Exercício físico vs exercício mental. Autor: Luís Marques

Quero desde já cumprimentar todo o público leitor desta crónica, que se pretende que não seja filha única nem a mal amada das demais.
O propósito das minhas crónicas é fazer uma análise critico construtiva do contexto sócio desportivo da sociedade atual.
Esta semana levanto o véu sobre o exercício físico do ponto de vista de quem o consome e o procura. A minha análise tem por base as experiências adquiridas ao longo destes últimos catorze anos de trabalho com adultos, quer no contexto aquático, em piscina, quer no contexto terra, em ginásios. No primeiro caso, a necessidade fala mais alto, pois a água é tida como o Santo Graal dos médicos no que toca à recomendação dos seus pacientes a exercitarem-se “Sr Doutor doiem-me as costas! Vá para a natação ou para a hidroginástica.” Aqui as coisas tornam-se claras, o cliente necessita de algo e confia no monitor, quer pela orientação médica, primeira prioridade do cliente, quer pela necessidade de aprender a fazer bem, segunda prioridade do cliente, o que irá satisfazer a primeira prioridade. Ótimo, excelente contexto de trabalho.
Já no segundo caso, no contexto terra, em ginásios, o panorama é completamente diferente, assiste-se a uma feira de vaidades, pois a necessidade do exercício é mental, a ideia é satisfazer uma necessidade básica dos dias de hoje, a necessidade social. Poucos são os que procuram o exercício pela necessidade física, “Preciso de me exercitar, sinto-me fraco(a), canso-me a subir escadas.” Claro, usa o elevador! Neste contexto o monitor terá que pautadamente fazer crer no seu cliente a necessidade que o seu corpo tem de fazer exercício regular e orientado, e não chegar ao ginásio e saltar para uma aula de grupo, devidamente contextualizada tecnicamente, só para se sentir socialmente aceite e/ou incluída, postando uma foto no facebook como sendo um(a) master atleta.
Em forma de conclusão devo dizer que a superação física e mental é alcançada no caminho que se percorre e não no momento que se cria, prova disso são os verdadeiros atletas, as pessoas que têm mais experiências desportivas e o monitor à sua frente, pois ele saberá o melhor para si.

LEIA TAMBÉM

“Rescaldo” dos Incêndios de 15 (e 16) de Outubro – 2017 Ainda com muita “fumaça” e pouca obra… Autor: João Dinis, Jano

Começar por (re)dizer que são trágicas as piores consequências humanas e sociais dos Incêndios Florestais …

Conto de Natal – A porta secreta. Autor: Renato Nunes

“– Meu filho! Já viste bem todas as prendas que o Menino Jesus te deixou …