Alexandrino fórum PS

Falta de resposta do Secretário de Estado sobre “projecto revolucionário de saúde” está a deixar José Carlos Alexandrino preocupado

O presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital confessou, no sábado, que começa a ficar preocupado com o protelamento constante da prometida reunião com o Secretário de Estado Adjunto do Ministro da Saúde, Manuel Ferreira Teixeira, que permitira avançar com o  “revolucionário sistema de saúde” do autarca que iria resolver, no seu entender, os problemas em todo o concelho. José Carlos Alexandrino, recorde-se, revelou as diligencias que efectuou na última Assembleia Municipal, tendo garantido que apresentou ao Secretário de Estado Adjunto do Ministro da Saúde, Fernando Leal da Costa, propostas concretas que foram bem recebidas, levando a um agendado de um novo encontro com o Adjunto do Ministro da Saúde. “O prazo era de três semanas. Já passou mais de um mês e, apesar da nossa insistência, não conseguimos marcar a reunião. Começo a ficar preocupado”, confessou o autarca que falava no Fórum das Freguesias/ Convenção Autárquica 2015 do PS local que decorreu na Associação de Amigos da Lajeosa.

José Calos Alexandrino, ainda assim, voltou a elogiar Fernando Leal da Costa, “um homem que se mostrou interessado e que sabia daquilo que se estava a falar”. Teme, porém, que tenham existido algumas interferências que estão a emperrar o processo. “Acreditei no secretário de Estado, mas os corredores políticos têm coisas menos boas. Espero que ninguém imbuído de ‘partidarite’ tenha exercido influências negativas”, frisou José Carlos Alexandrino perante uma plateia de várias dezenas de pessoas. “Espero que ele cumpra a sua palavra”.

O autarca, que antes tinha ouvido muitos representantes de juntas de freguesia darem conta do mal-estar das suas populações em relação à falta de médicos de família, voltou a salientar as qualidades do seu “modelo revolucionário de saúde” para o concelho. “Permitira cobrir o nosso território na totalidade. Resolveria este grave problema facilmente”, disse, sublinhando que vai aguardar mais 15 dias antes de tomar “medidas mais radicais”, porque o concelho não pode continuar num estado, em que 60 por cento da população não tem médico de família. Quais as medidas? O autarca referiu ao CBS que serão de forma a fazer ouvir-se, mas ainda não estão definidas. “Primeiro terei de falar como PS”, rematou.

Unidade_Saude-1024x577O autarca, por outro lado, assegurou aos presentes naquele fórum do PS, que já chegou a acordo com a Fundação de Aurélio Amaro Diniz, e que a Unidade Móvel de Saúde passou para a autarquia. Será agora a CMOH que terá agora a responsabilidade de a colocar operacional, juntamente com a Direcção Regional de Saúde, devendo estar rapidamente em funcionamento, permitindo servir os locais mais periféricos do concelho. Alexandrino esclareceu também que aqueles que falam que a Câmara tem gasto zero com a rubrica da saúde, não sabem o que estão a dizer. “A verba que está orçamentada nessa rubrica é para obras físicas que ainda não foram executadas, portanto nada foi gasto. Todo o restante apoio em termos de apoios de medicamentos e similares, e é muito está no âmbito da acção social da Câmara”, explicou.

Foto da Unidade Móvel de saúde: Comarca de Arganil

LEIA TAMBÉM

Capoula Santos apresentou em Oliveira do Hospital novas medidas de apoio aos agricultores afectados pelos fogos

O Ministro da Agricultura apresentou, ontem, em Oliveira do Hospital, as novas medidas de apoio …

O “Ciclone de Fogo” varreu aquela noite que o foi de (quase) todos os medos… Autor: João Dinis, Jano

Naquela noite de (quase) todos os Fogos e de (quase) todos os medos, morreu Gente …

  • unidademovel

    Pois é .! Estes iluminados estão a comer o fel que semeiam há 6 anos por vários lados.
    Pobre povo e pobre concelho, assim enganado, com medíocres e incompetentes como estes !
    Quando a seriedade não se pratica …..que se espera ?.
    Ao menos arranjem uma desculpa “temporal”.

    • Cavaleiro de Oliveira

      Basta de ressabiados e maldosos ontem eram uma coisa hoje já são outra,assim não não dignifica ninguém ! Mais parecem meninos da Escola Zangados.Tenham princípios e elevação!Que o País e o bom senso agradecem OK?

      • Politicalex

        Eu também acho que sim.Só que, a “unidade móvel”, foi adquirida há mais de três anos.Tem estado na Fundação cujo presidente é nomeado pela Câmara, logo de confiança e sintonizado( é pressuposto). Então porque não tem feito a unidade móvel o serviço para que foi adquirida? Se não estavam reunidas as condições para a usar, gastaram dinheiro nela, para quê? Se a Fundação, com todo o pessoal médico que tem, não lhe consegue dar uso a Câmara vai conseguir como? As pessoas até podem ter razão:mas, os factos, são estes. Porque não esclarecem as pessoas? É o tal “projecto revolucionário” que vai pôr tudo a girar? Tem hospital da Fundação.Tem Centro de saúde.Tem postos médicos em todo o lado.Tem a unidade móvel, o presidente está lá há 6 anos e diz que fez mais que os outros todos,não está o problema resolvido porquê? Cá para mim é porque fizeram mais que os outros mas, foi asneiras e bola. Nisso, indiscutivelmente, ninguém os bate…

  • António Lopes

    Ai as verbas orçamentadas são para fazer obras..? Que obras e onde..?Para serem utilizadas por quem? Enquanto a Câmara anda a meter-se onde não é chamada, porque não gasta o que tem no que é de sua responsabilidade? A unidade móvel que custou cento e muitos está parada há uns três anos.A autarquia, que não consegue apresentar duas vezes o mesmo número de uma despesa,vai meter-se num problema desta delicadeza, que não é da sua área de competências porquê? Será o tal ego maior que o Concelho..? Ou será o populismo inconsciente que lebva a gastar em bola e outras alienações mais que o que gasta em toda a política social? Se se quer ajudar em vez de fazer obras, onde tudo o indica não vai ter os médicos e enfermeiros, porque não paga as taxas moderadoras, a participação nos remédios,deslocações etc, especialmente aos mais carenciados? Na acção social vão gastos 22 mil euros.Na bola vão gastos 263 mil, este ano..! É muita demagogia para o meu gosto..! O que faz falta são obras ou são os médicos..? Andam na praça pública a falar do que não devem ,em tempo de eleições depois, o governo deixa-os à porta… Os médicos vão para outro lado…Ainda ninguém os conhece já se sabe que são côxos ou estão grávidas, é natural que lhes mandem arranjar uns mais desempenados..! Valha-nos Deus…”Quem te manda sapateiro”…