Fátima “negócios e negociatas” – “Ecce homo !”. Autor: João Dinis, Jano

O Santuário de Fátima e os seus Peregrinos – de todas as motivações e “promessas” – convergem para uma das maiores concentrações humanas – 12/13 de Maio de 2017 – alguma vez verificadas em Portugal. Esta vai para o “guiness”…

Eu cá acredito em Fátima porque vejo lá as Pessoas e acredito nelas. Não acredito em “pastorinhos”…nem em “milagres”…nem em outras estórias que nos contam a propósito…

Fátima existe. Mas existe porque a grande maioria dessas Pessoas tem a sua Fé e os seus dramas e corre por eles para Fátima e para aquilo que, para cada uma delas, Fátima significa a cada momento da sua vida. Sim, as Mulheres e os Homens criam Fátima à sua (deles) imagem e semelhança, e consoante as suas necessidades e aspirações.

Porém, com essas motivações e para esse acto – que são legítimos – quase todos fizeram um prévio “negócio” – a “promessa” mais em concreto – com a Santa:

-“Se me acontecer isto ou aquilo…se for atendida a minha prece…vou a Fátima em peregrinação, a pé ou como mais puder”. Eis a “fórmula” mais usual, eis o conteúdo, digamos que utilitário, mais material que propriamente espiritual, do “crente” em Fátima e nas respectivas “virtudes”.

“Ecce homo!” – direi eu, e escrevo “homo” com h “pequeno” para significar o “homem-humano” e não confundir…

Negócios escandalosos em torno de Fátima e dos seus “produtos”

E surge avassalador, omnipresente, o outro negócio – abjecto e iníquo, dadas as circunstâncias de que se alimenta. Falamos dos custos, especulativos, de: hotéis, pensões e tendas de campismo – de velas e círios – de importâncias em donativos e outros “óbulos” à Santa e que revertem para o Vaticano. E é também o infindável cortejo de “compra-venda” de efígies da Santa e do Papa, de estatuetas, de “santas e santinhos” – de rosários, de cruzes e cruzetas – de quadros, cartazes e panais – de tanta bugiganga mais – tudo subordinado a essa “marca”, patenteada e multinacional, que já é a “marca” Fátima!

Desta vez, o “negócio”, muito temporal, está a ser potenciado pela vinda do Papa. Deste Papa que outros já cá estiveram antes com repercussões semelhantes. Mas deste Papa que surge no Vaticano como um Papa “anti-negociatas” e, particularmente, dentro do seu “instrumento” privilegiado para o efeito, o IOR-Instituto das Obras Religiosas, o “Banco do Vaticano”, que se tem envolvido em sucessivos escândalos financeiros.

Viv´ó “negócio” com Fátima, (re)abençoado pela vinda do Papa !

Governo “laico” com “fé” numa ajuda da Igreja Católica…

O actual Governo PS – talvez para não ficar atrás dos “demo-cristãos” do CDS/PP – supostamente um Governo PS “laico” nos termos da Constituição da República Portuguesa, prostrou-se “de joelhos” perante o peso do Papa Francisco e decretou um dia de “tolerância de ponto” – 12 de Maio – para os Funcionários Públicos poderem ir esperar o Papa (?!…).

A isto se poderá chamar de “chico-espertismo político” do Governo PS a “piscar” o olho” à hierarquia da “nossa” Igreja Católica tradicionalmente desconfiada e até “golpista”, ainda mais perante “geringonças” e afins…

No máximo, no máximo, admitir-se-ia que o Governo PS desse orientações expressas para estimular, oficialmente, a que a Administração Pública facilitasse a vida aos Funcionários Públicos interessados em utilizar esses dias – 12 e 13 Maio – em louvor ao Papa e a Fátima, MAS QUE ESSES DIAS LHES CONTASSEM COMO DIAS DE FÉRIAS (e não como “tolerância de ponto”). Aliás, o mesmo poderia o Governo fazer para “sensibilizar” as empresas privadas.

Ora, posta a situação como o Governo PS a pôs, tal constitui (mais) um privilégio à Igreja Católica mas que a sociedade, em geral, está a interpretar mais como sendo um privilégio oferecido aos Funcionários Públicos…

Cristo correu os “vendilhões do Templo” à força física!

