Cerca de duas mil pessoas, incluindo alunos, deverão passar hoje pela sede do Agrupamento de Escolas Brás Garcia de Mascarenhas onde decorre, desde as 10h00 e até às 17h00, a Feira Medieval e Etnográfica.

 

Feira Medieval e Etnográfica abre portas do Brás Garcia de Mascarenhas à comunidade

Imagem vazia padrãoDesenvolvida no âmbito da Festa Municipal da Educação, a iniciativa concentra no recinto escolar daquele agrupamento meia centena de tendinhas onde é possível adquirir produtos tradicionais ao nível da gastronomia e de artesanato, desatacando-se a participação de artesãos locais. E porque as tendinhas e os artigos expostos recriam o ambiente medieval, também alunos e professores se apresentam trajados a rigor, com fatos alusivos à época.

A decorrer de porta aberta, o certame é extensivo a toda a população, com especial destaque para os pais e encarregados de educação dos 1500 alunos que frequentam todos os níveis de ensino do Brás Garcia de Mascarenhas. Este é, de resto, o principal objectivo que o conselho executivo liderado por Luís Ângelo pretende atingir. “Está aqui feita a prova de que a comunidade também vem à escola. Esta era a nossa aposta e o convite foi aceite”, referiu o responsável ao correiodabeiraserra.com, acrescentando que a intenção “é cativar os pais a vir à escola, porque muitas das vezes só o faziam para receber as notas ou pelo mau comportamento dos filhos”. Luís Ângelo destacou o empenho dos alunos na organização da feira, frisando que este tipo de iniciativas contribui para uma maior motivação, por lhes ser possível mostrar aos pais os trabalhos que realizam durante o ano lectivo.

Às primeiras horas da manhã, o docente fazia um balanço positivo quer pela prestação dos alunos, quer pela adesão da comunidade.

Imagem vazia padrãoPara a organização da Feira Medieval e Etnográfica, o Agrupamento contou com o apoio financeiro da escola e com o trabalho “de meses” desenvolvido pelos alunos, professores e auxiliares. Luís Ângelo realça o facto de muitas barracas terem sido construídas por funcionários e de os trajes terem sido elaborados em sala de aula. “Este ano, apostámos na prata da casa”, referiu, explicando que a animação musical e a recriação medieval é feita pela comunidade escolar, enquanto que no ano passado se registou a participação do conhecido grupo Viv’arte.

Para o dia 20 de Junho, data de encerramento do ano lectivo, o Agrupamento já agendou a realização de um Arraial Beirão. Com início às 19h00 e aberto a toda a população, o certame reúne uma mostra de trabalhos com exposições em todas as salas de aula, bem como uma mostra etnográfica e musical.

LEIA TAMBÉM

Jovens cientistas da EPTOLIVA de Tábua desenvolvem Compósito Antisséptico e conquistam segundo lugar na XI Mostra Nacional de Ciência

Jovens estudantes da Eptoliva, na Tábua, no distrito de Coimbra, desenvolveram uma solução desinfectante a …

A escola ou a escolinha (?). Autor: António Ferro.

Durante várias décadas, fui assistindo às mudanças (algumas drásticas e escusadas) no sistema de ensino …