Família desalojada à espera de contacto da assistência social (actualizada)

“A minha avó ficou em minha casa e a minha mãe dormiu em casa da minha irmã”, referiu há instantes ao correiodabeiraserra.com o jovem Marco Peres, que há três dias deixou de habitar no local onde ontem deflagrou o incêndio.

Sublinhando que depois de ontem ter sido contactado pelos serviços de assistência social, que se deslocaram ao Vale do Ferreiro, Marco referiu no entanto a este diário digital que a situação mantém-se num impasse. “Ficaram em contactar-me, mas ainda não entraram em contacto comigo. O problema é que em minha casa não tenho condições para ter a minha avó, porque só tem um quarto”, afirmou ainda aquele jovem.

Depois das infrutíferas tentativas realizadas ontem pelo CBS online junto da vereadora responsável pelo pelouro da Acção Social do Município de Oliveira do Hospital, o correiodabeiraserra.com quis esclarecer o ponto da situação junto de Elsa Correia, mas a vereadora social-democrata continua indisponível.

Actualização (13:46:04) – Pouco tempo depois de esta notícia ter sido editada, uma funcionária da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital já entrou em contacto com Marco Peres, que telefonou há minutos para este diário digital a dar conta da evolução do processo. “Acabaram de me telefonar e vão voltar a ligar-me para marcarmos o local e a hora onde nos vamos encontrar”, informou o jovem que está a dar abrigo à avó, Maria de Lurdes Peres, de 66 anos.

LEIA TAMBÉM

Ana Abrunhosa entregou quatro habitações reconstruídas em Seia

A presidente da CCDRC, Ana Abrunhosa, entregou as chaves de quatro habitações (três na freguesia …

Dez detidos por tráfico de estupefacientes em Seia e Manteigas

O Comando Territorial da GNR da Guarda deteve dez pessoas, com idades entre 18 e …