Docente, especializado em Geologia, autodidacta na pintura, poeta pela escrita e na leitura das sensibilidades dos outros. Podia ter ser médico e foi gestor – preferiu o ensino como meio de vida porque tinha encontro marcado com a Ciência e a arte de viver em harmonia com a estética.

Figuras: Álvaro Assunção

Imagem vazia padrãoNo tempo em que a TV apenas se anunciava, as notícias chegavam pela rádio e imprensa escrita. Em casa de José Marques da Assunção, prestigiado comerciante de Oliveira do Hospital, depois do jantar lia-se o jornal para se ficar a conhecer as últimas do país e do mundo.

O pai José dizia, por norma, ao filho Álvaro, menino da escola primária:
– Ora lê, alto, claro e com bom som!
A criança cumpria com gosto a “ordem” paterna, fazendo questão de colocar vírgulas e pontos na leitura dos textos, ainda que fossem inexistentes – o melhor método para realçar a importância da escrita, pensava.

Possivelmente, nasceu nessa altura o gosto pelo ensino – “…dar aulas”, como refere o pedagogo Álvaro Assunção.

Curioso como se lhe abrilhanta o olhar quando a conversa é direccionada para a violência escolar, tema actual, a par de outros, do ensino.

– “Em quarenta anos que levo como professor, nunca tive o mais pequeno conflito com uma turma ou com um aluno. Por vezes tomo a iniciativa de “provocar” pequenas discussões para aliviar o ambiente, se o noto pesado. Sou bem capaz de falar de um jogo de futebol ou escolher outro tema de ocasião para que os alunos opinem durante alguns minutos; depois, vamos ao trabalho – não me dou mal com o método”.

"Alto, Claro e com bom som"

Álvaro Assunção nasceu em Oliveira do Hospital, estudou no colégio Brás Garcia de Mascarenhas, fez a Universidade em Coimbra e, mais tarde, após a morte da mãe, trocou uma carreira de professor em África pelo ensino na terra onde nasceu, exactamente no colégio onde fora aluno; mais tarde ingressou nos quadros da Escola Secundária, onde continua.

A serra da Estrela fica aqui a dois passos: vem do seu contacto frequente com os picos que “tocam o céu” o amor pela Geologia.

– “A serra é uma das minhas paixões, confesso. Desde muito novo que conheço alguns dos segredos daqueles montes e vales graníticos. As marcas da erosão são o testemunho de várias glaciações. Mas é preciso amar a serra para se descobrir todo o encanto que o olhar contempla, sem dúvida, mas que pode ser sentido pelo toque nas rochas que lhe dão “vida”.

O Teatro dos Estudantes Universitários de Coimbra – TEUC – foi a incubadora da sua arte, enquanto “…poeta para consumo interno” – opina, e dizeur de nome prestigiado no concelho e fora de portas.

Há encantamento na sua forma de ler poesia: ”agreste”, ou “doce”, consoante o texto e, como não podia deixar de ser, a sua sensibilidade. Porém, foi no teatro que deu os primeiros passos: Tragédias Gregas, Gil Vicente, Frederico Garcia Lorca…e tantos outros clássicos; amor maior vai para a poesia de Fernando Pessoa, Eugénio de Andrade, António Gedeão, Manuel Alegre…

A pintura vem depois. A mostra que recentemente expôs na Casa da Cultura, em Oliveira do Hospital, testemunha a sua sensibilidade pela minúcia do pormenor; “adivinhei-lhe espiritualidade” no traço – e ficou com um “brilhozinho nos olhos” quando deixei às claras um pouco da sua alma… Agora, tem peças expostas numa galeria em Sintra.

– “Chamei à exposição “Urbanidades”, mas bem podia ser “urbanismo” porque de médico, poeta, arquitecto e louco, todos temos um pouco (o trocadilho é feito como nos aprouver) e o pormenor a que se refere nas minhas pinturas é o reflexo da minha personalidade. Ao contrário do que as pessoas possam imaginar, travo algumas lutas interiores muito, mas mesmo muito pessoais”.

A conversa podia terminar com “duas pinceladas” de um poema escrito pelo Álvaro Assunção, não fora o caso da sua reserva interior o inibir de expor o outro lado de sua personalidade, vincada pelo cavalheirismo com que granjeia simpatias e amizades…

…Um dia qualquer talvez possamos “recomeçar” o diálogo no ponto onde estamos e falar da sua poesia e, quem sabe, relembrar os seus tempos de menino / caixeiro numa das lojas da família, depois de sair das aulas, porque é de pequenino que se aprendem rituais de vida nos valores que nos são legados pela família, consolidados pela aprendizagem obtida nos bancos da (s) escola (s).

Carlos Ramos

LEIA TAMBÉM

Casas abandonadas. Autor: Renato Nunes

A partir do momento em que a minha avó materna faleceu, já lá vão 22 …

Festival “Origens” de Travanca de Lagos agendado para o próximo fim-de-semana

Os Jovens da Liga de Travanca de Lagos apresentam, de sexta-feira a domingo, mais uma …