Estação de Tratamento de Alvôco das Várzeas agita as águas na assembleia municipal

“Ninguém no seu perfeito juízo concorda com a localização daquela ETAR”, sentenciou o deputado municipal do “Movimento de Eleitores Independentes Oliveira do Hospital Sempre”.

Numa intervenção muito crítica, José Vasco de Campos enalteceu a “postura dialogante” das principais entidades intervenientes no processo – câmara municipal, Águas do Zêzere e Coa e junta de freguesia -, mas observou que a localização daquela infraestrutura “colide com todas as regras de ordenamento do território e de preservação da paisagem”.

Numa alusão ao facto de a ETAR estar a ser construída a escassos metros do rio Alvôco – numa zona de grande beleza paisagística -, Vasco de Campos mostrou-se também preocupado com os “odores” e disse que “não há nenhuma ETAR que cheire bem”.

Desafiando o presidente da câmara a fazer “todos os esforços para que a ETAR seja construída noutro local”, aquele deputado independente tentou ainda imputar o ónus do desfecho do processo a José Carlos Alexandrino. “O senhor presidente da câmara tem nas mão a possibilidade de mudar a ETAR. Se não o fizer ficará para sempre com essa responsabilidade”, afirmou.

Face a estas declarações, o deputado municipal do PS, Rodrigues Gonçalves, também se viu obrigado a intervir com o reparo de que “esta questão da implementação das ETAR´s é definida por técnicos” e chegou mesmo a considerar a alocução daquele membro da assembleia como uma “intervenção dramática”.

“Já não estamos no tempo das ditaduras em que um homem é que decide”, disse o deputado socialista, sublinhando que o processo deverá ter uma decisão “apoiada nos pareceres técnicos”.

Em estreia naquele palco político, o presidente da junta de freguesia de Alvôco das Várzeas sublinhou o facto de aquela estação de tratamento de águas residuais – “reclamada há mais de 15 anos”, conforme sublinhou – ter sido aprovada em 2006, sendo que – frisou – “em 2009 foi posta uma placa de informação” no local da obra e, na altura, “ninguém disse nada”.

Agostinho Marques recordou ainda que a assembleia de freguesia local já se pronunciou – numa votação por unanimidade – favoravelmente à manutenção da ETAR no mesmo local. “As pessoas que vivem em Alvôco não querem estar mais 15 anos à espera da ETAR”, referiu.

“Não fiquei no meu gabinete…”

“Lamento que este assunto não tivesse sido despoletado mais cedo. Tinha sido um problema de fácil solução”, argumentou entretanto o presidente da câmara, referindo que, nesta fase do campeonato, com os trabalhos em curso, é a “proprietária da obra” – a AdZC – que terá a palavra final.

“Não fiquei no meu gabinete… fui a Alvôco reunir com as pessoas e foi decidido suspender os trabalhos”, frisou ainda o autarca eleito pelo PS.

Realçando que está pronto para “discutir novamente com a população” mal estejam prontas as soluções que estão a ser equacionadas pela AdZC, José Carlos Alexandrino sustentou no entanto que também não se pode “alhear” da posição já assumida pelos órgãos autárquicos da freguesia, mas manifestou o desejo de conseguir que neste processo “haja alguma base de consenso”.

Advertindo que a deslocalização daquele equipamento, onde já foram gastos cerca de 100 mil euros, implicaria também a construção de uma estação elevatória, Alexandrino desafiou as “partes” a esperaram pelo trabalho final da AdZC, e terminou com um reparo: “esta obra não tem a assinatura do José Carlos Alexandrino. Quer fique ou mude de sítio”.

notícia relacionada

LEIA TAMBÉM

“O presidente diz que Oliveira está na moda. Adarnela só se for na moda da idade da pedra. Não tem água, nem saneamento”

Quem chega a Adarnela, no concelho de Oliveira do Hospital encontra uma localidade dividida entre …

Cemitério de Nogueira do Cravo vai ser ampliado

A Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital aprovou na sexta-feira o alargamento do cemitério de …