ESTGOH com orçamento de mais de milhão e meio de Euros

No total, é de mais de um milhão e meio de Euros (1. 675.311,00€) o orçamento de que dispõe a Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital (ESTGOH) para o ano 2010.

Os números foram divulgados pelo Instituto Politécnico de Coimbra que, este ano, assiste a um aumento de cerca de quatro milhões de euros no orçamento de 2010, chegando a um total de 33 milhões de Euros.

Repartido pelas seis unidades orgânicas, serviços da presidência e fundo para cursos de especialização tecnológica e bolsas de doutoramento para docentes do IPC, o orçamento global foi distribuído com base no número de alunos afectos a cada escola.

O critério acabou por reservar a menor fatia para a ESTGOH. O Instituto Superior de Engenharia foi o que absorveu o maior volume (10.056.271,00€), seguido pela Escola Superior de Educação (5.124.755,00€), Escola Superior Agrária (4.633.843,00€), Instituto Superior de Contabilidade e Administração (4.032.780,00€) e Escola Superior de Tecnologias da Saúde (3.302.703,00€). Para os Serviços de Presidência foram canalizados 1.768.333,00 € e, cerca de dois milhões ficaram afectos ao fundo.

Instado pelo correiodabeiraserra.com a pronunciar-se sobre estas diferenças na distribuição do orçamento, o director da ESTGOH não se revelou discordante. “Nós temos o menor número de alunos, por isso é natural que tenhamos o menor orçamento”, afirmou Nuno Fortes, adiantando que o orçamento da escola para este ano chega a comportar um aumento de cerca de 27 mil Euros.

Embora verifique que o aumento “não é significativo”, o ainda director da ESTGOH diz estar perante um “orçamento de estabilidade face a anos anteriores”.

“Temos uma estrutura de custos adaptada à realidade”, continuou Nuno Fortes, confiante de que o actual orçamento “vai ser suficiente para gerir a estrutura e a ter em funcionamento com dignidade”.

Para o director que se prepara para deixar o cargo que ocupa desde Março de 2007, o principal esforço da escola passa por “cobrar receitas próprias” que permitam financiar outros projectos da ESTGOH. Encaixou nas “receitas próprias” a cobrança das propinas aos alunos, a realização de Cursos de Especialização Tecnologia, a dinamização de projectos de Doutoramento de docentes e a prestação de outros serviços.

O aumento do orçamento que abrangeu o ensino superior em geral e, o IPC em particular, teve associado um contrato de confiança assinado com o Governo, com objectivo de cada estabelecimento de ensino superior apostar em novos projectos e na formação de activos.

Uma meta que para Nuno Fortes não é difícil de cumprir, porque – como referiu – “desde há muitos anos que a oferta da ESTGOH já está nesta previsão do Governo”. “É nesta lógica de continuidade que vamos implementar a nossa estratégia”, continuou, aproveitando ainda para referir que das 400 vagas que o IPC tem para Cursos de Especialização Tecnológica, “100 são da ESTGOH”.

Presidente da ESTGOH será conhecido a 17 de Março

A funcionar desde 2001 em regime de instalação, a ESTGOH está prestes a conhecer o nome do primeiro presidente da estrutura afecta ao IPC. Sem que até agora haja qualquer candidato ao lugar – Nuno Fortes não entra na corrida – o processo de eleição do principal órgão de gestão da escola teve início na passada quarta-feira, com a abertura do período para apresentação de candidaturas, que decorre até 15 de Fevereiro.

Com a campanha eleitoral prevista para o período entre 8 e 15 de Março, a eleição do primeiro presidente da ESTGOH está já marcada para 17 de Março.

O actual director da escola não é candidato ao lugar e a este jornal adiantou que, até ao momento, ainda não surgiu nenhuma candidatura. Mostrou-se contudo confiante no aparecimento de vários nomes candidatos. “Vamos aguardar serenamente”, frisou.

LEIA TAMBÉM

Presidente da República a caminho de Oliveira do Hospital e António Costa reunido com presidentes de Câmara naquela cidade

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, está a caminho de Oliveira do Hospital …

PSA Mangualde interrompe produção devido aos incêndios

A fábrica da Citroën, do grupo PSA, em Mangualde, interrompeu a produção devido aos incêndios …