“Em Meruge existe um problema ambiental e até de saúde pública”

O presidente da Junta de Freguesia de Meruge congratulou-se com a atitude de “Os Verdes” (http://correiodabeiraserra.com/problemas-ambientais-e-economicos-da-etar-de-meruge-novamente-na-mesa-do-governo/) voltarem a lembrar ao Governo o caso da ETAR local que recebe apenas uma das três fossas sépticas, enquanto outras as outras duas existentes continuam a poluir o Rio Cobral. Aníbal Correia referiu ao CBS que agora que mudou o Governo é de louvar esta atitude porque é preciso manter os novos responsáveis actualizados “sobre os problemas do país real” e “em Meruge existe um problema ambiental e até de saúde pública”.

“A anterior ministra Assunção Cristas prometeu numa intervenção dos Verdes que as ligações das duas outras fossas sépticas estariam concluídas em 2014. A verdade é se passou esse ano, passou 2015 e não aconteceu nada”, explicou ao CBS o autarca de Meruge, frisando que a promessa da anterior Ministra da Agricultura e do Mar, não passou mesmo de uma mera promessa. Aníbal Correia, de resto, não tem dúvidas que estamos perante um problema ambiental e até de saúde pública. “No Verão, as moscas aumentam de forma incomensurável, o cheiro é incomodativo e temos o rio Cobral, que é o nosso cartão-de-visita, com o leito completamente poluído. Nem podemos manter aquela zona mais limpa, porque só torna mais visíveis os dejectos que para lá são despejados”, conta.

O presidente da Junta de Freguesia de Meruge, tal como salientam Os Verdes, também não entende como é que se faz um investimento de 1,5 milhões de euros na construção da ETAR e depois por 150 mil não se fazem as respectivas ligações. “É daqueles casos difíceis de entender. Fez-se o grosso do investimento e depois por causa de uma pequenina parcela não se rentabilizam os recursos disponíveis e deixam a população exposta a estes problemas”, sublinha Aníbal Correia.

O autarca acredita que uma intervenção do presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, José Carlos Alexandrino, também pode ajude a resolver o problema. “Pelo menos, já me disseram que chamou a atenção para o assunto e que já terão estado no terreno técnicos da empresa Águas de Lisboa e Vale do Tejo, a nova responsável pelo equipamento e ligações em substituição das Águas do Zêzere Côa. Esperemos que tudo se resolva o mais rapidamente possível. A actual situação não faz qualquer sentido”, rematou Aníbal Correia.

LEIA TAMBÉM

Polícia Judiciária deteve mulher que tentava introduzir haxixe na prisão de Coimbra

PJ suspeita que mãe pode ter morto criança na Guarda

A morte de um menino de 9 anos ocorrida ontem na localidade de Sortelhão, na …

Atropelamento mortal em Candosa, concelho de Tábua

Mulher morreu hoje em Oliveira do Hospital vítima de atropelamento na EN17 junto ao Lidl

Uma mulher, com 60 anos, morreu ao final da manhã de hoje na sequência de …