EBI da Cordinha recebe parceiros e prepara alunos para experiência internacional

Teve ontem início, na Escola Básica Integrada da Cordinha, a reunião preparatória entre os responsáveis escolares e os representantes de escolas da Holanda, Espanha, Itália, Polónia e Turquia, no âmbito do Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida – Parcerias Multilaterais Comenius, sob o mote “Guardiões da Fauna e da Flora”.

A iniciativa, que foi assinalada com a inauguração de uma placa alusiva ao encontro, consiste numa parceria unilateral que decorrerá entre cada um dos países durante dois anos letivos.

A reunião de parceiros, que decorre até sexta-feira, assinala o arranque do intercâmbio que terá o seu ponto alto aquando da visita dos alunos da EBI da Cordinha, maiores de 12 anos, a escolas daqueles países .

“Queremos proporcionar outras visões aos alunos”, afirmou o diretor do Agrupamento de Escolas da Cordinha, explicando que a ida dos alunos acontecerá em 2012 e decorrerá em grupos de 10 alunos, a quem será dada a oportunidade de conhecer novas realidades escolares e sócio-económicas. O intercâmbio implicará ainda que os alunos de Ervedal da Beira permaneçam em casa dos colegas daqueles países.

“Queremos permitir uma sociabilização diferente e uma visão alargada do que é o espaço europeu”, explicou Carlos Carvalheira.

Responsável pela dinamização do projeto na EBI da Cordinha, João Simões reconhece as mais-valias do Comenius ao permitir que os alunos tenham contacto próximo com “a multiculturalidade e novas formas de viver”.

“Vai abrir a mente de alunos e professores ao permitir o contacto com outras pessoas e culturas”, considerou Paula, uma das professoras representantes da Holanda, que se revelou satisfeita pela visita à EBI da Cordinha.

Conhecer a população, culturas e tradições foi uma das vantagens identificada pela docente que, apenas, se tinha deslocado a Portugal para passar férias no Algarve.

Da Turquia, Nerimande considerou que o projeto “é bom para todos” porque permite o “conhecimento de diferentes culturas, escolas e alunos”.

A partilha de experiências é uma mais valia que identifica no intercâmbio, bem como o contacto com uma realidade escolar bem diferente da que existe na escola onde é professora. “Esta escola é grande e tem muitos espaços para brincadeiras”, referiu Nerimande, contando que na sua escola “existem muitas turmas, muitos alunos e há pouco espaço para lazer”.

LEIA TAMBÉM

Os pais da exclusão… Autor: Renato Nunes

Biblioteca Nacional de Lisboa, 29 de Setembro de 2017. Depois de mais um dia de …

Coligação liderada pelo CDS preocupada com empreitada da retirada do amianto das escolas de Oliveira do Hospital

A Coligação Construir o Futuro (CDS-PP / MPT / PPM) está “preocupada e apreensiva” com …