Cremos que a única vez em que Jesus Cristo aparece fisicamente violento, segundo as versões da Bíblia, é quando enfrenta, colérico e com recurso à violência física – aos empurrões e à chicotada – os “vendilhões do Templo”, os “cambistas”, que eram os “banqueiros” à época, e os expulsa do Templo enquanto exclama, segundo S. João:- “não façais da casa de meu Pai uma casa de negócio!” – e em que S. Mateus é ainda mais drástico quando põe na boca de Jesus o vitupério desse momento: “a minha casa (o Templo) será chamada de casa de oração; vós, porém, a fazeis covil de salteadores!”.

Ora aí temos, santas, sábias e proféticas palavras…

Ou seja, se Cristo voltasse Homem-Deus à Terra, teria muito(s) para pontapear e chicotear! Teria, até, que pedir ajuda ao Espírito Santo (sem más conotações…) para realizar uma tão importante quanto, hoje, perigosa tarefa…

Avé !

 

Autor: João Dinis, Jano

LEIA TAMBÉM

Incêndios causaram mais de 10 milhões de euros de prejuízos em Seia

Os prejuízos financeiros causados pelos incêndios dos dias 15, 16 e 17 de Outubro no …

idosos

Idoso desaparecido em Trancoso

Os Bombeiros e a GNR estão a procurar um homem de 90 anos que foi …

  • Óculo

    oculo

    «Ecce JanFocalizem.

    Este Jano às tantas é para aí «Testemunha de Jeová» dadas as citações Bíblicas.

    Focalizem.

    Todavia, tá bem apanhada e cabe bem na atualidade a evocação de Cristo à porrada aos vendilhões do Templo que na descrição dos Evangelhos eram mesmo os «banqueiros» – os cambistas – da época.

    Focalizem.

    Hoje, os banqueiros são ainda piores e tão maus são eles que alguns até se chamam de «Espíritos Santos», são diabos disfarçados, e outros especulam e cometem toda a espécie de crimes, de fato, no tal IOR , ou Banco do Vaticano…

    Focalizem.

    Óculo

  • Óculum

    Óculum

    Focalizem a grafia supra… «Óculum» é plural de «oculo»..

    Focalizem.

    Mas então o «Janus» – plural de Jano – ocupa-se em teorizar sobre Fátima e esquece o essencial ?!.

    Esquece que a Revolução Soviética inicial se dá em 1917 e que se dizem para 1917 também as tais «aparições» de Nossa Senhora em Fátima que dão início a essa monumental fraude que tem por base ideológica-teológica «Fátima». Enfim, dão início não é bem assim que a «coisa» já vinha a ser preparada desde pelo,menos 1915.

    Dito de outra forma, «Fátima” e a ideologia que a rodeia têm como causa terrena mais próxima o combate que a Igreja Católica travava em Portugal contra as políticas dos governos «Maçónico-Afonsinos» – do Partido Republicano – (de Afonso Costa) da
    Primeira República.
    Mas, de imediato «Fátima» também serviu para dar resposta – aliás muito rápida – por parte da Igreja Católica em Portugal – ainda prenhe pelas «tradições» da «Santa Inquisição» responsável por tanto sofrimento infringido à Humanidade durante alguns dos séculos precedentes – à onda ideológica saída da Revolução de Outubro de 1917 na Rússia de então, onda que varria mais ou menos todos os países da Europa e até de outros continentes.

    Focalizem.

    Quem se lembrar reconhece até aquela «cantilena» que durante décadas se entoava sob a forma de reza dentro das igrejas e capelas de Portugal particularmente em Maio, o «mês de Maria»:- «Nossa Senhora de Fátima salvai a Rússia!» e também sabemos que um dos alegados «segredos» da infeliz «Irmã-pastorinha Lúcia» era precisamente o da «conversão da Rússia» ou seja era o prévio «anúncio» do colapso da ex-União Soviética, colapso de fato verificado em 1991.

    Focalizem.

    Sobre esse colapso da ex-União Soviética, diremos que acertaram nas previsões. Foi isso, concretizou-se um desejo político e ideológico da Igreja Católica para o qual, e só como exemplo, o Papa João Paulo II trabalhou mais do que ninguém…inclusivé mais do que «trabalhou» a Senhora de Fátima que, para isso e para outras coisas, serve de «instrumento» da Igreja Católica e dos seus «exércitos» terrenos.

    Avé.

    Óculum