Espionagem telefónica e informática evitou “dezenas de ataques terroristas”, diz director da NSA

O general americano Keith Alexander, director da Agência Nacional de Segurança (NSA), defendeu ontem a legalidade dos programas de vigilância americanos expostos na semana passada, dizendo que são aplicados com uma supervisão rigorosa, e salientou a sua eficácia no combate ao terrorismo.

Os programas de vigilância telefónica e informática “ajudaram a evitar dezenas de ataques terroristas”, disse o general perante uma comissão do Senado, em Washington.

Alexander argumentou ainda que o trabalho da agência que lidera é sujeito a um rigoroso controlo. “Dada a natureza do nosso trabalho, poucas pessoas no poderes executivo, legislativo e judicial podem conhecer em detalhe o que fazemos ou ver que realizamos as nossas funções diariamente dentro das mais estritas regras, e que respondemos pelo nosso trabalho num quadro rigoroso de regime de supervisão do governo”, explicou, acrescentando: “Tudo depende da confiança. Nós funcionamos de forma a manter a confiança dos americanos e essa exigência é sagrada para nós”, disse Keith Alexander, considerando que não tem que haver um compromisso entre liberdade e segurança. “Não se trata de uma escolha, podemos fazer as duas coisas simultaneamente”.

A participação de espiões americanos nesta audiência do Senado, prevista há algum tempo e inserida num debate sobre cibersegurança, teve lugar seis dias depois da revelação sobre programas secretos da NSA para vigilância telefónica e electrónica nos Estados Unidos e no estrangeiro. A existência dos programas foi denunciada por Edward Snowden, um ex-consultor informático da agência que se refugiou em Hong Kong antes de enviar a documentação aos jornais The Washington Post The Guardian.

Alexander, por outro lado, reconheceu a necessidade de investigar como Snowden, um funcionário com poucos privilégios, teve acesso a informação tão sensível.

Snowden, acusado de uma série de crimes sobre revelação de segredos de Estado, fez saber nesta quarta-feira que irá contestar qualquer tentativa de extradição por parte dos Estados Unidos, garantindo que pretende ser julgado em Hong Kong.

público.pt

LEIA TAMBÉM

Denuncia do grupo do empresário Fernando Tavares Pereira coloca IMT sob investigação do DIAP

Duas empresas do grupo Tavfer, do empresário Fernando Tavares Pereira, a CIMA – Centro de …

Universidade de Coimbra aposta na folha de mirtilo para tratamento da Esclerosa Múltipla

Um projecto de investigação da Universidade de Coimbra aposta no potencial terapêutico da folha de …