Figuras: Rita Godinho

… talvez em Janeiro lhe tome o gosto… Até lá, os “eventos com aroma” hão-de continuar por aí, através das diferentes actividades da empresa que dirige, a partir de Lisboa.

Rita Godinho aproxima-se da mesa do café, senta-se numa cadeira, pede meia torrada e leite com chocolate. Os gestos são largos e as palavras firmes, mesmo quando fala de si e da sua empresa de eventos, “Carpe Vinum” – um mundo de novas ideias, levadas à prática com requinte.

O vinho é o denominador comum nas propostas apresentadas aos clientes, da degustação ao conhecimento aprofundado da vinha, passando pelas visitas às adegas, planificação de cursos de iniciação à prova, etc.

A presença de profissionais reconhecidos, nomeadamente enólogos e escanções, garante a qualidade das acções da empresa. Se for caso disso, as sugestões podem incluir outro tipo de animação, a desenvolver “… no campo ou na cidade, com flexibilidade, uma hora ou um fim de semana…”.

Na verdade, a (re)descoberta dos mistérios do Vinho e da Gastronomia esteve na génese da “Carpe Vinum”.

– “A empresa nasceu em Abril de 2005 em Oliveira do Hospital, onde tem a sede social, mas foi pensada a nível nacional. Os dois primeiros anos foram complicados – diz Rita Godinho – mas com muita perseverança e o apoio dos meus pais consegui impor-me no mercado e atingir a “velocidade cruzeiro”; como sou péssima a nível comercial, a maior publicidade tem sido “passa a palavra”, uns dizem aos outros, e este sistema ainda é o melhor marketing para qualquer actividade ou produto”.

Rita Godinho planifica cada evento ao pormenor e apresenta ao cliente um manancial de novas soluções, culturais ou simples entretenimento, de agrado geral garantido. Por norma, os seus serviços são procurados pelas empresas quando divulgam e promovem determinado produto, através de seminários, por exemplo, ou quando o alvo são os próprios funcionários; em qualquer dos casos, respeitam-se todos os requisitos das acções programadas.

No começo, o “vinho era o rei e senhor” das grandes propostas, que podiam incluir, ou não, a degustação gastronómica de produtos regionais para “…meia dúzia de pessoas ou dezenas, o número de participantes não altera em nada a planificação do trabalho, o importante é que o cliente e os seus convidados fiquem satisfeitos com os serviços que prestamos”, que podem ser, na actualidade, dos mais variados. Para a “Carpe Vinum” (quase) todos os “sonhos” são possíveis de concretizar…

…como organizar festas para crianças de forma original!
– “Vamos proporcionar às crianças a iniciativa de confeccionarem a própria comida; as sandes, por exemplo, têm formas e feitios pouco vulgares, o que agrada aos mais pequenos. Procuramos ser criativos e encontrar, também nesta área, novas soluções para as festas das crianças”.

“Eventos com aroma”

O próximo Natal, para a “Carpe Vinum”, terá um novo tipo de cabaz, que inclui vinhos nacionais, como não podia deixar de ser, compotas e outros produtos regionais. No futuro, a Rita gostaria de ter em Lisboa um espaço aberto ao grande público, onde pudesse ser apreciado um conceito diferente do tradicional restaurante, o chamado finger food, um novo modo de servir “…porque tenho uma pequena legião de fãs que gostam da comida que faço. Talvez para o ano seja possível…”.

Rita Godinho nasceu em Oliveira do Hospital. Fez Sociologia na Universidade de Coimbra, trabalhou nos Serviços Nacionais de Estatística, “… mas como gosto de desafios e ali, naquele emprego para a vida, estava a estagnar, decidi concorrer ao Programa INOV Contacto – Estágios Internacionais de Jovens Quadros – iniciativa promovida pelo Ministério da Economia e da Inovação, apoiado pela União Europeia”.

Confessa que teve alguma sorte por ter ido para a Sonae, em França, onde, no tempo extra, fez um curso de iniciação à prova de vinhos, adquirindo conhecimentos técnicos preciosos para a actividade que hoje exerce.

Depois da França, voltou a Portugal, onde permaneceu pouco tempo. Angola perfilava-se no horizonte e foi para lá que tomou rumo, como consultora num escritório de advogados. A experiência, conta, “foi gratificante, e voltaria sem qualquer problema se existisse um projecto aliciante, que me cativasse, porque o país tem todas as condições para ser um dos maiores do mundo”.

De regresso à Pátria, cria a sua própria empresa, e os dias, a partir daí, bem precisavam “de mais umas horas”!

A rotina é coisa “desconhecida”, o tempo certo de descanso, também, mas, diz, “não abdico das minhas oito horas de sono. Se estiver a conduzir e sentir necessidade de dormir, encosto e durmo; do que gosto mesmo é de fazer uma sesta a seguir ao almoço, quando é possível, claro…”. Apesar da sua actividade profissional intensa e constante, não descura a sua vida pessoal e os gostos.

-“Se me apetece assistir a um concerto, por exemplo, arranjo maneira de estar disponível e vou. Infelizmente já não posso fazer o mesmo quando as saudades da família, que está aqui, em Oliveira, apertam, mas sempre que posso, dou uma fugida até cá, como aconteceu desta vez”.

Carlos Alberto

LEIA TAMBÉM

Cid Teles, a cigarra do Triste Fado: Possíveis influências. Autor Renato Nunes

Não é fácil identificar as influências de um indivíduo. Ainda assim, o estudo dos seus …

Cid Teles, a cigarra do Triste Fado: As origens. Autor: Renato Nunes

O poeta que inspira estas palavras nasceu em 8 de Março de 1911, em Tábua, …