Anoitecer em Alvôco. Autor: Alexandre Relvas

Esquecimento do tempo. Autor: Alexandre Relvas

Sentirás um pedaço do teu corpo
Entrelaçado na história da humanidade;
Farás do tempo um pedaço cíclico
Como se todos os dias o céu desabasse no teu coração.

O dia dar-nos-à o sol para criar a história,
A noite dar-nos-à a lua para a encerrarmos;
Há quem flutue entre as memórias
Como uma estrela cadente que se explode no céu à medida que ganha velocidade.

O tempo faz de nós um esquecimento num espaço vazio;
Outrora o vazio era preenchido pela voz humana completando o céu escuro.

Hoje a insignificância é um corpo móvel que, insaciavelmente, procura uma conexão para sentir o que quer que seja.

Haverá um dia em que os espaços perder-se-ão
E aquilo que somos será apenas
Um fumeiro estendido no céu
Como um adeus à história.

LEIA TAMBÉM

Ana Abrunhosa recebeu medalha de Ouro do município oliveirense e diz que o galardão tem de ser partilhado por toda a sua equipa

A presidente da CCDR centro, Ana Abrunhosa, recebeu, hoje, na cerimónia solene do feriado municipal …

Tenho um furo no meu quintal, serei obrigado a ligar o meu imóvel à rede pública de abastecimento de água?Autora: Tânia Santana.

As soluções privativas, designadamente furos, outros tipos de captações de água, fossas sépticas, só são …

  • bebadela

    Boa foto, ilustra a qualidade do poema.

  • bebadela

    Boa foto, completa bem o poema!

  • AiOpá

    Seria muito bom ver mais poemas tão belos como este aqui no site. Parabéns!