Estenose lombar afeta dez por cento da população. Autor: Dr. Paulo Pereira

Estenose lombar afeta dez por cento da população. Autor: Dr. Paulo Pereira

A coluna está sujeita a um processo natural de envelhecimento responsável pelo desgaste dos discos, artrose e hipertrofia das articulações intervertebrais e espessamento dos ligamentos. Este processo degenerativo gradual, que pode ser mais rápido ou mais lento, provoca uma diminuição do diâmetro do canal vertebral, originando a estenose lombar. Estima-se que cerca de 10 por cento da população sofra deste problema, que é muito mais frequente depois dos 60 anos de idade.

Existem dois tipos de estenose lombar: a primária, causada por alterações congénitas ou desenvolvidas na primeira infância; e a secundária, resultante de alterações degenerativas ou como consequência de uma infeção, de um traumatismo ou de uma cirurgia. Embora seja mais frequente na região lombar, a estenose pode envolver também a região cervical ou, mais raramente, dorsal.

Quando os sintomas da estenose lombar se começam a manifestar, o processo de progressão da doença não é igual para todas as pessoas, podendo este ocorrer de um modo mais rápido ou mais lento. A compressão das raízes nervosas pode provocar dor, diminuição da força nos membros superiores e inferiores, diminuição da sensibilidade e mesmo alterações no controlo dos esfíncteres da bexiga e do ânus. Quando surge uma estenose na região lombar, o doente tipicamente desenvolve uma dificuldade progressiva na marcha, com dores difusas e falta de força nos membros inferiores, que regridem quando o doente está em repouso e quando se senta. Com a progressão da estenose a marcha fica cada vez mais limitada.

O diagnóstico da doença é feito a partir dos sintomas e da avaliação clínica do doente. Os exames de imagem confirmam o diagnóstico, mais frequentemente a ressonância magnética ou a tomografia axial computadorizada (TAC). A estenose lombar pode manter-se assintomática durante muito tempo e manifestar-se apenas numa fase em que o estreitamento do canal vertebral já é significativo.

Quando os sintomas são ligeiros, o recurso a medicamentos, alterações do estilo de vida e um programa de fisioterapia podem ser suficientes para o alívio das queixas. No entanto, quando os sintomas se agravam, pode ser necessário recorrer à cirurgia para descompressão das estruturas nervosas, o que geralmente se traduz numa melhoria significativa da qualidade de vida do doente. Em algumas situações, para além da descompressão é necessária uma estabilização da coluna vertebral.

Autor: Dr. Paulo Pereira, neurocirurgião e Coordenador da campanha Olhe pelas Suas Costas.

LEIA TAMBÉM

Universidade de Coimbra aposta na folha de mirtilo para tratamento da Esclerosa Múltipla

Um projecto de investigação da Universidade de Coimbra aposta no potencial terapêutico da folha de …

Deixar de fumar é possível com ajuda médica. Autora: Sandra Saleiro

Atualmente, quase dois milhões de portugueses continuam a fumar. Segundo dados da Organização Mundial de …