Fabriconfex não escapa à insolvência e lança 180 trabalhadores no desemprego

A administração da unidade de confecções, de Gavinhos de Baixo, cumpriu o prazo estabelecido pelos trabalhadores e informou-os do futuro da empresa: a insolvência.

A decisão foi comunicada há instantes aos 180 trabalhadores por Luís Ferreira do Sindicato dos Têxteis e Vestuário do Centro, em frente às instalações da empresa, onde os trabalhadores estavam reunidos em plenário.

“Os trabalhadores foram apanhados de surpresa, mas o sindicato tinha consciência de que era o caminho possível”, afirmou aos jornalistas aquele responsável, verificando que aos trabalhadores resta agora lutarem, em tribunal, pelos seus direitos.

“Era uma empresa que não tinha outro caminho que não fosse o de se entregar à insolvência”, continuou o responsáve,l dando conta da existência de “um passivo de muitos milhares de Euros” e do incumprimento dos vários acordos estabelecidos com a Segurança Social, que contribuiu para o “amontoar da dívida”.

“Boas vontades” para reerguer Fabriconfex e HBC

Pese embora o infortúnio que se tem vindo a abater sobre a indústria das confecções em Oliveira do Hospital, Luís Ferreira deu conta de que sindicatos, trabalhadores e Câmara Municipal estão empenhados na busca de soluções para o caso da Fabriconfex e da HBC, cujo processo – como referiu –  “está numa fase mais avançada”.

“Tudo iremos fazer para que nas mesmas instalações da Fabriconfex possa vir a existir outra empresa”, adiantou o responsável sindical, destacando as reuniões já efectuadas com o ministério da Economia e Governo Civil.

Sabemos que o presidente da Câmara também tem contactado outros empresários para saber se é possível pôr esta empresa a laborar”, adiantou Luís Ferreira, advertindo contudo que “até ao momento ainda não há propostas”, mas sim um conjunto de “boas vontades”.

No caso da Fabriconfex, Ferreira sublinhou que a própria administração tem vontade de continuar com a empresa, mas vê-se impossibilitada pelo elevado volume do passivo.

Agora em processo de insolvência, o responsável sindical acredita que possa acontecer com a Fabriconfex, o mesmo que está a acontecer com a HBC, que é o aparecimento de um investidor interessado.

Sobre esta última unidade industrial, Luís Ferreira negou, contudo, a existência de “algo em concreto”, limitando-se a referir que “há já as boas vontades” e que agora se estão “a limar arestas no sentido de que seja concretizado esse objectivo”.

Para o Sindicato dos Têxteis e Vestuário do Centro importa assegurar a continuidade da indústria têxtil que “está fortemente implantada” em Oliveira do Hospital.

Para o efeito, Luís Ferreira apela à mobilização de esforços e lembra que “para continuar é preciso que haja empresários”. “É natural que haja empresários que estejam interessados, mas em determinadas condições”, verificou, sublinhando contudo que “há condições que se poderão encontrar junto do governo”.

Refira-se que em entrevista a este diário digital, o presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital se revelou optimista relativamente ao processo da HBC. “Tenho um potencial comprador para a HBC e vai, em princípio, ficar com 100 a 120 postos de trabalho”, contou José Carlos Alexandrino, confiante de que o problema daquela unidade de confecções, localizada na Zona Industrial, “está muito perto da sua resolução”. “O potencial investidor tem encomendas”, assegurou.

Apesar de não revelar grandes novidades sobre o caso da Fabriconfex, o autarca disse acreditar num desfecho favorável para aquela unidade. “Pelos contactos que fiz, acho que também vai haver uma solução”, verificou.

LEIA TAMBÉM

PSA anuncia produção de carros de lazer na fábrica de Mangualde

Depois de ameaçar encerrar a produção em Portugal, o grupo francês PSA aumenta a pressão …

Câmara da Guarda: Álvaro Amaro exige ser ouvido pelo Governo na estratégia nacional para o lítio

O presidente da Câmara Municipal da Guarda, Álvaro Amaro (PSD), emitiu ontem um comunicado onde …