Ex assessora de Tony Blair morreu no dia de Natal pouco depois dos filhos lhe perguntarem se podiam abrir os presentes

A antiga assessora dos ex-primeiros ministros do Reino Unido Tony Blair e  Gordon Brown, Kate Gross faleceu de cancro no cólon aos 36 anos no dia de Natal. Uma morte anunciada, mas que aconteceu num momento impensável: minutos depois de os filhos lhe terem perguntado se poderiam abrir os presentes de Natal, explica o jornal Mirror.

A sua morte foi anunciada por sua mãe Jean num post online, onde escreveu: “Kate morreu em casa , como ela queria. As duas últimas duas semanas de Kate foram caracterizados pelas mesmas qualidades que marcaram sua vida”. Faleceu de cancro no cólon, uma doença que lhe foi diagnosticada há dois anos. “Morreu em casa como desejava”, explicou o pai, adiantando que o momento final aconteceu “dez minutos depois de Oscar e Isaac perguntarem: ‘já podemos?’” [abrir os presentes].

Kate trabalhou como assessora tanto para Blair e do seu sucessor, Gordon Brown , durante seus mandatos em Downing Street, antes de passar a chefiar a African Governance Initiative, uma instituição que de caridade de Blair que  prestava assessoria na reforma da liderança e política de países africanos como o Ruanda, Serra Leoa e Libéria. “Era uma colega fabulosa, uma líder maravilhosa e uma amiga querida. A tragédia de sua morte só ilumina a magnificência de sua vida”, disse Blair ao jornal The Guardian, adiantando que mesmo doente Kate deu a todos uma nova esperança e propósito para as suas vidas. “Sinto-me privilegiado e orgulhoso de ter trabalhado com ela e fazer parte da sua vida “, frisou em declarações ao mesmo diário.

Foto: The Guardian

LEIA TAMBÉM

Tomada de posse dos órgãos autárquicos marcada pela tragédia dos incêndios e presidente reeleito aposta em “fazer renascer Oliveira do Hospital”

Não foi uma tomada de posse normal dos novos responsáveis pelo munícipio. Os discursos inflamados …

António Lopes apresenta denúncia no MP contra as autoridades do concelho oliveirense por entender que pode existir “crime de homicídio por negligência” na tragédia dos incêndios

O eleito à Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital, António Lopes, apresentou ontem uma denúncia …