ESTGOH é nossa!

É o slogan gritado, a cada esquina, em tempos de Receção ao Caloiro ou Semana Académica. É a afirmação de uma cidade que quer a sua escola e de estudantes que se sentem bem numa cidade que já é sua.

No entanto, por mais que gritemos que ela é nossa, está cada vez mais perto de deixar de o ser. As intenções do Instituto Politécnico de Coimbra (IPC) em esvaziar a nossa Escola de utilidade ou de cursos atrativos têm sido manifestadas de formas particularmente visíveis e o fecho, este ano letivo, do curso que mais concorrentes teve nos vários anos do Concurso Nacional de Acesso, Administração e Marketing, é a mais significativa facada na sobrevivência da instituição.

Esta foi uma história que começou há dois anos, quando se ameaçou, a poucos dias do novo ano letivo, dar à escola orçamento zero. A luta dos intervenientes locais, nomeadamente do presidente do Município, e dos estudantes, evitou que isso acontecesse, mas o pior mal já estava feito – feriu-se de morte a credibilidade da Escola. De lá para cá, Rui Antunes, o presidente do IPC, não deixou de ser “um incendiário”.

Este protagonista é, e não o tentemos disfarçar com palavras brandas, um inimigo da nossa Escola e, consequentemente, um inimigo da nossa terra. Retirar os nossos cursos para reforçar o ISEC ou o ISCAC é criminoso e promotor de desigualdade, esquecendo-se do papel da ESTGOH na redução de assimetrias em relação ao litoral.

Mas porquê eu estar aqui a dizer o que toda a gente já sabe? Porque, ao ficarmos quietos, também somos inimigos da continuidade da ESTGOH. A Câmara Municipal tem usado a sua influência, o que foi notório até pela presença no Parlamento, mas os cidadãos e os outros responsáveis têm também de assumir o seu papel. Cabe ao Presidente da Escola, à Associação de Estudantes e a cada um dos que compõe a comunidade escolar, lutar com as próprias mãos para evitar um fim trágico para os estudantes e para a região.

Acredito, e foi isso que fui aprendendo quando era dirigente associativo, que só em união e num trabalho conjunto de contestação serão conseguidas vitórias e se conseguirá fazer perceber, ao IPC, ao Ministério da Educação e ao país, a injustiça que se está a fazer para com Oliveira do Hospital.
Todos somos poucos para ajudar nesta causa. E devemos ser barulhentos, porque queremos que nos ouçam. Ninguém deve desistir.

Ainda vale a pena dizer que…

-Respeitar a opinião dos outros é um dos pergaminhos mais importantes para qualquer responsável público ou político. Quando escrevo aqui no Correio da Beira Serra não o faço com intenção de atacar ou denegrir alguém. Faço-o com a intenção de contribuir, com opiniões construtivas, para melhorar o espaço público da cidade e da região. Faz parte da humildade democrática aceitar estas opiniões, que são sempre fundamentadas e, não sendo absolutas ou passíveis de concordância total, são dadas em total boa-fé. Esta semana tive provas de que nem sempre a elevação e a responsabilidade estão no léxico da nossa política local. É lamentável.

– Estou a colaborar com uma iniciativa da Associação Juvenil dos Bombeiros Voluntários de Oliveira do Hospital, intitulada “Por um Natal Melhor”. O objetivo é recolher bens não perecíveis e fazer com que o espírito de alegria e felicidade que carateriza esta época festiva chegue a toda a gente. É no dia 14 de dezembro e já tem confirmados os UHF, o DJ Fernando Alvim e vários nomes conhecidos da região. Num próximo texto, mais informações.

– Manuel Machado é o novo presidente da Comissão Intermunicipal da Região Coimbra, sendo secundado por José Carlos Alexandrino e Ricardo Pereira Alves, como seus vice-presidentes. O protagonismo dado a dois autarcas do Alto Distrito, como são Alexandrino e Alves, é um bom sinal para todos os que temiam que a integração de Oliveira do Hospital nesta CIM pudesse significar um abafamento face às maiores cidades do distrito.

Pedro Coelho

LEIA TAMBÉM

Vítimas dos fogos podem pedir indemnizações até Janeiro de 2019

As vítimas dos incêndios de 2017 que não tenham sido já indemnizados podem requerer, até …

Incêndio

Autarquias sem prazo para se substituírem aos proprietários que não limpem os terrenos

O parlamento aprovou hoje na generalidade dois projectos de lei do PCP sobre faixas de …