Empresário da Davion promete continuar a lutar pela manutenção de 240 postos de trabalho

Numa cerimónia participada por cerca de 150 pessoas, o administrador da Davion, desde 1993, foi alvo de vários elogios. “Do ponto de vista social é uma pessoa incomparável”, referiu o presidente da direção do Futebol Clube de Oliveira do Hospital, Rui Monteiro, que é o sucessor de Brito na liderança do clube.

Para o também empresário de confeções, Carlos Andrade, Mário Brito, de 40 anos, “tem sabido dignificar não só o empresário, como também o empreendedor e o homem que gosta de arriscar”.

Também presente na cerimónia promovida ao profissional pelo clube agora dirigido por o rotário José Carlos Álvaro, o presidente da câmara, que já foi treinador de Brito no FC de Oliveira do Hospital, definiu o homenageado como “o homem dos três H”. “É um homem com ‘H’ de humildade; um ‘H’ de humanidade e, um dos ‘H’ mais importantes é o H da honestidade”, disse José Carlos Alexandrino, sublinhando que em termos de honestidade o agora homem forte da Davion ”é irrepreensível”.

Frisando que tinha acabado de participar num programa da TVI 24 onde apelidara os empresários oliveirenses como “empresários-heróis”, Alexandrino disse que “são pessoas que não se deixam derrotar”, e enalteceu o facto de Brito ser um empresário “mais preocupado com os seus empregados e as suas famílias” do que consigo próprio.

No uso da palavra, o homenageado, que preferiu apelidar a homenagem “como um encontro de amigos e de pessoas conhecidas”, prometeu estar à altura dos tempos difíceis que se adivinham, numa empresa que – conforme o próprio referiu – não é só responsável por 240 trabalhadores mas também por 240 famílias. “Tudo farei para que a empresa continue a laborar. Tenho pena de não conseguir dar melhores salários às pessoas que lá trabalham”, disse.

LEIA TAMBÉM

Ano de 2017 foi o melhor de sempre para o turismo no Centro de Portugal

O ano de 2017 foi o melhor de sempre para a atividade turística no Centro …

PSA anuncia produção de carros de lazer na fábrica de Mangualde

Depois de ameaçar encerrar a produção em Portugal, o grupo francês PSA aumenta a pressão …