Encontrado sem vida homem que matou três familiares em Montemor-o-Velho

O homem de 41 anos que ontem à noite matou três familiares com tiros de caçadeira no concelho de Montemor-o-Velho ter-se-á suicidado de seguida. Antes assassinou o pai, mãe e avó, em Faíscas. As autoridades só entraram na habitação na localidade de Faíscas, em Arazede (concelho de Montemor-o-Velho), oito horas depois Paulo Cruz, de 41 anos, se ter barricado, mas o suicídio terá acontecido pouco depois dos homicídios. Os crimes terão ocorrido cerca das 21h00 dentro da casa onde o suspeito residia com os pais e uma avó. Os três corpos das vítimas encontravam-se num pátio nas traseiras da habitação.

Paulo da Cruz foi encontrado morto numa das divisões da habitação onde cometeu o massacre pela GNR que montou uma operação que durou toda a noite. Mas só ás 5h00 da madrugada, depois de ter chegado de Lisboa um autocarro da GNR com elementos do Grupo de Intervenção de Operacionais, a iluminação de toda a aldeia foi apagada e poucos minutos depois os operacionais das  entraram na habitação. Os primeiros corpos começaram a ser retirados pelos bombeiros às 06h34 da manhã e às 07h30 as ambulâncias saíram do local já com os quatro corpos.

Os contornos do crime são ainda desconhecidos. A GNR refere que o indivíduo tinha problemas de depressão mas sem qualquer história de violência, tendo regressado a Portugal há cerca de três meses, após um problema laboral no Luxemburgo onde estava emigrado. Mas deixou uma mensagem no Facebook dirigida ao Sindicato dos Trabalhadores (OGBL) no Luxemburgo. “Agradeço à OGBL por tudo o que me fizeram… Corruptos de primeira ordem. Não aguentei mais. Peço desculpa aos de mais. Senti-me envergonhado e sem apoio. A pior situação de um ser humano. Espero que à minha pseudo-filha a ajudem. As secretas da União Europeia são da pior espécie”, lê-se na mensagem.

O coronel João Seguro, comandante GNR de Coimbra, confirmou que a “hipótese mais provável, que era o suicídio do homicida”. “Foi esse o cenário que encontrámos dentro da residência. Estas operações (…) têm sempre de privilegiar o factor segurança da nossa parte e de quem está na outra situação. Foi isso que fizemos”. Neste momento estão no local elementos da Polícia Judiciária a recolher indícios para perceber como tudo aconteceu.

LEIA TAMBÉM

GNR realizou ontem 40 detenções em flagrante delito, sete das quais por roubo

PJ deteve em Seia um homem por tentativa de homicídio

O Departamento de Investigação Criminal da Guarda da Polícia Judiciária (PJ), com a colaboração da …

Primeiro-ministro apresenta 20 equipas de sapadores florestais em Oliveira do Hospital

O primeiro-ministro, António Costa, apresenta amanhã 20 novas equipas de sapadores florestais, em Oliveira do …