Ervedal da Beira comemorou 500 anos do Foral Manuelino e inaugurou renovado Teatro

Ervedal da Beira iniciou no passado fim de semana, as comemorações dos 500 anos do foral atribuído por D. Manuel I em 15 de maio de 1514, que se estendem até ao próximo fim de semana com várias iniciativas culturais.

O descerramento de uma placa comemorativa da efeméride, no Jardim António Correia Gouveia, marcou o arranque dos festejos, que pretendem “comemorar esta data importante, a atribuição de um novo foral com o qual passámos a ser um grande concelho”, afirmou o presidente da Junta de Freguesia, Carlos Maia, que desta forma não deixou “passar em claro esta data com um significado tão grande”.

Num fim de semana marcado pelas atividades mas também pela união dos ervedalenses em torno destas comemorações, o presidente da Câmara Municipal destacou o simbolismo associado aos 500 anos da atribuição do foral por significar a conquista de “determinados direitos”. José Carlos Alexandrino quis ainda prestar homenagem “a todos os que, anonimamente, ajudaram a construir coletivamente a freguesia de Ervedal”.

Ponto alto das comemorações foi a inauguração do remodelado Teatro da Sociedade Recreativa Ervedalense (SRE), que na noite de sábado foi palco da apresentação da comédia “Cartas Anónimas”, pelo Grupo Cénico da SRE.

foralervedal2

Uma inauguração carregada de emoções, à qual assistiu a população local que quis ver de perto esta “magnífica obra que honra o PRODER em toda a Beira Serra” como assinalou Miguel Ventura, presidente da ADIBER, entidade parceira nesta obra de remodelação que teve o apoio deste fundo através da linha “3.2.1. Preservação e Valorização do Património Rural”. O responsável saudou o “entusiasmo e empenho” do presidente da autarquia para “que esta obra fosse uma realidade neste quadro de apoio”.

Já no domingo, as comemorações foram preenchidas com uma missa na igreja matriz acompanhada pelo Choral Poliphónico do Alva e seguida de uma cerimónia de recriação da chegada do foral manuelino de Ervedal da Beira, com leitura e entrega do documento à população. Um momento que teve a colaboração da Associação dos Cavaleiros Hospitaleiros de Oliveira do Hospital que foi criada recentemente.

confraria

Após o almoço comemorativo na Escola da Cordinha, foi apresentada publicamente, a Confraria dos Bolos, Doces, Aguardentes e Licores de Ervedal da Beira. A tarde cultural foi complementada com o concerto tributo a Zeca Afonso pela Tuna Penalvense em parceria com a Ohpicina das Artes, a Estotuna D`Espital e outros convidados no teatro da Sociedade Recreativa Ervedalense.

As comemorações dos 500 anos do foral manuelino são uma organização da União das Freguesias de Ervedal da Beira e Vila Franca em parceria com o Município de Oliveira do Hospital.

LEIA TAMBÉM

Traficantes de droga detidos na Guarda

O Núcleo de Investigação Criminal da GNR Guarda deteve na terça-feira três homens, de 20, …

Subida de temperatura e risco elevado de incêndios no interior nos próximos dias

Temperaturas vão disparar, trazer noites tropicais e DGS está preocupada com efeitos na saúde

Uma massa de ar quente está a chegar a Portugal. No fim-de-semana as temperaturas vão disparar e podem aproximar-se dos …

  • P.inóquio.S

    Constou-me que houve quem fosse ao “perdoa-me” à Dª Esmeralda!!! Primeiro ofendem e dizem que “onde há pombos há merda”. Depois metem o rabo entre as pernas e vão pedir perdão? Um espanto…

    • Andam muito católicos

      Já não digo nada. Como foram todos abençoados pelo Padre, se calhar também foram perdoados.
      Talvez tenham comungado no domingo na missa.

  • Ervedalense

    É pena uma reportagem tão singela para a grandiosidade que ocorreu este fim de semana em Ervedal da Beira.
    Os Ervedalenses recuperaram parte do ego que num passado recente possuíram.
    Foi bonito ver todos em fraterna alegria, foi mais bonito ainda ver como os relacionamentos com os irmão Vilafranquenses estão sãos e duradouros.
    Este fim de semana, reinaugurou-se o Teatro, apresentou-se uma Confraria, soubemos que Vila Franca vai fazer o mesmo, uma alegria.
    Enfim parecia efectivamente uma terra com mais de 800 anos de história.