EB1 de Senhor das Almas: Pais fizeram cordão humano e vão manifestar-se na DREC

Sem que até agora tenham obtido qualquer sinal de comunicação da parte da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital e Junta de Freguesia de Nogueira do Cravo, os encarregados de educação dos 19 alunos de Senhor das Almas mobilizaram-se, hoje, em frente à EB1 da localidade e barraram a entrada no recinto escolar.

Contra a decisão do Agrupamento de Escolas Brás Garcia de Mascarenhas que, para pôr fim ao regime de desdobramento, optou por transferir os oito alunos do 3º e 4º anos para a escola da sede de freguesia, os pais não aceitam que os filhos sejam colocados numa escola “sem condições para as refeições e ATL” e solicitam que o desdobramento se prolongue por mais um ano na EB1 de Senhor das Almas até que seja construído um Centro Educativo na freguesia.

“Queremos continuar com o desdobramento e, vamos continuar aqui até alguém aparecer para nos dar uma resposta favorável”, referiu Sandra Saraiva que esta manhã disse estar disposta, em conjunto com os restantes pais, a prolongar a luta “nem que seja por mais uma semana, para que a escola possa abrir para todos”. Com conhecimento de que no distrito há várias escolas a funcionar em regime de desdobramento, os pais de Senhor das Almas pedem que “a lei seja igual para todos”.

Amanhã, os pais vão voltar a mobilizar-se junto à escola para impedir o normal funcionamento das actividades lectivas e, ao início da tarde, vão com os alunos fazer uma manifestação na Direcção Regional de Educação do Centro.

“Sabemos que os nossos filhos estão a ser prejudicados, mas quando os tiram do sítio deles também os estão a prejudicar”, observou Sandra Saraiva, lamentando também que os pais e o povo estejam “sozinhos nesta luta”.

“O senhor presidente da Junta de Freguesia sempre disse que estava do nosso lado, mas a verdade é que nunca o aqui vimos”, referiu Sandra Saraiva, denunciando que também do lado da Câmara Municipal não houve sequer um único contacto.

Note-se que também aos jornalistas, quer o presidente, quer a vereadora da Educação da autarquia oliveirense, à margem da acção de campanha do PSD em que participavam ontem, se mostraram indisponíveis para comentar a situação.

Já o director do Agrupamento de Escolas Brás Garcia de Mascarenhas justificou a decisão de deslocalização de alunos com a falta de uma sala de aula na EB1 de Senhor das Almas. “Eu, construções não faço”, observou Luís Ângelo, considerando contudo que “naquela escola não se justifica a construção de mais uma sala”.

Defendendo antes a construção de um centro educativo na freguesia de Nogueira do Cravo, o director do Agrupamento não deixou de considerar que o que agora está a acontecer é motivado por questões políticas. “Este ano é propício para isso, as mães dizem que estão cheias de promessas para construções”, referiu Luís Ângelo.

Sob o olhar atento da GNR – os comandantes do posto e do destacamento também estiveram presentes – a acção dos pais, alunos e outros populares foi ainda acompanhada pelos candidatos à Câmara Municipal da CDU, João Dinis, e do grupo de cidadãos independentes, José Carlos Mendes. O líder da Comissão Política Concelhia do PSD, Nuno Pereira, também esteve no local.

LEIA TAMBÉM

Jovens cientistas da EPTOLIVA de Tábua desenvolvem Compósito Antisséptico e conquistam segundo lugar na XI Mostra Nacional de Ciência

Jovens estudantes da Eptoliva, na Tábua, no distrito de Coimbra, desenvolveram uma solução desinfectante a …

A escola ou a escolinha (?). Autor: António Ferro.

Durante várias décadas, fui assistindo às mudanças (algumas drásticas e escusadas) no sistema de ensino …