FAAD prepara-se para receber urgência hospitalar

… está a ser negociado com a ARS, prevendo-se que o novo espaço entre em funcionamento até ao final de 2013.

Há muito nos horizontes do Conselho de Administração da Fundação Aurélio Amaro Diniz, a instalação de um serviço de urgências parece estar prestes a ser realidade. Esta é, pelo menos, a expectativa do presidente do Conselho de Administração da FAAD que, nos últimos meses, tem vindo a negociar com a Administração Regional de Saúde do Centro a possibilidade de o hospital poder assegurar um serviço de urgência à medida daquilo que são as necessidades do concelho e da região.

Em causa está uma nova resposta na área da saúde que, no concelho de Oliveira do Hospital tem vindo a ser assegurada pelo Serviço de Atendimento Permanente (SAP) em moldes considerados “mínimos e insuficientes”.

“De maneira nenhuma temos condições físicas para trabalhar naquele SAP”, referiu Álvaro Herdade ao correiodabeiraserra.com, notando que a preocupação do Conselho de Administração a que preside é de dotar o concelho e a região de um serviço de urgências “como deve ser”.

“Há que melhorar as condições físicas”, entende o também clínico, destacando a dificuldade que médicos, enfermeiros e auxiliares de saúde têm em prestar socorro a vários utentes ao mesmo tempo, como no caso de acidentados. Uma melhoria do espaço que Álvaro Herdade entende que deve também ser acompanhada dos necessários equipamentos, como sendo raio X e análises clínicas 24 horas por dia, ecografias e TAC diários e outros meios auxiliares de diagnóstico essenciais num serviço de urgência e que diminuem, em muito, a necessidade de encaminhar pacientes para Coimbra.

Ainda que em fase de negociação, Álvaro Herdade acredita que o processo venha a ter um desfecho favorável para a população e que se traduzirá num moderno e necessário serviço de urgência hospitalar, tal como o próprio sempre defendeu desde que assumiu os destinos da Fundação Aurélio Amaro Diniz. Uma conquista que assegura será facilitada pela existência de adequadas instalações que, como referiu a este diário digital, deverão arrancar em breve no atual parque de estacionamento. “Se não tivermos instalações, nunca conseguimos o serviço de urgência”, comentou o responsável, revelando que o futuro espaço vai também contar com uma área destinada a internamento de curta duração.

Em causa está um investimento que deverá rondar os 600 mil Euros, numa empreitada que também inclui a remodelação da farmácia do Hospital e da antiga secretaria com o objetivo de acolher a área de fisioterapia e bem estar, uma vez que o atual espaço usado para a reabilitação deverá dar lugar a uma sala de espera e outros gabinetes destinados a consultas de especialidade.

Apoio à infância entre as prioridades…

Uma aposta que reforça a vocação da FAAD na área da saúde, mas que não desvia a atenção do Conselho de Administração no apoio que presta à 3ª idade e à infância. No que a esta última diz respeito, a FAAD tem em curso a construção de um edifício destinado ao pré-escolar e ATL, num investimento global, totalmente suportado pela instituição, na ordem dos 400 mil euros.

Trata-se de uma solução que o CA encontrou para continuar a assegurar o apoio prestado aos mais pequenos, cujo número aumentou significativamente, desde que a FAAD “deu a mão” às várias dezenas de crianças que frequentavam o extinto Kikas. Atualmente, a instituição presta apoio a 170 crianças, tendo-se socorrido de espaços improvisados para continuar a assegurar o acompanhamento até ao final das obras do novo edifício que deverão ficar concluídas no próximo verão.

O novo espaço que vai ficar ligado ao infantário já existente – também vai sofrer obras de ampliação – vai dispor de um parque subterrâneo destinado às viaturas da instituição. “Vai haver uma redefinição total do espaço”, refere Álvaro Herdade, notando o esforço financeiro do Conselho de Administração na realização de uma obra para a qual não conta com financiamento exterior ou outra espécie de apoio.

“Pedimos ajuda à Câmara Municipal, mas até agora não obtivemos qualquer indicação nesse sentido”, refere Álvaro Herdade, revelando-se descontente por a FAAD não receber resposta célere e positiva num momento de necessidade. “Era uma questão lógica e de justiça”, comenta o responsável, lembrando que quando foi chamada a ajudar as crianças do KIKAS, a FAAD se prontificou.

LEIA TAMBÉM

Saúde em Oliveira do Hospital continua envolta em crise, utentes queixam-se e presidente da Câmara reconhece que solução não está nas mãos da autarquia

Uma utente não conseguia disfarçar a sua indignação por não ter, mais uma vez, conseguido a …

Coordenador do centro de saúde de Tábua alerta para consultórios sem lavatórios

PSD de Oliveira do Hospital quer atenuar encargos com medicamentos por parte das famílias mais carenciadas

O grupo de eleitos do PSD na Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital apresentou hoje …