que se é capaz de mais e melhor.
      Continuo a afirmar que tal como muitos outros, este artigo é de excelência e toca em pontos muito sensíveis. Tal como o professor João Dinis, também eu espero que Alexandrino saia ileso de toda esta situação, o que me parece pouco provável, no entanto deixo dito, que caso ele tenha sido engano por aqueles que denuncia, e também não foi por falta de aviso, cá estarei para mostrar como e quem o fez.
      Se minimiza ou não o problema, caso este exista, logo se verá.

      João Albuquerque